Padre que declarou ser gay acusa clero de ser “violentamente homofóbico”

Charamsa diz que hierarquia da Igreja transforma a vida dos católicos gays em ‘um inferno’

O prelado Krysztof Charamsa (esquerda), durante o comparecimento ante a imprensa junto a seu casal, Edouard, em Roma.Reuters-Live (reuters_live)

Krysztof Charamsa, o padre que declarou publicamente que é gay e tem um namorado, atacou duramente a hierarquia da Igreja Católica. Em carta enviada ao papa Francisco, ele acusa o Vaticano de transformar num “inferno” a vida de milhões de católicos homossexuais do mundo todo. Charamsa, que foi afastado de suas funções após o anúncio, também critica o clero por “perseguir” e provocar “sofrimento incomensurável” aos católicos gays e suas famílias.

Mais informações
Papa esteve com Kim Davis, ativista contra o casamento gay nos EUA
O papa Francisco trata de abrir a Igreja às novas formas de família
Smithers enfim sairá do armário em ‘Os Simpsons’
Estatuto que retira direitos da união gay avança na Câmara
Como sair do armário quase me levou ao suicídio

Polonês de 43 anos, o prelado afirma que o clero católico está cheio de “homossexuais” mas que também é “violentamente homofóbico”, segundo a BBC, que teve acesso à carta. Nela, o padre pede a “todos os cardeais, sacerdotes e bispos gays” que tenham “a coragem de abandonar esta Igreja insensível, injusta e brutal”.

Charamsa, que era oficial da Congregação para a Doutrina da Fé (o antigo Santo Ofício) e secretário-adjunto da Comissão Teológica Internacional do Vaticano, escreveu a carta há algumas semanas – no mesmo dia em que apareceu em público em Roma para falar de sua homossexualidade e apresentar seu namorado. Na carta, explica ao papa os motivos da declaração e diz que, após “um período longo e atormentado de oração e discernimento”, tomou a decisão de “rejeitar publicamente a violência da Igreja contra os homossexuais, lésbicas, bissexuais e transexuais”.

O polonês agradece o papa Francisco por alguns de seus gestos e palavras sobre os homossexuais. “Quem sou eu para julgar os gays?”, disse, por exemplo, o Sumo Pontífice em 2013. Ao mesmo tempo, contudo, o padre indica que esses gestos de nada adiantarão se não forem retiradas todas as declarações ofensivas da Santa Sé contra os homossexuais.

O anúncio de Charamsa, sacerdote desde 2003, desatou uma fortíssima polêmica no Vaticano. Sua declaração pública foi feita exatamente na véspera da reunião de 270 padres sinodais – bispos, cardeais, religiosos e especialistas – para tratar dos novos modelos de família. O prelado queria realmente agitar o debate.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS