Em livro, FHC elogia Odebrecht e diz que não se governa sem PMDB

Ex-presidente deixou de dar secretaria a Aécio Neves por receio de reação do PMDB

FHC e Sarney nas comemorações dos 15 anos do Real.
FHC e Sarney nas comemorações dos 15 anos do Real. Antonio Cruz/ABr

"Essa base de apoio eu a estendi depois das eleições e peguei o PMDB (...), e vejo assim o futuro também. Seja eu o presidente ou outro (...), ninguém vai poder governar o Brasil sem ampla base de apoio." A frase poderia ter sido dita pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ou por sua sucessora, Dilma Rousseff, mas se trata de um trecho das memórias do tucano Fernando Henrique Cardoso. O livro, Diários da Presidência, que será lançado este mês pela Companhia das Letras, abrange os dois primeiros anos do Governo de FHC, de 1995 a 1996. "É melhor que ele [PMDB] se fortaleça nas mãos de gente que não seja um caudilho local", afirma o tucano.

Mais informações
FHC: “A oposição, se quer vencer, não pode esquecer da inclusão”
Leia todos artigos escritos por Fernando Henrique Cardoso
Contra pressão do PT para tirar Levy, Dilma reitera que ele fica
Após protestos, Governo se diz otimista, e FHC pede renúncia
“O PSDB age de forma totalmente irresponsável com relação à crise”

Já naquela época o partido que hoje tem a mandatária petista na palma de sua mão – com o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, de caneta em punho e a autoridade de aceitar ou não pedidos de impeachment contra ela – era o fiel da balança. A ponto de Fernando Henrique deixar de fazer nomeações para não irritar os peemedebistas: “Aécio [Neves, então deputado federal] (...) queria saber se, como não vai ser candidato a prefeito [de Belo Horizonte], poderia ir para o lugar do Cícero Lucena [secretário de Integração Regional]”. De acordo com o relato do tucano, o pedido foi negado, sob a justificativa, entre outras coisas, de que a nomeação “vai criar um problema com o PMDB e tudo mais”. Quase como um consolo para o parlamentar, FHC emenda que “aquela secretaria não tem muito significado, e não há sentido em tê-la por compensação”. O hoje senador Aécio Neves, em diversas passagens do livro, é tratado apenas como “Aecinho”.

As preocupações e dilemas acerca das privatizações conduzidas durante seu Governo permeiam todo o primeiro volume das memórias do tucano. Um dos focos de tensão entre os ministros da Fazenda (Pedro Malan) e do Planejamento (José Serra), o tema privatização preocupava FHC em particular com relação à Vale do Rio Doce. “Não tenho a mesma comichão em favor da privatização na Vale que vejo em vários outros setores e no próprio governo”, comenta em fevereiro de 1995. No mês seguinte, o então presidente conversa sobre o assunto com o ex-presidente militar Ernesto Geisel, que “tampouco é favorável à privatização da Vale do Rio Doce”.

O tucano, cuja passagem pelo Palácio do Planalto associaria todo seu partido às privatizações, muito por conta das críticas de oposicionistas, chega a dizer em seus comentários cotidianos que não sabe “se vamos realmente chegar a implementar algumas dessas privatizações, nem estou convencido de sua total necessidade”. “No geral, sim, mas em certos casos eu mesmo tenho ainda reservas mentais”, comenta. Em outro momento, FHC pondera: “Quero me convencer melhor, não que tenha alguma reação antiprivatista, mas porque ela é um instrumento muito grande de coordenação de políticas econômicas, se bem usado".

Almocei aqui com Emilio Odebrecht e a Ruth [Cardoso]. Emilio veio trazer sugestões, nada para ele, só a respeito de vários temas de interessa nacional."

Elogios à Odebrecht

Outro personagem das páginas do livro é Emilio Odebrecht, então presidente do grupo empresarial que leva seu nome — e que hoje está mergulhado no escândalo investigado pela Lava Jato. O filho de Emilio, Marcelo, está preso por envolvimento no esquema de corrupção da Petrobras. Ao patriarca da empreiteira, FHC só tem elogios: “Almocei aqui com Emilio Odebrecht e a Ruth [Cardoso]. Emilio veio trazer sugestões, nada para ele, só a respeito de vários temas de interessa nacional. É curioso. Tem um nome tão ruim a Odebrecht, e o Emilio tem sido sempre correto, há tantos anos”. Mais à frente, nova menção ao empresário e a escândalos envolvendo a construtora: “Curioso, a firma Odebrecht ficou tão marcada pela CPI dos Anões do Orçamento, com o negócio da corrupção, e no entanto o Emílio é um dos homens mais competentes do Brasil em termos empresariais”.

O presidente afirma que em certo momento, Emílio o visitou para discutir “uma espécie de radiografia dos grupos empresariais brasileiros”. FHC diz que tem vontade de conversar com o empresário: “Temos que organizar o capitalismo brasileiro”. Atualmente, no âmbito da Lava Jato, a Odebrecht é acusada, entre outras coisas, de participar da formação de cartéis com outras construtoras para fixar preços em licitações.

Sobre a Petrobras, FHC relata reunião com Benjamin Steinbruch, presidente da Companhia Siderúrgica Nacional, na qual o presidente indagou o executivo sobre a estatal petrolífera. “Ele me disse que a Petrobras é um escândalo. Quem manobra tudo e manda mesmo é o Orlando Galvão Filho [então presidente da BR distribuidora e diretor financeiro da estatal]”, afirmou o tucano. Mais à frente o tucano diz que "o que há de mais grave é que todos os diretores da Petrobras são membros do conselho de administração".

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS