Legalização da maconha chega às portas do Supremo mexicano

Corte discutirá uma proposta para autorizar o cultivo e o consumo para fins recreativos

O ministro do Suprema Corte, Arturo Zaldívar.
O ministro do Suprema Corte, Arturo Zaldívar.NOTIMEX

O debate pela legalização da maconha no México está há anos dando pequenos passos depois de uma guerra contra os cartéis da droga que deixou 80.000 mortos e mais de 20.000 desaparecidos. Nos próximos dias, a discussão poderá dar um salto adiante gigantesco com a ajuda de Arturo Zaldívar, um dos onze juízes do Tribunal Supremo mexicano. Em 28 de outubro, o ministro apresentará ante a primeira sala da Corte [uma das duas turmas que compõem o Supremo do México] um projeto que pretende declarar inconstitucionais cinco artigos da Lei Geral de Saúde que proíbem a semeadura, cultivo e posse da droga para consumo próprio com fins recreativos. Sua proposta não contempla autorizar o comércio da substância.

O projeto de Zaldívar, apresentado nesta sexta-feira, pretende amparar a Sociedade Mexicana de Autoconsumo Tolerante e Responsável, uma organização de clubes de cannabis que há dois anos solicitou ao governo permissão para o cultivo de plantas de maconha com finalidade de consumo recreativo. A Comissão Federal de Proteção de Riscos Sanitários, a Cofepris, rejeitou o pedido. Os demandantes entraram com um recurso que foi negado por um juiz em primeira instância. O ministro acredita que não corresponde a um Estado limitar as liberdades. "Pertence à autonomia individual... a possibilidade de decidir responsavelmente se deseja experimentar os efeitos da substância", diz o documento. No país, a posse de pequenas quantidades está descriminalizada desde 2009, mas os especialistas consideram que os montantes tolerados são tão insignificantes que é fácil criminalizar os usuários.

Na sua justificativa Zaldívar afirma que o consumo da maconha por pessoas adultas "não representa um risco importante para a saúde" se não for utilizada de forma "crônica e excessiva". Os efeitos são "mínimos ou semelhantes" aos produzidos por substâncias não proibidas, como o álcool e o tabaco, diz o ministro em sua proposta à primeira sala. Para que o amparo seja concedido bastará que três dos cinco juízes respaldem a proposta de Zaldívar, um dos juristas mais liberais da Corte. Seus projetos, no entanto, costumam fracassar em razão da maioria conservadora do tribunal.

Se a maioria da primeira sala respaldar o projeto, ficarão sem efeito os artigos 235, 237, 245, 247 e 248 da lei geral da Saúde. O primeiro deles aprova a semeadura, cultivo, preparação e posse de estupefacientes exclusivamente para fins médicos e científicos. O segundo proíbe usar para esses fins a cannabis sativa (maconha), além de outras substâncias, como o ópio e a heroína. Os demais artigos regulam e classificam as substâncias psicotrópicas. Zaldívar afirma em seu texto que o amparo somente beneficiaria a maconha. A declaração de inconstitucionalidade "não representa em nenhum caso autorização para realizar atos de comércio, fornecimento ou distribuição da substância".

Mais informações

Uso medicinal da maconha

O caso de Grace Elizalde, uma menina de oito anos originária de Monterrey, no Estado de Nuevo León, no norte do México, deu em setembro uma face diferente para o debate da legalização. A garota, que sofre mais de cem crises epiléticas por causa da síndrome de Lennox-Gastaut, sensibilizou alguns setores reticentes à aprovação.

Uma batalha encabeçada por seus pais conseguiu que mais de 45.000 pessoas assinassem uma petição ás autoridades mexicanas para que autorizassem a importação de um medicamento fabricado com uma base de cannabis. Mikel Arriola, autoridade encarregada da área de riscos à saúde no México, deu a permissão. Grace será a primeira paciente no México que experimentará um tratamento com a maconha medicinal, uma prática que é comum em 24 Estados dos Estados Unidos, incluindo o Distrito de Colúmbia, a capital. Na segunda-feira, os ativistas mexicanos a favor da legalização darão uma entrevista à imprensa ao lado da família Elizalde e o médico que prescreveu o medicamento, que acaba de entrar no país, depois de cruzar a fronteira com os Estados Unidos na sexta-feira.

Um grupo de 67 intelectuais, acadêmicos e personalidades, que inclui o ex-presidente Ernesto Zedillo (1994-2000), o ex-chanceler Jorge Castañeda, empresários como Pedro Aspe, o Nobel de Química Mario Molia, os escritores Héctor Aguilar Camín, Ángeles Mastretta e Juan Villoro, além de atores como Gael García Bernal e Diego Luna, tem pressionado publicamente desde 2013 por políticas que passem do proibicionismo para um enfoque de saúde pública. A palavra da Corte terá um peso muito importante na batalha.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: