Holanda publica relatório definitivo sobre a catástrofe do voo MH17

Conselho para Segurança Nacional atribui o desastre a um míssil Buk, de fabricação russa

Reconstrução do MH17.FOTO: R. V. LONKHUIJSEN (EFE) / VÍDEO (REUTERS) (reuters_live)

O Conselho para a Segurança Nacional da Holanda apresenta nesta terça-feira o relatório técnico definitivo sobre a catástrofe do voo MH17 da Malaysia Airlines, que matou 298 pessoas em 17 de julho de 2014. O aparelho cobria a rota entre Amsterdã e Kuala Lumpur e caiu na região de Donetsk, na Ucrânia. Os familiares das vítimas –196 de nacionalidade holandesa– esperam finalmente saber o que aconteceu, mas como a investigação penal está ainda nas mãos da Procuradoria Geral do Estado, o Conselho se absterá de apontar culpados. O relatório procura responder a quatro perguntas fundamentais: O que causou o desastre? Por que o aparelho da Malaysia Airlines sobrevoou o espaço aéreo da Ucrânia, em pleno conflito armado? Por que demoraram dois dias para publicar a lista completa de passageiros? E, por último, alguém pôde perceber o que tinha acontecido?

Mais informações

Apesar de as conclusões não entrarem no terreno criminal, as últimas declarações de Evert van Zijtveld, vice-presidente da Fundação das Vítimas do MH17, são reveladoras: “Foram explodidos no ar, isso é fato. Embora para os familiares seja indiferente que tipo de míssil foi disparado, é preciso saber se foi ou não um Buk”, afirmou à televisão nacional (NOS). Há apenas uma semana, a equipe penal admitiu que “o mais plausível é que o MH17 tenha sido derrubado por um míssil de tipo Buk”. Fragmentos desse sistema antiaéreo foram encontrados nos corpos das vítimas. E os danos sofridos pela fuselagem o comprovam. O que os investigadores não podem afirmar ainda, com toda certeza, “é se o Boeing 777 de passageiros foi atingido de propósito, ou se se tratou de um erro”. Ou seja, se os responsáveis acreditavam ter atacado uma aeronave militar.

O Buk é uma arma de fabricação russa concebida para interceptar mísseis de cruzeiro, bombas inteligentes e aviões. Tanto a Ucrânia como a Rússia continuam trocando acusações sobre o ocorrido e afirmam que o disparo foi feito por tropas do lado contrário (rebeldes separatistas no lado russo). Depois de atribuir o desastre a “um complô da CIA”, e depois a “um jato militar ucraniano que disparou contra a aeronave civil”, Moscou atribuiu os fatos às tropas ucranianas em uma operação pensada para jogar a culpa no Kremlin”. Para tentar demonstrar isso, a empresa Almaz Antey, fabricante do míssil, apresentará também nesta terça-feira os resultados de sua própria investigação.

Depois de simular um impacto similar ao sofrido pelo MH17, os peritos da Almaz provavelmente vão descartar qualquer implicação porque o modelo em questão já não figura em seu arsenal militar. Em julho, Moscou vetou no Conselho de Segurança das Nações Unidas a criação de um tribunal especial para julgar os responsáveis pela matança. A única instância que poderia se ocupar do caso é o Tribunal Penal Internacional, mas, para isso, precisa receber o encargo explícito da própria ONU.

Durante o último ano, os especialistas do Conselho para a Segurança Nacional da Holanda reconstruíram o que foi possível do avião com os pedaços de carcaça recuperados na Ucrânia. A cabine do piloto e parte da primeira classe serão mostradas esta manhã na base militar de Gilze-Rijen (sul do país). Para os familiares, será uma visão difícil de suportar porque durante os trabalhos se soube que pelo menos um dos cadáveres estava com a máscara de oxigênio. Todos perderam os sentidos no momento em que avião recebeu o impacto do projétil, ou alguém conseguiu ver que o aparelho perdia altitude vertiginosamente?

Essas perguntas são essenciais para os familiares, que esperaram até quatro dias para receber a confirmação oficial da morte de seus entes queridos. Embora a maioria dos restos humanos tenha sido levada para a Holanda no verão passado, em setembro mais alguns foram encontrados em Kharkov (leste de Ucrânia). A repatriação seguiu o mesmo protocolo de honra dispensado às vítimas desde o início dos trabalhos de levantamento dos cadáveres, há 15 meses.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: