Artífices do impeachment perdem força com denúncias de corrupção

Relator do TCU que analisará contas de Dilma é acusado de envolvimento em esquema Enquanto isso, presidente da Câmara, que foi para a oposição, tenta se manter no cargo

Augusto Nardes, relator do TCU.
Augusto Nardes, relator do TCU.REUTERS

A trama política que envolve o Brasil ganha, a cada dia, um novo capítulo dramático. Nesta quarta-feira, o país amanheceu com a denúncia de que o ministro do Tribunal de Contas da União (TCU) que relata o processo que julgará as contas de Dilma Rousseff pode estar envolvido em um esquema. É o segundo nome com capacidade de levar ao impeachment da presidenta, suspeito de corrupção: o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, tenta se segurar no cargo após a procuradoria da Suíça informar que ele possui contas no país, algo que ele negava.

Reportagem publicada no jornal Folha de S.Paulo nesta quarta afirma que a Polícia Federal e o Ministério Público Federal descobriram indícios de que o ministro do TCU, Augusto Nardes, pode ter recebido 1,65 milhão de reais de uma empresa chamada Planalto Soluções e Negócios, que seria do sobrinho dele e da qual ele foi sócio até 2005. A empresa é investigada por suspeitas de comprar decisões do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais, órgão que pertence ao ministério da Fazenda e julga recursos de empresas contra multas aplicadas pela Receita Federal. Os pagamentos ocorreram entre dezembro de 2011 e janeiro de 2012, quando Nardes já era ministro do TCU e estava desligado da empresa, afirma o jornal. O ministro nega conhecer os pagamentos.

Mais informações
Crise política deflagra uma guerra entre as instituições de Brasília
Dilma começa batalha no TCU para tentar fechar porta ao impeachment
Os ‘políticos de pijamas’ do TCU ganham status inédito com a crise
Em meio à crise, o Governo atinge a maior reprovação em 27 anos
Dilma pode ser responsabilizada por manobra fiscal, diz ministro do TCU
Relator do TCU:“Não dá mais para passar a mão na cabeça do Governo”
Deputados faltam a votação e frustram parte do ajuste fiscal

Nardes é relator das contas do Governo Dilma de 2014, que serão votadas nesta quarta no TCU. Desde que assumiu o caso, ele deu diversas declarações de que há irregularidades nas finanças da presidenta. Nas últimas semanas, afirmou que o Tribunal estava prestes a fazer história, indicando que seria favorável à rejeição das contas por causa da manobra conhecida como “pedaladas fiscais” –para fechar as contas no azul, o Governo teria adiado uma série de repasses para bancos que fazem o pagamento de programas sociais; os bancos pagaram os beneficiários em dia, mas, em troca, o Governo pagou mais juros, levando a um gasto de mais de 40 bilhões de reais.

Caso as contas sejam reprovadas, a oposição ganha argumentos jurídicos para abrir o pedido de impeachment no Congresso. Até o momento, existem dez pedidos para que a presidenta deixe o cargo em tramitação na Câmara dos deputados, mas o que causou mais barulho, feito pelo ex-petista Helio Bicudo, deve ser arquivado por falta de sustentação jurídica.

A batalha da oposição pelo impeachment, no entanto, também ganhou um duro golpe na Câmara. O apoio a Cunha, responsável por decidir o que entra em votação na Casa, está diminuindo a cada dia. Nesta terça-feira, o jornal O Globo afirma que o PSDB e o DEM já tentam convencê-lo de deixar a presidência da Câmara por causa da informação de que a promotoria da Suíça confirmou que ele tem contas no país, algo que ele negava. O presidente foi citado na Operação Lava Jato por nomes que o acusam de envolvimento com os desvios da Petrobras.

Cunha nega e afirma que as investigações são “seletivas” e que ele é perseguido pelo Governo por sua atuação combativa na Câmara. Ele tem imposto uma série de derrotas a Rousseff, inclusive conseguiu evitar a votação da chamada pauta bomba nesta quarta-feira, pelo segundo dia seguido. Para os petistas, a estratégia de Cunha é acuar o Governo para livrar-se das acusações. A oposição tem sido duramente criticada por ainda apoiá-lo, mesmo diante de tantos indícios de corrupção, apenas para tentar emplacar o impeachment de Rousseff.

O PSDB, principal partido da oposição, já começa a enviar recados de que o desgaste a sua imagem não tem valido a pena. “Quando os meninos veem um filme de terror e sabem que alguém vai morrer, dizem, ‘fulano é carne morta’. Cunha é carne morta. Tomara que leve alguns pesos que serão bem levados”, disse Alberto Goldman, vice-presidente nacional do partido ao O Globo. O peso político dele, entretanto, ainda é muito grande. Se cair, resta saber quem ele conseguirá levar junto.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS