“Seleção brasileira tem muita habilidade e pouca técnica”, diz Tostão

Centroavante da seleção do Tri analisa a seleção de Dunga e do futebol brasileiro

Dunga, durante treino da seleção brasileira.
Dunga, durante treino da seleção brasileira.Antonio Lacerda (EFE)

“O futebol brasileiro vive um momento de pessimismo total. A eliminação na Copa do Mundo e na Copa América afetou muito”, argumenta o ex-jogador Tostão, hoje comentarista esportivo. A seleção comandada pelo técnico Dunga, que começa nesta quinta-feira sua caminhada rumo à Copa da Rússia-18 enfrentando o Chile em Santiago, está na mira. “Há muita incerteza sobre o papel que o Brasil pode desempenhar nestas eliminatórias. A Argentina tem uma equipe muito forte, o Chile e a Colômbia melhoraram muito, e o Uruguai é sempre complicado nas partidas decisivas. Além disso, Venezuela, Equador e Peru não são equipes fáceis de bater”, diz o ex-centroavante, campeão mundial em 1970, ao EL PAÍS. “O torcedor tem medo de que aconteça uma catástrofe e que o Brasil não se classifique para a Rússia. Não acho que seja possível, mas o futebol brasileiro mudou sua maneira de jogar.”

“Está sendo dado muito valor à estratégia e pouco ao jogo coletivo. Há muitos passes longos e poucos passes de pé em pé”, diz Tostão, companheiro de Pelé na seleção do Tri. “Hoje em dia surgem jogadores com muita habilidade, mas pouca técnica; muita velocidade, mas pouca lucidez.” Para ele, no entanto, há uma exceção. “O Brasil gera dois ou três jogadores muito bons por posição, o problema é que não cria jogadores de futebol excepcionais. Tem um que é: Neymar. Ele é a exceção, e no Barcelona está aprendendo a jogar um futebol associativo”, afirma. Porém, o camisa 11 do Barça não poderá estar na estreia contra o Chile, pois está suspenso.

O pedigree da camisa canarinha não favorece os atletas de Dunga. “Os jogadores não são capazes de assumir riscos e estão muito preocupados com o que o técnico manda. A história desta seleção é muito grande e pesa para os jogadores. Isso ficou evidente na última Copa”, conclui Tostão.

Mais informações
Copa do Mundo da FIFA de 2022 no Qatar terá início em 21 de novembro
Tudo sobre o escândalo de corrupção na FIFA
Com Neymar apenas no segundo tempo, Brasil goleia EUA por 4x1
'O Brasil que conjuga o futuro do pretérito', por Xico Sá

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS