STF julga descriminalização das drogas no Brasil

Supremo retomou debate sobre o uso e porte de drogas como a maconha e a cocaína

Marina Rossi
Um sessão no STF.
Um sessão no STF.Carlos Humberto/STF

O STF começou na quarta-feira o debate sobre a descriminalização das drogas no Brasil. O debate ocorreu durante toda a tarde, e a votação foi postergada para o dia seguinte, esta quinta. O que está em jogo é a inconstitucionalidade do artigo 28 da Lei Antidrogas (11.343/2006), que estabelece penas alternativas a quem adquirir, transportar ou carregar consigo substâncias ilícitas.

Hoje, a pena para quem for pego dentro dessas circunstâncias é alternativa, como, por exemplo, a realização de trabalhos comunitários, e dura no máximo cinco meses. Como está hoje, a legislação também pune quem cultiva maconha para consumo próprio. O que está em jogo no STF é se esses atos devem seguir sendo penalizados.

A votação foi iniciada na sessão desta quinta-feira, dia 20 de agosto. O primeiro voto foi o do ministro e relator Gilmar Mendes, que votou pela inconstitucionalidade dessas medidas, ou seja, a favor da descriminalização do uso e porte de drogas, porém, com ressalvas. Na sequência, o ministro Luiz Fachin pediu vista do processo e a sessão foi encerrada. Não há previsão de quando o tema voltará à pauta do STF novamente.

Veja o que publicamos ao longo dessa sessão:

EL PAÍS BRASIL
A votação sobre a descriminalização do uso e porte de drogas no Brasil será retomada hoje no STF. Acompanhe AO VIVO: http://cort.as/WtiV
EL PAÍS BRASIL
EL PAÍS BRASIL
Não há previsão de quando a pauta retomará à agenda do STF. Quando ocorrer, realizaremos novamente a cobertura. Obrigado por nos acompanhar.
EL PAÍS BRASIL
EL PAÍS BRASIL
O presidente do STF Ricardo Lewandowski aceita o pedido de vista e a discussão sobre a descriminalização do uso de drogas se encerra por hoje
EL PAÍS BRASIL
EL PAÍS BRASIL
Gilmar Mendes encerra sua fala. O ministro Luis Fachin pede vista
EL PAÍS BRASIL
EL PAÍS BRASIL
Gilmar Mendes defende em seu voto que o usuário seja encaminhado ao juiz, que deve decidir se trata-se de um traficante ou usuário. Destaca que a apresentação ao juiz em menos de 24 horas é a medida dos países democráticos.
EL PAÍS BRASIL
EL PAÍS BRASIL
EL PAÍS BRASIL
EL PAÍS BRASIL
"Não existe esforço argumentativo para provar que uma tonelada de drogas não seria apenas para consumo pessoal", diz Gilmar Mendes
EL PAÍS BRASIL
EL PAÍS BRASIL
O voto do ministro é a favor da descriminalização do uso pessoal, mas a penalização segue nos casos de tráfico.
EL PAÍS BRASIL
EL PAÍS BRASIL
Gilmar Mendes reconhece a inconstitucionalidade do artigo 28 da Lei Antidrogas. Ou seja, a favor da descriminalização do porte e uso de drogas "mas, em medida alguma, à legalização das drogas".
EL PAÍS BRASIL
EL PAÍS BRASIL
Para Gilmar Mendes, "parece existir alternativas adequadas ao tratamento de drogas e que não precisam usar o direito penal"
EL PAÍS BRASIL
EL PAÍS BRASIL
Gilmar Mendes: "Muitas vezes, o usuário de drogas é estigmatizado pela moralização da sociedade"
EL PAÍS BRASIL
EL PAÍS BRASIL
Há quase duas horas falando, o ministro Gilmar Mendes ainda não proferiu seu voto, embora tenha argumentado à favor da distinção entre usuário e traficante.
EL PAÍS BRASIL
EL PAÍS BRASIL
EL PAÍS BRASIL
EL PAÍS BRASIL
EL PAÍS BRASIL
EL PAÍS BRASIL
Gilmar Mendes diz que "o tratamento criminal aos usuários de drogas alcança em geral pessoas em dificuldade econômica"
EL PAÍS BRASIL
EL PAÍS BRASIL
"O dependente de drogas e até mesmo o usuário não dependente estão em situação de fragilidade devem ser tratados com políticas de reinserção social", diz Gilmar Mendes
EL PAÍS BRASIL
EL PAÍS BRASIL
EL PAÍS BRASIL
EL PAÍS BRASIL
EL PAÍS BRASIL
EL PAÍS BRASIL
EL PAÍS BRASIL
EL PAÍS BRASIL
"A criminalização da posse de drogas para consumo pessoal afeta o direito do livre desenvolvimento de personalidade em suas diversas manifestações", diz Gilmar Mendes
EL PAÍS BRASIL

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS