Manifestações pelo Brasil

A insatisfação de quem não protestou contra Dilma e o PT no domingo

A maioria dos brasileiros rejeita Planalto, mas tem dúvidas sobre impeachment

O gari Juarez, de 48 anos, nesta segunda na Avenida Paulista.
O gari Juarez, de 48 anos, nesta segunda na Avenida Paulista.F. B.

Segunda-feira, duas da tarde. Vinte e quatro horas depois do início de uma manifestação que, segundo o Datafolha, atraiu 135.000 pessoas, a Avenida Paulista volta a ser tomada por uma multidão diversa e a viver o seu vaivém cotidiano. "Eles eram uma multidão, mas não eram a maioria", diz o arquiteto Alexandre Braga, de 44 anos, com o passo apressado em direção à rua da Consolação. Preferiu não sair de sua casa na zona sul para protestar. Acha que o ato do dia anterior foi uma "histeria coletiva", apesar de não estar satisfeito com o Governo Dilma Rousseff e de ter votado na oposição. "São pessoas que nunca protestaram antes e resolveram fazer isso pela primeira vez. E de forma histérica. Então quer dizer que, se estamos de saco cheio do Governo, simplesmente tiramos ele? Não concordo com essa abordagem. O caminho que devemos seguir é o da democracia".

Braga faz parte de uma maioria de cidadãos que —independente de sua origem, classe social, ideologia e de quem votou nas eleições de outubro passado— está insatisfeita com o Governo e cansada do Fla-Flu político que vive a sociedade brasileira. Uma polarização que saiu da arena política de Brasília, invadiu as redes sociais e tomou conta das ruas no último ano, seja através das manifestações anti-Governo ou dos atos em defesa do mandato de Dilma Rousseff e do PT.

MAIS INFORMAÇÕES

"Tem muita gente insatisfeita que simplesmente não se identifica com esses protestos e o perfil deles", explica Rodrigo Nunes, professor de Filosofia da PUC-Rio que acompanha e estuda as manifestações no Brasil desde as jornadas de 2013. Os que foram às ruas no domingo, ele diz, "representam um subconjunto bastante homogêneo e particular" da sociedade —segundo as pesquisas Datafolha e dos pesquisadores da USP-Unifesp-OpenSociety, cerca de 70% dos que se manifestaram ganham de cinco a 20 salários mínimos por mês.

Também na Paulista nesta segunda-feira, Karen Bruno, que aos seus 22 anos acaba de se formar em Naturologia e de voltar para o interior de São Paulo, ilustra o argumento de Nunes. Ela votou em Aécio Neves (PSDB) no ano passado e está insatisfeita com o Governo. Na avenida para "arrumar uns documentos pendentes" e apressada como os demais, ela é contrária ao impeachment e a forma como "as coisas vem sendo feitas"."As pessoas vem aqui num domingo, protestam, tiram selfie... E depois voltam para casa e não fazem nada. É natural que demonstrem ódio ao protestar, afinal vieram todos extravasar... Mas acredito mais na discussão de ideias, na moderação", afirma.

Renato Meirelles, presidente do instituto Data Popular, explica que o desgaste é geral e "nenhum brasileiro aguenta mais" essa polarização política. "É uma manutenção do discurso do ódio inflamado pelas duas partes que só distancia a classe política do povo. E isso faz com que as pessoas se afastem dos protestos. Mas também do governo quando partidários dele radicalizam e dizem, por exemplo, que vão pegar em armas. O ruim dessa história toda é a perda do bom senso. Trata-se de um diálogo de surdos que esquece a maioria", conclui.

Seu instituto, que acompanha principalmente as classes C, D e E, realizou no início deste mês uma pesquisa de opinião —com 3.000 entrevistados de todas as classes sociais e de 152 municípios— que diz que 80% dos brasileiros acham o Governo ruim ou péssimo. Mas o grande lema desta pesquisa é: "Generalizar o eleitorado é um dos maiores erros analíticos da atualidade". Isso porque, dentro desde universo de insatisfeitos, estão os oposicionistas —quem nunca ou quase nunca votou no PT, 36%— e os que estão frustrados com a desaceleração econômica e decepcionados com um Governo que ajudou a eleger —44%, os quais estão menos propensos a apoiar um impeachment da presidenta.

O gari Juarez, que varre a Paulista diariamente —demora duas horas para chegar de Tiradentes, onde mora— votou em Dilma Rousseff. Ele viu sua vida melhorar na última década de Governo do PT, mas  desconfia hoje de suas boas intenções. “Olha, pior é que eu votei na Dilma, viu... Agora, ela foi mexer logo no bolso do trabalhador, do pobre!", reclama, indignado. "Claro que acho que ela tem que sair, mas e aí... Quem entra? São todos corruptos. Tem é que tirar todo mundo", diz o homem de 48 anos, que preferiu não aderir às manifestações para ficar com a família e aproveitar o dia de folga. "É muito longe, não é para mim."

Ronaldo (nome fictício), 60 anos, aproveita o intervalo do trabalho para fumar um cigarro embaixo de uma marquise da Paulista. Ele não se distancia muito de Juarez. "Votei na Dilma, mas estou decepcionado e não gosto dela. Mas jamais iria às manifestações porque acho besteira. A oposição não ganhou e quer de todas as formas o poder", explica.

Karen Bruno, de 22 anos e formada em Naturologia, nesta segunda na Paulista.
Karen Bruno, de 22 anos e formada em Naturologia, nesta segunda na Paulista.F. B.

Meirelles e Nunes, da PUC-Rio, relativizam o apoio até dos que, à diferença de Juarez e Ronaldo, dizem apoiar o impeachment —66%, segundo o Datafolha. "Muitos apoiam na teoria, mas não na prática. É uma forma de mostrar sua insatisfação, mas as pessoas têm medo", explica Nunes. Meirelles argumenta: "Essa história de que 'pior que está não fica' é mentira. Pior do que está pode ficar, e o brasileiro sabe disso e hoje enxerga à longo prazo. O problema é que não conseguiram enxergar na oposição uma proposta para o Brasil sair da crise. Há uma crise de perspectiva, a mais grave de todas. O brasileiro quer alguém que lhe dê perspectiva de futuro, que resolva seus problemas. Mas não consegue enxergar uma luz no fim do túnel".

A mesma pesquisa do Data Popular diz que 71% dos brasileiros acham que a oposição, ao pedir o impeachment, apenas quer o poder; 63% não acreditam que alguém possa tirar o Brasil da crise; e 92% concordam que "todo político é ladrão". Trata-se de uma má notícia para o PSDB, que aderiu publicamente aos protestos pró-impeachment do último dia 16, elevou o tom contra o Governo e, segundo a informação publicada na Folha de S. Paulo, estuda convocar suas próprias manifestações. Mas a capacidade de ampliar a convocatória esbarraria no grande descrédito do sistema representativo em geral. "Os protestos de junho de 2013 tiveram um impacto muito grande. As pessoas acreditavam que as coisas poderiam mudar. E não aconteceu nada. E muitas já não têm motivação para sair na rua", diz Nunes.

Na Paulista, a vendedora Paula Victoria Ramos, de 24 anos, espera seu namorado sair do trabalho. Ela diz ter justificado seu voto porque "todos os políticos são corruptos". "Sou a favor de se manifestar, mas não para tirar alguém. Afinal, colocamos Dilma lá", explica. O protesto, para ela, deve ser para cobrar pelos direitos da população, já que se paga muitos impostos sem retorno em educação, saúde e transporte. "Nada presta".