Alemanha fica com 14 aeroportos gregos privatizados

É um passo nas privatizações avalizadas pelo Governo como condição do resgate

Aeroporto de Tesalónica.
Aeroporto de Tesalónica.SAKIS MITROLIDIS (AFP)

Vários aeroportos, entre eles os das ilhas turísticas de Corfu, Mykonos e Santorini, serão geridos a partir de terça-feira pelo grupo alemão Fraport, segundo resolução do conselho de política econômica grego publicado no mesmo dia. A concessão dos 14 aeroportos regionais representa o primeiro passo no processo de privatizações, avalizado pelo Governo do Syriza como condição do terceiro resgate do país.

Após chegar ao Governo, Tsipras paralisou a concorrência para tentar introduzir mudanças nos termos das ofertas. Em abril teve, entretanto, que mudar suas pretensões. Ele se mostrou mais aberto a seguir adiante com a privatização parcial do porto do Pireu e dos 14 aeroportos regionais, o que representa uma clara concessão às exigências dos credores europeus.

A autoridade de privatização grega (Taiped) deu recentemente o sinal verde a uma operação que prevê um plano de investimentos de 330 milhões de euros (1,26 bilhão de reais) por quatro anos, e de 1,4 bilhão de euros (5,35 bilhões de reais) nos próximos quarenta. O vice primeiro-ministro Ioannis Dragasakis, e os ministros das Finanças, Euclides Tsakalotos; Economia, Giorgos Stathakis; e Energia, Panos Skurletis, assinaram a resolução, que não trouxe nenhuma mudança em relação às condições de licitação acertadas em 2014,

Um plano “ambicioso”

Mais informações

A Fraport, uma empresa que gere, entre outros, o aeroporto de Frankfurt (Alemanha) administrará os aeroportos de Tessalônica, a segunda maior cidade grega, Kavala, no nordeste; Corfu e Zante, duas ilhas no mar Jônico, Chania e Cefalônia, na ilha de Creta, Aktion, no oeste; e os de Rodas, Kos, Samos, Mitilene, Mykonos, Santorini e Skiathos, todas ilhas do mar Egeu, cujo valor chega a 1,23 bilhão de euros (4,70 bilhões de reais).

O acordo de resgate à Grécia inclui a criação de um fundo de privatizações no valor de 50 bilhões de euros (191 bilhões de reais) cujos detalhes “estão sendo finalizados”, explicou na segunda-feira a porta-voz de Assuntos Econômicos da Comissão Europeia, Annika Breidthardt. O Eurogrupo (instância que reúne ministros de Finanças e outras autoridades da zona do euro) acertou “um plano de privatizações muito ambicioso”, disse a porta-voz, que deve estar funcionando “no final do ano”. “Tomamos nota de que a primeira decisão concreta foi adotada essa manhã”, afirmou Breidthardt, mas admitiu esperar ver “mais detalhes” no futuro.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: