Ford Motors amarga prejuízos na América Latina

Marca compensa na Europa os resultados e registra o trimestre mais rentável em 15 anos

Fábrica de montagem do modelo F-150 da Ford Motor em Kansas City.
Fábrica de montagem do modelo F-150 da Ford Motor em Kansas City.Charlie Riedel (AP)

As economias da América Latina estão em crise, e isso é um obstáculo para os resultados das grandes multinacionais, como a Ford Motor. O segundo fabricante de carros norte-americanos registrou perdas de 185 milhões de dólares [684 milhões de reais] na região, contra ganhos de 110 milhões [407 milhões] há um ano. Isso não evitou que a companhia registrasse o trimestre mais rentável em 15 anos, graças à redução pela metade do prejuízo na Europa, de apenas 14 milhões [52 milhões].

Mais informações
Carros chineses na América do Sul
O México ultrapassa o Brasil na produção de automóveis na América Latina
Os carros ‘made in México’ tomam as estradas dos Estados Unidos
Carros e motos estão virando armas nas mãos dos motoristas brasileiros

Essa disparidade também foi verificada na semana passada nos resultados da General Motors. Em seu caso, as perdas na Europa se reduziram a 45 milhões de dólares [166 milhões], comparados a 305 milhões há um ano [1,13 bilhão]. Entretanto, os resultados negativos na América Latina se elevaram a 144 milhões [532 milhões], depois de 81 milhões [299 milhões] no mesmo período de 2014. No Brasil as vendas caíram cerca de 20%, junto com os problemas com o tipo de câmbio na Venezuela.

Em escala global o negócio da Ford Motor registrou uma receita de 1,9 bilhão de dólares [7 bilhões de reais]. É um aumento de 44% em um ano, no melhor trimestre para a empresa desde o ano 2000. O volume de negócios foi de 37,3 milhões entre abril e junho, e se manteve praticamente estável. Essa rentabilidade é conseguida graças ao impulso de vendas de seus carros maiores, que estão permitindo que a empresa eleve os preços desses modelos.

A margem de lucro da Ford Motor é agora de 7,2%, seis décimos porcentuais a mais que há um ano. Pode até elevá-la acima de 8,5% ao final do ano, se for capaz de solucionar os problemas com o recém-projetado F-150. Embora a produção desse modelo de picape já esteja em plena capacidade, o estoque de veículos da série F continua limitado.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS