Dilma Rousseff: “Não tem base para eu cair. E venha tentar”

À 'Folha', presidenta sobe o tom contra adversários que querem seu impeachment Ela, porém, elogia o PMDB, da base, embora tenha lhe imposto derrotas no Congresso

A presidenta Dilma durante evento no dia 1, nos EUA.
A presidenta Dilma durante evento no dia 1, nos EUA. STEPHEN LAM (REUTERS)

Em meio ao clima de tensão no Palácio do Planalto após a ofensiva da oposição pelo seu impeachment, a presidenta Dilma Rousseff elevou o tom contra os adversários, aos quais classificou de "um tanto golpistas" em uma entrevista publicada nesta terça-feira pelo jornal Folha de S.Paulo. "Eu não vou cair. Eu não vou, eu não vou. As pessoas caem quando estão dispostas a cair. Não estou. Isso é luta política". Acrescentou: "E venha tentar. Venha tentar. Se tem uma coisa que eu não tenho medo é disso. Não conte que eu vou ficar nervosa, com medo. Não me aterrorizam."

A entrevista surge dois dias após o PSDB, sob o comando do senador Aécio Neves (MG), voltar a pedir o fim do mandato para da presidenta, discutindo abertamente várias alternativas para tal: da cobrança de renúncia à impugnação da eleição de 2014, de supostas implicações da Operação Lava Jato à eventual condenação de manobras fiscais no mandato anterior. Nesta segunda-feira, o Planalto já havia realizado duas reuniões emergenciais para conter o avanço do desgaste de Dilma no Congresso - nas quais confirmou a permanência do vice-presidente Michel Temer (PMDB) na Articulação Política, em um claro recado à ala rebelde da base aliada, comandada por Eduardo Cunha (PMDB), que acusa o PT de tirar espaço do partido dentro do Governo. Apesar do notório clima de tensão entre peemedebistas e o Governo, Dilma evitou confrontar o partido aliado. "Quem quer me tirar não é o PMDB. Eu acho o PMDB ótimo", afirmou.

Mais informações

A presidenta também se esquivou de criticar o ex-presidente Lula, que, em um evento com religiosos em junho comparou a avaliação atual da sucessora ao nível do “volume morto” (10% de bom ou ótimo). “Eu respeito muito o presidente Lula. Ele tem todo o direito de dizer onde ele está e onde acha que eu estou. Mas não me sinto no volume morto não.”

Dilma admitiu que o cenário atual é de crise política, mas defendeu que a situação é contornável e negou que esteja "traumatizada". Mais uma vez, ela voltou a negar envolvimento com as denúncias de corrupção que envolvem a Petrobras, onde atuou como presidente do Conselho de Administração. "Outro dia postaram que eu tinha tentado suicídio, que estava traumatizadíssima. Não aposta nisso, gente. Foi cem mil vezes pior ser presa e torturada", afirmou, referindo-se a sua experiência sob o regime militar . "Eu não sou culpada. Se tivesse culpa no cartório, me sentiria muito mal. Eu não tenho nenhuma. Nem do ponto de vista moral, nem do ponto de vista político."

A presidenta voltou a questionar os rumos da Lava Jato e a prisão dos presidentes das construtores Odebrecht e Andrade Gutierrez, mais uma vez reiterando que "não gosta de delatores".

Questionada sobre as medidas para tentar contornar a crise econômica, Dilma afirmou que o Governo deve ampliar o ajuste fiscal, com medidas para cumprir o plano proposto pela Governo e  suavizado pelo Congresso. "Até o final do ano vou fazer o diabo para fazer a menor (recessão) possível. (...) Vamos fazer a previsão mais conservadora possível para que a gente saia no ano que vem (da crise)."

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: