Bicicleta ganha espaço nas ruas da América Latina

As cidades mais importantes já contam com ciclovias e sistema de bicicletas públicas

Ciclovia da marginal Pinheiros, em São Paulo.
Ciclovia da marginal Pinheiros, em São Paulo. Rafael Neddermeyer (Fotos Públicas)

Os latino-americanos estão cada vez mais apaixonados por suas bicicletas. E as bicicletas estão cada vez mais adaptadas à idiossincrasia dos latino-americanos. Ante às horas intermináveis desperdiçadas no trânsito, ao transportes públicos muitas vezes deficientes e em meio à busca por uma vida mais saudável, o transporte sobre duas rodas vem se impondo com força crescente nas principais cidades da região.

Até alguns anos atrás, as bicicletas eram ícones indiscutíveis de cidades europeias como Amsterdã, Copenhague e Barcelona. Mas agora elas abrem caminho entre carrinhos de comida, parques e ruas que, embora nem sempre sejam próprias para as pedaladas, são as paisagens típicas das ruas latino-americanas.

Mais informações
A revolução verde de Copenhague
Projeto quer instituir ‘carteira’ para ciclistas em Belo Horizonte
Carlo Ratti: “É compartilhando a cidade que a tornamos mais segura”
Empresas e hackers investem em soluções contra o trânsito de São Paulo
Em dia de ‘bicicletaço’, Justiça derruba liminar contra ciclovias
Por que os moradores de São Paulo protestam contra ciclovias?
São Paulo, onde o carro é mais lento que o lento transporte público
Os latino-americanos perdem até quatro horas diárias em engarrafamentos
Andar de bicicleta se tornou um perigo mortal no Rio de Janeiro
Paris, onde as empresas te pagam para ir de bicicleta para o trabalho

Não é para menos. Os deslocamentos de bicicleta aliviam os problemas das cidades da segunda região mais urbanizada do mundo. Estimadas 450 milhões de pessoas vivem nas cidades da América Latina, e a maioria delas enfrenta diariamente os engarrafamentos e a poluição atmosférica decorrentes da motorização crescente: 70% das emissões de CO2 das grandes cidades provém de carros e motos.

A Argentina é um exemplo perfeito dessa situação: é um dos países mais urbanizados da América Latina, com mais de 89% de sua população vivendo em zonas urbanas com mais de 2.000 habitantes.

Assim, desde a construção de centenas de quilômetros de ciclovias, empréstimos para a compra de bicicletas e até inovadores sistemas de partilha de bicicletas, as cidades argentinas mais importantes vieram somar-se a essa tendência, criando suas receitas próprias para algo que pode vir a ser o começo do fim do reinado do indiscutível protagonista das grandes cidades do país: o automóvel.

“As melhorias em mobilidade também propiciam melhorias da qualidade de vida e promovem cidades mais inclusivas”, explica Verónica Raffo, especialista em transporte do Banco Mundial. “Os habitantes das cidades querem que os espaços públicos voltem a ser da população. Isso significa ter mais espaço de qualidade para caminhar, para andar de bicicleta e para o lazer entre pares”, diz a especialista.

Mais bicicletas, menos carros

Em Buenos Aires, o impacto da bicicleta vem sendo crucial para que os deslocamentos pela cidade não sejam um fator de estresse ou perda de tempo. A chave para levar os portenhos a abandonar os táxis amarelos e pretos foi a construção da bicisenda nas artérias mais importantes da cidade e o sistema de bicicletas compartilhadas Ecobici, que até dezembro deste ano prevê contar com 200 estações espalhadas pela cidade, muitas delas funcionando automaticamente.

Buenos Aires ocupa o 14º lugar entre 122 centros urbanos considerados as melhores cidades do mundo para andar de bicicleta

Cerca de 180.000 pessoas usam a bicicleta como meio principal de seus deslocamentos diários ou como complemento de outras opções, como o metrô, trens ou ônibus. Paula, de 45 anos, comenta que cobre o trajeto até a firma de advocacia onde trabalha “metade de bicicleta, metade de trem”, porque “isso me poupa tempo e é um pouco mais previsível que outros meios de transporte”.

Assim, se o automóvel é o meio de transporte mais ineficiente, mais caro e mais desigual, a bicicleta é o oposto – é econômica e gera relações mais igualitárias. Foi essa ideia que levou a Prefeitura de Buenos Aires a promover ações como uma linha de crédito pessoal para a compra de bicicletas ou a oferta de cursos de formação de mecânicos de bicicletas. Para concluir, ajudou a fomentar uma indústria que muitos pensavam estar esquecida. E os esforços estão gerando recompensas. Buenos Aires ocupa o 14º lugar entre 122 centros urbanos considerados as melhores cidades do mundo para andar de bicicleta, segundo o relatório Copenhagenize Indez Bicycle-Friendly Cities.

Google Maps começa a mostrar rotas para ciclistas no Brasil

EL PAÍS, São Paulo

O Google Maps, aplicativo de mapas do Google, passará a exibir sugestões de rotas para fazer de bicicleta em quatro capitais brasileiras: São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Curitiba - as cidades que possuem as maiores redes cicloviárias do Brasil.

A partir de agora, o usuário passará a ver o ícone da bike ao lado das demais opções de transporte já conhecidas, como ônibus, carro e os caminhos para pedestres.

O app, usado por mais de 1 bilhão de pessoas por mês, irá sugerir as rotas menos perigosas (preferencialmente que incluam ciclovias no caminho), mais curtas e com menos ladeiras.

Mas a capital argentina não é a única que está promovendo uma revolução sobre duas rodas. Outra das cidades pioneiras na matéria é Rosario, que desde 2010 leva adiante a campanha Todos en bici!, parte de seu Plano Integral de Mobilidade, que não apenas vem motivando seus habitantes a pedalar como procura criar as condições para que cada vez mais pessoas se animem a fazê-lo. Hoje a rede de ciclovias cobre cerca de 100 km, abrangendo ciclovias, bicisendas e espaços compartilhados. Há também um sistema de bicicletas públicas integradas com os ônibus e parquímetros da cidade, usando o mesmo bilhete de pagamento automático. E, com a implementação do programa Cambia el Aire! Calle Recreativa (Mude o ar! Rua recreativa), os cidadãos que andam a pé, de bicicleta, de skate ou de patins contam com um circuito de 28 quilômetros livres de transportes motorizados aos domingos.

A cidade de Córdoba também criou mais de 103 quilômetros para a circulação de bicicletas, e o número de ciclistas que faz uso deles quadruplicou entre 2012 e hoje. “De casa para o trabalho e do trabalho para casa”, diz Agustín, morador de 33 anos, falando de sua rotina com a bicicleta. Uma pesquisa recente na cidade revelou que 6,1% da população já usa a bicicleta como seu principal meio de transporte.

Tanto Rosario como Córdoba receberam apoio do Projeto de Transporte Sustentável e Qualidade do Ar, financiado pelo Fundo Global para o Meio Ambiente (conhecido por sua sigla em inglês, GEF). “Trata-se de contribuir para uma mudança de paradigma, em direção a uma mobilidade sustentável. São necessárias estratégias holísticas que alinhem a agenda local – igualdade, congestionamentos, segurança viária, mobilidade saudável, contaminação do ar – com a agenda global das mudanças climáticas e redução de emissões”, diz Raffo.

Cada cidade pedala em seu próprio ritmo

As bicicletas têm presença forte nas cidades da região. A América Latina já tem 12 cidades que contam com uma rede de mais de 12.000 bicicletas públicas, ajudando a incrementar seu uso.

Após entraves na Justiça, a cidade de São Paulo inaugura no próximo dia 28 a ciclovia da avenida Paulista

Mas o cenário difere dependendo de onde se olha. Enquanto cidades como Bogotá e Rio de Janeiro contam com o recorde de quilômetros de ciclovias, não existem redes institucionalizadas na maioria dos países da América Central. Este é o panorama regional:

- Rio de Janeiro: com o sistema Bike, mais de 5,6 milhões de deslocamentos já foram feitos em bicicleta no Rio, segundo dados da Secretaria Municipal do Meio Ambiente, o que significa uma economia de mais de 2.000 toneladas de CO2. A população, no entanto, está assustada com a onda de ataques a ciclistas e cobra mais segurança das autoridades. Um dos episódios mais marcantes foi a morte do cardiologista Jaime Gold, de 57 anos, atacado a facadas na Lagoa Rodrigo de Freitas, um dos cartões postais da Cidade Maravilhosa.

- São Paulo: Apesar dos recentes entraves na Justiça, a cidade de São Paulo inaugura no próximo dia 28 a ciclovia da avenida Paulista, o que é considerado uma vitória por movimentos de ciclo-ativistas. De acordo com a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), a administração municipal atual inaugurou 233,9 km de ciclovias desde junho de 2014 - a meta é alcançar 400 km até o final da gestão. Além do sistema de locação de bikes, a capital paulista conta ainda com ciclofaixas de lazer aos domingo e feriados nacionais, das 7h às 16h.

 - Cidade do México: segundo dados do governo do Distrito Federal, 54% dos usuários do Ecobici, o sistema de bicicletas compartilhadas da capital mexicana, substituíram outro meio de transporte pela bicicleta. O sistema cobre cerca de 35 km2 e é usado por mais de 100.000 pessoas de segunda a domingo.

- América Central: apesar de existirem poucas iniciativas, Cártago, a leste de San José de Costa Rica, será a primeira cidade centro-americana com sistema de bicicletas públicas; calcula-se que o sistema terá 12 estações. Na Cidade da Guatemala foi criado o programa Pasos y Pedales para que os moradores curtam bicicletas, skates e outras atividades recreativas em um trecho das principais avenidas da cidade, aos domingos.

- Bogotá: a ciclovia de Bogotá existe há mais de 40 anos e serviu de inspiração a mais de 200 cidades do mundo. Ela também é considerada a mais extensa da América Latina, segundo dados da Prefeitura.

- Montevidéu: a capital uruguaia já conta com Moyete, o sistema de aluguel público de bicicleta, com oito estações. E tem 33km de circuitos que podem ser cobertos de bicicleta, compostos por ciclovias, ruas e bicisendas.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS