Ainda sem acordo, Eurogrupo pede à Grécia que negocie seriamente

Jeroen Dijsselbloem, que preside o Eurogrupo, lamenta a falta de compromisso O FMI espera "voltar ao diálogo com adultos na sala"

REUTERS (AGENCIA_DESCONOCIDA)

Mais perto do abismo e, ao mesmo tempo, da salvação: a crise grega entrou de cheio nesse paradoxo nesta quinta-feira. Os ministros de Economia da zona euro colheram o enésimo fracasso ao tentar buscar um acordo com a Grécia. O tempo se esgota: a Grécia deve pagar 1,6 bilhões de euros (5,6 bilhões de reais) ao FMI no fim do mês, o atual programa de resgate termina em 30 de junho e a fuga de capitais alcança uma velocidade de cruzeiro que faz pensar no pior: os gregos retiraram nesta quinta-feira um bilhão de euros em um único dia, três bilhões ao longo da semana. Desde novembro, as entidades financeiras perderam um quarto de seus depósitos. A Grécia se aproxima de um temido controle de capitais para frear esse processo. “Os gregos sacam o dinheiro de seus bancos porque estão preocupados, e isso só terminará se Atenas apresentar uma proposta crível e chegar a um acordo”, resumiu o chefe do Eurogrupo, Jeroen Dijsselbloem, em uma coletiva de imprensa cheia de tensão em Luxemburgo.

REUTERS (AGENCIA_DESCONOCIDA)

A Grécia e a zona do euro mergulham de cabeça em outra dessas noites dramáticas à beira do abismo. Dijsselbloem e a diretora gerente do FMI, Christine Lagarde, foram especialmente duros nesta quinta-feira com o país mediterrâneo e seus dirigentes. O curioso é que ambas partes não estão tão longe: os credores têm flexibilizado suas condições e ofereceram aos gregos metas fiscais mais suaves, atrasar a reforma trabalhista e uma reforma das pensões que, em princípio, não exige recortes nominais. Mas a Grécia não aceita. Argumenta que, apesar da melhoria, essa proposta exigiria uma nova rodada de austeridade. Pede uma reestruturação de sua dívida. E demanda investimentos para que o crescimento volte a uma economia que, mais uma vez, mergulhou numa recessão depois da interminável e pouco frutífera negociação.

“Um diálogo com adultos”

Mais informações

“Estamos preparados para qualquer eventualidade”, resumiu Dijsselbloem após a reunião do Eurogrupo. “Não haverá acordo sem medidas muito difíceis de assumir, que requerem políticos capazes de dizer a verdade a sua população”, argumentou. Lagarde foi ainda mais longe e assegurou que a chave nos próximos dias é “voltar ao diálogo com adultos na sala”. A chefa do FMI recebeu nesta quinta o ministro grego Yanis Varoufakis em Luxemburgo com uma frase que resume o péssimo estado das relações entre a Grécia e seus credores: “A chefa dos criminosos cumprimenta o outro lado”, provocou ao carismático Varoufakis, após as duras declarações do primeiro-ministro Alexis Tsipras —que denunciou a “responsabilidade criminosa” do FMI— nos últimos dias.

REUTERS (AGENCIA_DESCONOCIDA)

Varoufakis apareceu relaxado, nada tenso, incrivelmente tranquilo. Assegurou que o acordo está perto, como vem dizendo desde fevereiro. Lembrou que Grécia fez um “gigantesco” ajuste nos cinco últimos anos e reafirmou seu compromisso com as reformas. E prometeu que a Grécia contribuirá nas próximas horas para encontrar uma solução.

A maratona de reuniões é esgotadora: o Eurogrupo deve se reunir de novo nas próximas horas, para preparar a reunião do euro. Os líderes usarão toda sua artilharia na segunda-feira para obter um "sim" de Tsipras. Mas o acordo não está garantido: Tsipras tem a negociação exatamente onde queria desde o princípio, no mais alto nível político, sem as instituições anteriormente chamadas Troika no meio do caminho.

E possui um Ás na manga: o medo da zona euro de que a Grécia deixe a moeda, o que poderia desencadear uma confusão considerável nos mercados de dívida. Por outro lado, Tsipras tem todo o resto: uma fuga de capitais que não para e que, nos próximos dias, irá testar os limites de seu sistema bancário, uma economia parada, uma receita pública que despenca —segundo os dados de maio, conhecidos nesta quinta-feira— e, finalmente, uma zona do euro que parece decidida a propor o temido "ou vai ou racha". “Se ele trai o mais autêntico dele mesmo, está perdido”, dizia há uns dias um diplomata grego para descrever a resistência de Tsipras em abandonar suas promessas eleitorais. Até agora vem conseguindo, ainda que a custa de uma sangria bancária e no conjunto da economia. Mas o momento da verdade já tem data: segunda-feira, na reunião do euro, com a chanceler Angela Merkel no comando.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: