O Brasil de Elizabeth Bishop

A grande poeta norte-americana passou os melhores anos de sua vida no Brasil Rio de Janeiro, Samambaia e Ouro Preto. Suas três casas contam sua história

Ouro Preto, no Estado de Minas Gerais.
Ouro Preto, no Estado de Minas Gerais.Eduardo Andreassi

Elizabeth Bishop morreu em 1979, e desde então sua poesia relutante e sua biografia acidentada a converteram em figura cult – para muitos admiradores, a melhor poeta norte-americana do século. Octavio Paz a traduziu ao espanhol, e tivemos a oportunidade de saber um pouco mais sobre sua vida itinerante e complicada com o filme Flores Raras, que narra seus anos brasileiros, entre 1951 e 1971, e sua história de amor com a arquiteta Lota de Macedo Soares, herdeira de uma ilustre família carioca e com quem Bishop passou a época mais feliz de sua vida. O filme foi sucesso de bilheteria no Brasil, que apenas agora começa a recuperar a história das duas e a interessar-se por uma das escritoras estrangeiras que melhor conheceram e retrataram o país (no que ele tem de bom e de ruim).

Mais informações

Procurar as casas de Bishop é uma boa maneira de recordar os anos dourados de um Brasil que esbanjou criatividade e otimismo nos anos 1950 e 1960. Lota Macedo era uma mulher culta e mandona que projetou o grande Aterro do Flamengo, no Rio, e introduziu Bishop de repente no núcleo duro das vanguardas do Brasil moderno: a casa do casal no Rio de Janeiro foi durante esses anos o melhor lugar para conhecer a boemia dourada carioca. Móbiles de Alexander Calder e quadros de Portinari adornavam o ático com vista para o mar na praia do Leme. O imóvel magnífico continua ali, no número 5 da rua Antonio Vieira, um bom exemplo do Art Deco dos anos 1930, época em que o Brasil se metamorfoseava no país eternamente ensolarado que inventava o samba e construía Copacabana com uma impossível Paris praieira e tropical.

A casa de Samambaia (na região de Petrópolis), projetada por Lota de Macedo, onde esta viveu com sua parceira, Elizabeth Bishop.
A casa de Samambaia (na região de Petrópolis), projetada por Lota de Macedo, onde esta viveu com sua parceira, Elizabeth Bishop.Leonardo Finotti

Mas Bishop nunca ficou inteiramente à vontade no Rio: “Não é a cidade mais bela do mundo, apenas o lugar mais belo do mundo para uma cidade”. Achava a classe alta provinciana e esnobe, e a indiferença dela diante da corrupção e da desigualdade enorme provocava sua repulsa. A casa que se converteu em seu lar, em símbolo e personagem de seus poemas, foi a que Lota construiu em Samambaia, uma vila na serra de Petrópolis, a uma hora de carro do Rio. A casa estava em construção quando elas se conheceram e acabou sendo uma das obras-primas da arquitetura do século XX. Lota contou com a ajuda do grande arquiteto Sérgio Bernardes, e a casa ficou famosa em pouco tempo: Walter Gropius e Alvar Aalto a elogiaram, Richard Neutra a visitou e as revistas internacionais a fotografaram. Como gesto de amor, Lota acrescentou ao projeto já em obras um pequeno estúdio independente para escrever olhando as cachoeiras e os morros da serra. Foi um reino secreto nas alturas onde Bishop encontrou calma e inspiração: “Tenho que te deixar”, ela termina uma de suas cartas abruptamente, “porque uma nuvem está entrando pela janela”.

A Fazenda Samambaia é uma fazenda de café do século XVIII que pertenceu à família de Lota e hoje é uma pousada

Com seus grandes painéis de vidro, a casa está bem conservada. Ela é propriedade privada, e é preciso muito empenho para conseguir visitá-la, mas qualquer pessoa pode dormir muito perto dela, no vale a seus pés. A Fazenda Samambaia é uma fazenda de café do século XVIII que pertenceu à família de Lota e hoje é uma pousada modesta, sem luxos, mas cheia de sabor. Ela conserva a capela, a varanda, os grandes salões e os pisos de madeiras nobres, e é uma ótima base a partir da qual conhecer Petrópolis, a cidade para onde Pedro I transferia a corte durante o verão.

Petrópolis conserva um ar curioso de balneário centro-europeu com toques tropicais em parques e avenidas de árvores colossais. Vale a pena passear por seus canais sombreados, visitar o sóbrio Palácio Imperial e os casarões dos nobres. Não falta um Palácio de Cristal importado da França em 1879, rodeado de jardins. Mas esse ar centro-europeu não serviu de consolo a Stefan Zweig, que viveu seus últimos dias em Petrópolis. O escritor chegou à “Salzburgo tropical” deprimido pelo rumo tomado pela guerra, que parecia estar sendo ganha pelos nazistas. Suicidou-se em Petrópolis em 1942, com sua segunda esposa. Sua casa na cidade foi aberta ao público recentemente.

Mapa do Brasil.
Mapa do Brasil.Javier Belloso

Com os anos, a relação com a formidável Lota tornou-se opressiva demais, e Elizabeth Bishop se refugiou em Ouro Preto, a joia do barroco brasileiro no coração de Minas Gerais, a algumas horas de carro de Samambaia. Continua intacta na cidade a bela Casa Mariana, casarão colonial que ela comprou e restaurou, com vista fabulosa do centro antigo. O nome da casa era inevitável, por ficar na antiga estrada para Mariana, bonita vila colonial a poucos quilômetros de distância, sonolenta e esquecida. Ao mesmo tempo, era uma homenagem à poeta americana Marianne Moore, mentora e amiga de Bishop durante anos. A Casa Mariana continua hoje como Bishop a deixou, em estilo que desafia qualquer receita, misturando o tropical com a Nova Inglaterra, como uma versão habitável da poesia de Bishop. Mas também é propriedade privada, sendo seu acesso limitado a pesquisadores e estudiosos pertinazes de Elizabeth Bishop. Uma placa na porta traz o nome da poeta, e o passeio até a casa pode ser feito por qualquer pessoa.

Os móbiles de Calder e os quadros de Portinari enfeitavam o ático com vista para o mar na praia do Leme

A relação com Lota acabou em tragédia. Elizabeth Bishop a recebeu em Nova York durante um de seus rompimentos, quando Lota ainda se recuperava de uma depressão. Na primeira madrugada que passaram juntas, a brasileira morreu de overdose de barbitúricos. Quer sua morte tenha sido por suicídio ou acidente, marcou o fim dos anos brasileiros de Bishop. Muitos anos depois, em Boston e pouco antes de morrer, a poeta escreveu a um amigo: “Era Carnaval no Rio, e à noite as escolas iam desfilar no Sambódromo. Eu pus um disco aqui e passei a noite inteira sambando sozinha no quarto.”

Javier Montes é autor do romance La vida de hotel (Anagrama).

Regras

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: