Guerra Civil na Síria

Os bastidores das fotos de mulheres sírias se libertando do nicabe

Um fotojornalista compartilha no Twitter a chegada de refugiados a um território curdo

A imagem que o jornalista Jack Shahine publicou em seu Twitter, reproduzida do vídeo de Shervan Derwish
A imagem que o jornalista Jack Shahine publicou em seu Twitter, reproduzida do vídeo de Shervan Derwish

Vários carros com refugiados sírios alcançam o Curdistão ocidental, a região de maioria curda no nordeste do país, controlada pelo Partido para a União Democrática (PYD). No momento em que cruzam essa simbólica fronteira, começam a sorrir. As mulheres não só mostram sua felicidade rindo e gritando, mas também finalmente tirando as burcas e nicabes que o Estado Islâmico as obrigada a vestir. Essas imagens de alívio e liberdade foram captadas pelo jornalista sírio Jack Shahine e publicadas em sua conta no Twitter desde 2 de junho, onde foram compartilhadas por milhares de usuários.

“No momento que eles chegam a essa região, nos aproximamos, lhes damos água e lhes dizemos que estão a salvo”, conta ao EL PAÍS o fotojornalista sírio. As imagens que têm sido compartilhadas são tiradas do vídeo gravado por Shervan Derwish, um operador de câmera e porta-voz da Operação Vulcão Eufrates, conduzida pelo PYD e pelo Exército de Libertação Síria. Os dois jornalistas fazem parte de uma equipe de freelancers que cobre essa região desde que começou a libertação da cidade de Kobani, outro bastião curdo.

Em um vídeo publicado na edição digital do jornal britânico Daily Mail, as mulheres se levantam na parte de trás das picapes e começam a se livrar das roupas pretas que tiveram que vestir até aquele momento. Debaixo do luto forçado aparecem vestidos estampados e de cores vivas. Seus próprios acompanhantes as ajudam a se soltarem desses trajes que parecem se despedir para sempre voando pela estrada. “Para mim, esses são os momentos que marcam o início da libertação de Tel Abyad”, opina o fotógrafo.

Shahine conta que presencia cenas como essas diariamente, com a diferença de que agora decidiu publicá-las na Internet. “Foi uma grande satisfação comprovar que nosso trabalho está sendo apreciado”, afirma. “Esses homens, mulheres e crianças estão fugindo de Gire Sipi, Tel Abyad e do leste de Kobani, regiões controladas pelo ISIS”, relata.

Na Síria vivem cerca de 2 milhões de curdos, que representam aproximadamente 10% da população e são a principal minoria étnica do país. Durante anos, foram discriminados pelo regime de Bashar al-Assad —e, antes dele, por seu pai, Hafez— que não davam aos curdos os mesmos direitos garantidos à população árabe. Segundo o jornalista, o destino dessas famílias que fogem da guerra civil da Síria que começou em março de 2011 e que se unem aos quase 4 milhões de refugiados contabilizados pela ONU são os países vizinhos, como a Turquia. Ou começar uma nova vida nas casas de familiares nas áreas dominadas pelos curdos.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete
O mais visto em ...Top 50