Copa América, uma trégua futebolística em meio à corrupção

O Chile se prepara para receber o torneio e esquecer os escândalos por alguns dias

Estádio Nacional de Chile
Estádio Nacional de ChileAP

O Chile chega à Copa América em estado de choque. Este país acostumado à calma política, que viveu anos de crescimento sustentado e tranquilidade, sobretudo se comparado a seus vizinhos latino-americanos, está imerso na maior crise política desde a recuperação da democracia devido aos escândalos de corrupção e sobretudo de financiamento ilegal que afetam todos os partidos.

“É um clima insustentável, não afeta apenas o Governo mas também a oposição, o Parlamento, os empresários. O ambiente está contaminado e todas as pesquisas detectam um grande mal-estar, raiva e frustração que vão muito além do Executivo”, destaca Marta Lagos, pesquisadora que dirige o Latinobarómetro. Nesse contexto, a Copa América chega como um grande respiro para toda a classe política e empresarial, que vive um de seus momentos mais difíceis, e a sociedade chilena em geral. “Vai representar uma trégua. O futebol para tudo. No momento, vai ocupar todo o espaço, mas depois a batalha voltará”, sentencia Lagos.

Mais informações

O ruído que o esporte mais popular produzirá na América do Sul se justifica por uma óptica puramente esportiva. Argentina, Brasil, Colômbia, Chile e Uruguai reúnem vários dos melhores jogadores do planeta. Sete dos participantes da última final da Champions se reencontrarão no torneio: Pereyra, Tévez, Vidal, Bravo, Messi, Mascherano e Neymar. Os rapazes abrem parênteses em suas carreiras para chegar ao encontro com espírito mais amador do que profissional. A maioria joga fora do continente. O que está em disputa é o torneio de seleções mais antigo do futebol. A Copa América tem mais valor para os sul-americanos do que a Eurocopa para os europeus. A crise judicial que abala a FIFA atingiu especialmente os dirigentes da Conmebol, acusados de pagar subornos para ceder os direitos de retransmissão. A corrupção infecta quase todas as federações. Mas a realização da Copa América não se discute. No Chile, assim como na Argentina, será um respiro no vendaval político.

Em uma recente entrevista ao EL PAÍS, a presidenta chilena, Michelle Bachelet, admitiu que desde que chegou ao governo viveu uma “tempestade completa”. Os escândalos foram o arremate final, um deles afetando inclusive seu próprio filho. Mas antes, explicava Bachelet, viveu 14 meses de desastre: um terremoto, incêndios de grandes proporções, enchentes, dois vulcões em erupção... E principalmente uma questão de fundo que marca o estado de ânimo dos chilenos: uma desaceleração econômica comum a outros países da América Latina, que no Chile se amplifica por ser um dos países com maior desigualdade. Bachelet, apesar de sua queda nas pesquisas, tenta aproveitar todo o seu caudal político para recuperar o Chile. Trocou quase todo o Governo e conseguiu reduzir um pouco a pressão.

Nesse contexto, a Copa América pode alterar muitas coisas. O Chile vive muito em função de suas estrelas na Europa: Arturo Vidal, Claudio Bravo e, sobretudo, Alexis Sánchez, o jogador do Arsenal. Sánchez acabou eleito melhor jogador da Premier pelo público inglês em uma pesquisa com 200.000 fãs e a notícia foi capa de todos os jornais do país. A publicidade na televisão nesses dias evoca o chute na trave de Pinilla que impediu o Chile de eliminar o Brasil na Copa do Mundo, e transforma a Copa América em uma segunda oportunidade. Os chilenos estão entusiasmados. Uma pesquisa do Centro de Estudos da Universidade San Sebastián detectou que 61% acreditam que o Chile pode chegar à final.

Euforia chilena

O otimismo em relação à seleção contrasta com o pessimismo na política e na economia. Alguns economistas acreditam que um bom resultado da seleção poderia até melhorar o ânimo dos consumidores. “Os escândalos vão continuar porque a política chilena foi mal financiada, todos estão envolvidos. A Copa América pode ser um veranito de San Juan”, ironiza Lagos, referindo-se ao fenômeno meteorológico que causa picos de calor durante estações frias. “Espero que, depois da trégua, os atores principais voltem à batalha com mais sabedoria. Mas vão voltar sobretudo porque o Governo está disposto a fazer mudanças muito profundas e as resistências, especialmente dos empresários, são muito fortes”, resume. Bachelet está empenhada em reformar aspectos essenciais, como o sistema tributário e a educação, para garantir mais igualdade de oportunidades, com a universidade gratuita, por exemplo. À espera da tempestade, o Chile se resguarda no futebol, pelo menos durante duas semanas.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: