Redução da maioridade penal vira moeda na briga entre Dilma e Cunha

Para reagir ao presidente da Câmara, presidenta tenta aliar o PT e o PSDB na questão

Eduardo Cunha participa de uma reunião da Comissão Especial da PEC 171/93.
Eduardo Cunha participa de uma reunião da Comissão Especial da PEC 171/93.João Batista/Câmara dos Deputados

O debate sobre a redução da maioridade penal de 18 para 16 anos no Brasil se afasta de argumentos de especialistas em crime e adolescência enquanto serve perfeitamente para esquentar o jogo político  em curso no país. Diante da declaração no último domingo do presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, de que vai comprar briga pela votação da PEC 171/93 no Congresso, o Governo reagiu nesta semana anunciando a criação de um grupo de trabalho para fazer frente aos deputados favoráveis à redução. O mais peculiar é que a contraofensiva da presidenta não só prevê a atuação de um grupo de trabalho para levantar novas propostas, mas passa, inclusive, por uma inesperada aliança entre o PT e o PSDB. A missão do Planalto é se aliar ao inimigo contra Cunha, como também aconteceu na reforma política, percorrendo um caminho ainda mais improvável: a trilha de Geraldo Alckmin.

O objetivo, segundo palavras da própria Dilma Rousseff, é apresentar uma alternativa à PEC, atualmente em análise por uma comissão especial na Casa. Mas para pensar nisso é preciso adiar ao máximo a votação que se aproxima e que Cunha ainda por cima promete acelerar. “A próxima polêmica, após a conclusão da reforma política, será a redução da maioridade penal”, postou o peemedebista em seu Twitter.

O comentário de Eduardo Cunha e logo o anúncio do relator da comissão, Laerte Bessa (PR-DF), de que a entrega do relatório será antecipada para colocar a proposta em votação no Plenário ainda este mês, gerou revolta entre alguns deputados responsáveis por analisar as ideias ao redor do tema – e que deixam de pensar nele para dedicar-se à rinha em questão. Cunha e Bessa se manifestam, ainda, a favor de um referendo para ouvir a população sobre o tema – confiantes em pesquisas como a do Instituto Datafolha, que mostram que 87% dos brasileiros aprovam a redução.

Mais informações

Bessa é aliado do presidente da Câmara e deixa isso claro ao prometer a entrega do relatório para a próxima quarta-feira, 10 de junho. Se isso acontecer, terão sido cumpridas 24 das 40 sessões previstas originalmente (e ainda ficam de lado outros compromissos previstos, como audiências públicas e visitas a presídios e centros de internação de adolescentes).

Ao Estado de S.Paulo, o deputado Glauber Braga (PSB-RJ), que apresentou um requerimento nesta terça pedindo o cumprimento de todas as propostas aprovadas pela comissão, afirmou que “o atropelo não é o melhor caminho”. A deputada Érika Kokay endossa seu discurso e ressalta que, como na reforma política, “é o presidente da Casa tentando impor sua vontade”.

Via Alckmin 

O PSDB, como tem acontecido em outras pautas, não tem posição consensual sobre o tema da redução maioridade. Enquanto Dilma e o PT são claramente contra a redução, parte da bancada tucana na Câmara é pela redução e ponto. Mas os auxiliares de Dilma tomaram para si a complicada tarefa de articular esse mix e de unir as duas pontas de um cenário político bastante polarizado. PT e o Governo viram um canal de aproximação, ainda que suave e mais simbólico, quando oito ex-ministros de Direitos Humanos nomeados durante os governos de FHC, Lula e Dilma se uniram para evitar a aprovação da PEC e frear uma “agenda de direita”. 

Agora, a ideia é tentar atrair apoio por meio de uma proposta, já apresentada pelo Geraldo Alckmin, que defende um maior tempo de internação de menores infratores que cometem crimes hediondos e pode ser uma saída à redução da maioridade. Outras alternativas levadas em consideração são textos também já apresentados pelo ministro da Casa Civil, Aloizio Mercadante, pela ex-ministra da Secretaria de Direitos Humanos, a deputada Maria do Rosário (PT-RS), e pelo senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP).

Enquanto os atores políticos se digladiam, instituições que atuam em prol dos direitos de crianças e adolescentes, como a Unicef, continuam apresentando dados e argumentos para que a idade penal permaneça em 18 anos. A advogada Karyna Sposato, consultora do fundo, se manifestou publicamente depois de participar de uma audiência da comissão na Câmara: "É compreensível que o Brasil queira uma resposta e clame segurança. É compreensível que nós queiramos viver numa sociedade mais pacífica, mas os Parlamento não pode discutir uma questão tão séria para a presente e as futuras gerações a toque de caixa", disse a especialista em direito penal pela Universidade Federal da Bahia (UFBA) e em criminologia pela Universidade de São Paulo (USP).

Personalidades das artes e da cultura também já se mobilizaram, como é o caso de Marieta Severo. “Quando você tem um Congresso votando uma lei de maioridade penal, é o quê? É um conservadorismo político apoiando um conservadorismo social, de ideias, de princípios, de valores”, afirmou a atriz ao jornal O Globo.

Até a maior entidade de especialidades médicas do Brasil, a SPB (Sociedade Brasileira de Pediatria), com 22.000 pediatras em todo o país, finalmente anunciou sua posição sobre o tema, condenando a redução. A congregação diz defender que “medidas realmente eficazes sejam adotadas para o real cuidado e proteção da criança e do adolescente desde sua concepção, pelos direitos que lhes são inerentes como cidadãos, como a melhor e mais eficiente forma de prevenir a formação de indivíduos violentos”. Mas pode ser que, em lugar de uma importante voz que se soma à discussão, esse seja mais um discurso esquecido na arena política.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: