EUA investigam ‘número dois’ do chavismo por tráfico de drogas

Diosdado Cabello é o principal alvo das investigações, diz o ‘The Wall Street Journal’

O presidente da Assembleia Nacional de Venezuela, Diosdado Cabelo.
O presidente da Assembleia Nacional de Venezuela, Diosdado Cabelo.A. C.

Os Estados Unidos estão investigando altos funcionários da Venezuela, incluindo o presidente da Assembleia Nacional, Diosdado Cabello, por suspeita de tráfico de drogas e lavagem de dinheiro, afirma o jornal The Wall Street Journal. A investigação, a cargo das promotorias federais de Nova York e Miami e na qual participa uma unidade de elite da agência antidrogas (DEA), estaria há mais de dois anos preparando os processos contra Cabello e outros altos dirigentes com base em declarações de extraficantes, militares desertores e antigos informantes próximos às autoridades venezuelanas.

Mais informações
Tribunal da Venezuela proíbe 22 diretores de jornais de saírem do país
Professores venezuelanos em pé de guerra pelo salário
Venezuela reconhece que é o país com a maior inflação do mundo
Governo da Venezuela raciona a eletricidade pela alta demanda
Nicolás Maduro oferece a Barack Obama um diálogo condicionado

Além de Cabello, entre os nomes mais destacados da investigação estão o do governador do Estado de Aragua e ex-ministro do Interior, Tareck el Aissami, assim como o ex-diretor da inteligência militar, Hugo Carvajal, que desde 2008 é acusado pelos EUA de participar de missões de narcotráfico com a guerrilha colombiana das FARC. Também estariam sob investigação norte-americana, segundo o Journal, que cita fontes próximas à investigação, o chefe da Guarda Nacional, Néstor Reverol; o ministro da Indústria e irmão de Cabello, David Cabello; e o general da Guarda Nacional Bolivariana Luis Motta Domínguez.

Mas Cabello é, sem dúvida, o principal alvo das investigações, diz o jornal.

“Existem amplas provas para justificar que ele é um dos cabeças, se não o cabeça, do cartel”, diz o WSJ citando uma fonte do Departamento de Justiça. “Certamente, ele é um dos principais alvos”, acrescentou a fonte.

As acusações contra Cabello e outros altos funcionários do Governo de Nicolás Maduro não são novas. Os jornais ABC de Madri e El Nuevo Herald de Miami sustentaram no fim de janeiro que Cabello tinha sido identificado como o chefe do Cartel de los Soles que supostamente transporta droga com ajuda de comandantes militares venezuelanos. A principal fonte das acusações é o militar Leamsy Salazar, ex-chefe de segurança do falecido presidente Hugo Chávez e ex-escolta de Cabello. O militar desertou e chegou a Washington no início do ano e, de acordo com os relatórios, declarou que Cabello fiscalizou a partida de um grande carregamento de cocaína da península venezuelana de Paraguaná.

Cabello negou veementemente as acusações. Na semana passada, um tribunal venezuelano proibiu a saída do país de 22 diretores e representantes dos jornais El Nacional e Tal Cual, assim como do agregador de notícias La Patilla. A medida foi uma resposta à demanda apresentada no fim de abril pelo presidente da Assembleia Nacional acusando esses veículos de difamação, agravada por terem reproduzido as informações sobre seu suposto vínculo com o Cartel de los Soles.

O artigo do WSJ não menciona o cartel, mas afirma que as autoridades norte-americanas consideram que vários dos funcionários e militares venezuelanos investigados são os “líderes de fato de organizações narcotraficantes que usam a Venezuela como plataforma para enviar cocaína aos Estados Unidos e à Europa”.

Embora as investigações já estejam bastante avançadas, as imputações podem continuar em segredo enquanto não houver detenções, algo difícil a menos que os suspeitos viajem para o exterior, diz o jornal norte-americano.

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS