A vitória dos conservadores abre uma nova frente de negociações na Europa

Os 'tories' querem renegociar a posição do país na UE e celebrar um referendo em 2017

Cameron acerca-se à maioria absoluta nas eleições britânicas
Cameron acerca-se à maioria absoluta nas eleições britânicasSTEFAN WERMUTH (REUTERS)

A vitória definitiva dos conservadores britânicos abre com força uma nova frente de negociações na cena política europeia. Um dos pilares do programa do partido de David Cameron é a renegociação da posição do Reino Unido na Europa e a realização, em 2017, de um referendo sobre a questão. Ainda que em Bruxelas e nas demais capitais haja muito pouco apetite para reabrir os tratados, o assunto ameaça sobrecarregar a agenda europeia nos próximos anos. A saída britânica em alguns ambientes preocupa ainda mais do que a da Grécia.

O primeiro ministro David Cameron colecionou escorregões em Bruxelas nos últimos anos, e provocou um certo cansaço em algumas chancelarias. Na metade da crise, tentou vetar o pacto fiscal: o resto da UE conseguiu driblá-lo. Tentou frustrar a candidatura de Jean-Claude Juncker à Comissão: novo fracasso. Conseguiu isolar-se como nunca: tanto a Alemanha como a França veem com algo mais do que receio o referendo que ele propõe. “Não há vontade de mudar os tratados”, avisam Berlim, Paris e Bruxelas, apesar dos desejos de Cameron de modificar o status do país na UE.

Mais informações

Mas a vitória clara de Cameron tornará difícil desconsiderar totalmente suas exigências. Os 'tories' querem aprofundar o mercado único, limitar a livre circulação de pessoas para evitar o chamado turismo do bem-estar —o suposto uso excessivo dos serviços públicos por parte dos imigrantes— e um papel mais importante dos Parlamentos nacionais para bloquear certas iniciativas.

“Deus separou o Reino Unido da Europa continental, e foi por alguma razão”, dizia a falecida Margaret Thatcher no fim do século passado. Quinze anos depois, abre-se uma temporada política disposta a estabelecer a distância dessa separação, e a dar resposta a um punhado de desafios adicionais. A economia britânica patina, com uma recuperação desequilibrada, uma preocupante perda de competitividade e uma crise que deixou cicatrizes no mercado imobiliário e no sistema financeiro. O nacionalismo escocês fez rachar as estruturas políticas. As relações com os EUA estão deprimidas. A Europa, enfim, não é a primeira preocupação do Reino Unido, mas uma crise nas relações com Bruxelas teria um impacto significativo dos dois lados do Canal.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: