Sabesp vai aumentar conta de água em mais de 15% a partir de junho

Agência reguladora aprova reajuste extraordinário da tarifa

M. M.
São Paulo -
Conta de água da Sabesp.
Conta de água da Sabesp.: Marcos Santos/ Jornal da USP

A conta de água e esgoto dos mais de 25 milhões de clientes da Sabesp em São Paulo vai ficar 15,24% mais cara a partir de junho. A Agência Reguladora de Saneamento e Energia do Estado de São Paulo (Arsesp) autorizou na noite desta segunda-feira o reajuste baseado no aumento dos custos da energia elétrica e a redução da demanda causada pela própria crise hídrica. O aumento deve começar a vigorar em junho, 30 dias depois da sua publicação no Diário Oficial do Estado. O valor equivale a quase o dobro da inflação anual de abril, pelo IPCA, de 7,8%.

Mais informações
A indústria faz um alerta sobre o impacto econômico da crise hídrica em São Paulo
Sabesp: bônus para diretores e reajuste de 22,7% à população
Com queda nos lucros, Sabesp quer socializar perdas com reajuste de tarifa
Crise da água ‘seca’ lucro da Sabesp, e companhia não descarta rodízio

A Arsesp já tinha aprovado no final de março um aumento de 13,8% da tarifa e convocou uma audiência pública para avaliar a autorização de um aumento maior pretendido pela Sabesp de 22,8% para “garantir o equilíbrio econômico-financeiro” da companhia durante a crise. A Agência não aceitou nenhum dos argumentos apresentados contra o aumento pela Federação de Indústrias de São Paulo (Fiesp), a associação de consumidores Proteste, pelo Instituto Brasileiro de Defesa ao Consumidor (Idec), pelo Greenpeace e pelo coletivo Luta pela Água. Muitos desses argumentos defenderam que o reajuste acima da inflação pretendido pela estatal decorre da própria crise e "em grande medida da falta de sua gestão", e "não podem ser repassados indefinidamente ao consumidor".

A Arsesp justifica o aumento de 13,87% para 15,24% devido a "alterações nos custos unitários de energia elétrica e nos componentes da demanda no plano de negócios" da Sabesp,

O último reajuste na conta de água, de 6,49%, foi feito em dezembro. A proposta da Sabesp e sua autorização parcial chega pouco tempo depois da companhia ter anunciado queda de 53% nos lucros – de 1,9 bilhão de reais de lucro líquido em 2013 ante 903 milhões este ano – e pagamento de 504.000 reais em bônus para seus diretores referentes ao desempenho da empresa em 2014, ano do agravamento da crise.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS