“Justiça não rima com vingança. Os jovens são as vítimas da violência”

Petista acredita que as pessoas tem opiniões com base em medo e raiva sobre o assunto

Margarida Salomão discursa contra a redução da maioridade penal.
Margarida Salomão discursa contra a redução da maioridade penal.Divulgação

A deputada Margarida Salomão (PT-MG) tem motivos para se sentir isolada. Ela é a única, entre seis integrantes da mesa diretora da comissão especial que discute a PEC que reduz a maioridade penal, que se opõe à medida. A parlamentar prevê uma dura luta pela frente, diante de um assunto que vem gerando infindáveis discussões acaloradas. “A preocupação das pessoas, que é a disseminação da violência no cotidiano, é correta. Mas a solução que se busca com a alteração na lei é equivocada”, afirma ela, que é vice-presidente da mesa diretora.

Mais informações

Pergunta. A redução da maioridade penal tem um grande amparo popular. O que explica isso?

Resposta. A preocupação das pessoas, que é a disseminação da violência no cotidiano, é correta. Mas a solução é equivocada. O número de menores infratores responsáveis por crimes violentos é inferior a 1% do total, segundo dados de pesquisadores da Universidade de São Paulo e da Universidade de Brasília. Eu penso que esse debate permite que informações objetivas e concretas surjam e influenciem o debate público.

P. Todos os seus colegas da mesa diretora da comissão defendem a redução da maioridade. O PT tem como influenciar o debate?

R. A instalação da comissão especial permite que esse assunto seja debatido. As pessoas têm opiniões cristalizadas com base em sentimentos de medo e de raiva. Justiça não rima com vingança. Respeito quem defende essa posição, geralmente é gente que já lidou diretamente com segurança, como muitos dos meus colegas de comissão, que são ex-delegados e ex-policiais, eles precisam ser ouvidos. Mas acredito na racionalidade básica da condição humana. Acredito que quando as informações sobre a redução da maioridade penal vierem à luz, nós chegaremos a uma conclusão que contemple a angústia dos defensores da redução, mas que garanta que os jovens tenham um futuro.

P. Parlamentares que defendem a redução alegam que o Estatuto da Criança e do Adolescente está desatualizado. A senhora concorda?

R. O ECA tem um sistema de punição para infratores a partir dos 12 anos. É possível pensar em atualizar o ECA à luz da forte mudança social no Brasil, mas você já tem um documento que foi debatido pela sociedade, que prioriza a ressocialização e a recuperação dos infratores.

"As pessoas tem opiniões cristalizadas sobre redução da maioridade penal com base em sentimentos de medo e de raiva"

P. Que efeito a redução da maioridade penal teria na recuperação dos jovens infratores?

R. O Brasil já é a quarta maior população carcerária do mundo, e sabidamente o sistema carcerário do país é deplorável. Os jovens vão se relacionar com criminosos perigosos, dificultando a reintegração posterior à sociedade. E além disso, no nosso entendimento os jovens são as grandes vítimas da violência, e precisam ser protegidos. Os índices de reincidência de jovens infratores sujeitos às punições do ECA são de 54%. É um número alto, mas bem menos do que a porcentagem de reincidentes do sistema prisional comum, que é de 80%, segundo o Conselho Nacional de Justiça.

P. O PT está disposto a negociar esta questão?

R. Minha posição, que está alinhada com a do partido, é a de não há eficácia neste procedimento.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: