O masturbador de Dom João VI e outras pérolas nacionais

O escritor Mario Prata esculca a História do Brasil para entrevistar brasileiros já mortos. Seu novo livro, cheio de fatos verídicos e picantes, sai em maio

D. João VI, c. 1820, por Simplício de Sá.
D. João VI, c. 1820, por Simplício de Sá.

O que você diria se tivesse a chance de se encontrar, cara a cara, com Pedro Álvares Cabral? A Mario Prata – escritor, dramaturgo, jornalista e grande personalidade da cultura brasileira – lhe ocorreu perguntar se é verdade que estavam todos bêbados quando ele e sua tripulação (1.500 homens em 13 navios carregados de vinho) descobriram o Brasil. A resposta é positiva e está no livro Mario Prata entrevista uns brasileiros, em que ele conversa com Cabral e com personalidades marcantes para o país, brasileiros de fato ou “naturalizados”.

Têm a palavra o escritor, político e jurista Ruy Barbosa, “o maior baiano de todos os tempos”, Pero Fernandes Sardinha, nosso primeiro bispo, e o revolucionário Tiradentes, “nascido e enforcado Joaquim José da Silva Xavier”, entre outros. No total, são 22 personagens que protagonizaram capítulos da história nacional, sem, no entanto, ter um que outro fato picante de sua vida trazido à tona – e muito menos a chance de explicá-los. Dom João VI, por exemplo, comenta como foi isso de trazer em sua comitiva que saiu às pressas de Portugal o seu ‘masturbador oficial’.

O projeto nasceu de sua colaboração com a Revista Brasileiros, onde Mario Prata passou a publicar entrevistas em 2013. “Eles me convidaram, e eu disse que faria, se me deixassem entrevistar pessoas mortas”. Entrevistado bom é entrevistado morto? “Na verdade, alguns deram muito trabalho. Mas os vivos mentem, enquanto os mortos inventam”, diz. O tom é sempre cômico – característica imprescindível dos escritos de Mario –, e o autor se faz narrador e personagem de papos fictícios. No entanto, é preciso destacar que as informações contidas neles são verídicas, fruto de uma intensa pesquisa e submetidas ao crivo de historiadores como Angela Marques da Costa, Mary Del Priore, Mattew Shirts e Fernando de Moraes. “Faço uma brincadeira respeitosa, de admiração por todos eles”, explica.

As conversas resultaram tão elucidativas e saborosas, que a editora Record o convidou para lançar um livro, que chegará às livrarias em maio. À sua vez, Mario se deu conta, ao publicar as entrevistas em ordem cronológica, que tinha logrado uma espécie de análise histórico-racial do país. “Isso soa presunçoso. Melhor dizendo, notei que tinha feito um negócio aí sobre a nossa raça. Os entrevistados são índios, europeus, negros e tudo isso misturado”, conta. O livro termina com o responsável pela chegada do futebol ao Brasil, Charles Miller, que nasceu no bairro paulistano do Brás, de pai inglês e mãe escocesa. Foi juiz, técnico e jogador no primeiro jogo de futebol que aconteceu em território nacional e – agora a gente sabe – vivia imerso em problemas matrimoniais.

Mais informações

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: