Contra crise, Dilma entrega a articulação política a vice, do PMDB

Temer assume funções da Secretaria de Relações Institucionais, que era ocupada pelo PT

Temer e Dilma em evento no Palácio do Planalto.
Temer e Dilma em evento no Palácio do Planalto.UESLEI MARCELINO (REUTERS)

A presidenta Dilma Rousseff foi buscar dentro do próprio Palácio do Planalto uma solução para seus problemas de articulação política com o Congresso Nacional. Após falhar a tentativa de transferir o ministro Eliseu Padilha (PMDB), da Secretaria da Aviação Civil, para a Secretaria de Relações Institucionais, Dilma optou por entregar a interlocução com a base de seu Governo a outro peemedebista: o vice-presidente da República, Michel Temer, que ocupa agora o lugar que foi do criticado Pepe Vargas (PT).

Mais informações

A missão de Temer é basicamente pacificar o Congresso Nacional, onde seus companheiros de partido, os presidentes Renan Calheiros (PMDB), do Senado, e Eduardo Cunha (PMDB), da Câmara, têm conduzido pautas à revelia da presidenta. A esperança de Dilma é poder cobrar mais de seu vice a tarefa de unir das várias alas da sigla, que vem reivindicando publicamente participação programática no Governo ao mesmo tempo em que defende bandeiras incômodas para o Planalto.    Enquanto Cunha desengavetou projetos como os que propõem a redução da maioridade penal e a regulamentação da terceirização, Calheiros tem defendido a autonomia do Banco Centra e a limitação do número de ministérios para 20 — com a mudança desta terça, a quantidade de pastas cai de 39 para 38. Enquanto isso, o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, tenta convencer os congressistas a aprovar os ajustes fiscais encampados pelo Governo.

Segundo o ministro-chefe da Casa Civil, Aloizio Mercadante, a nova função de Temer foi “fortemente apoiada por todos os partidos” da base e “essa solução política, neste momento com tantos desafios, ajuda a melhorar as relações com o Congresso, entre os Poderes e entre base aliada”. A jornalistas, Mercadante destacou a experiência de Temer como um “homem público de larga experiência”, lembrando que o vice foi constituinte, atuou como presidente da Câmara por mais de uma vez e até assumir a vice-presidência era presidente do PMDB.

“É a liderança que melhor reúne condições de fazer esse trabalho”, assegurou o ministro-chefe da Casa Civil, para quem Temer tem o perfil de conduzir a articulação política e “agregar a base aliada”. Com a troca, Dilma chega à quarta mudança em seu ministério após assumir o segundo mandato. Nesta semana, o professor de Ética Renato Janine Ribeiro assumiu o Ministério da Educação no lugar de Cid Gomes, que deixou a pasta após bate-boca no Congresso Nacional. Antes, o ex-deputado estadual Edinho Silva já havia assumido a Secretaria de Comunicação Social no lugar de Thomas Traumann e Mangabeira Unger tinha retornado ao comando da Secretaria de Assuntos Estratégicos no lugar de Marcelo Néri.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: