Editoriais
São da responsabilidade do editor e transmitem a visão do diário sobre assuntos atuais – tanto nacionais como internacionais

Liberdade para López

É injustificável continuar a prolongada prisão e os maus-tratos do líder opositor venezuelano

A longa prisão do líder opositor venezuelano Leopoldo López deve chegar a seu fim o quanto antes. A reclusão há mais de um ano em uma prisão militar de um político civil acusado de conspiração pelo Governo de Nicolás Maduro, mas que ainda não foi julgado, é um exemplo importante do nível de irregularidade que sofrem as instituições venezuelanas.

Mais informações

Convém lembrar que López se entregou voluntariamente à justiça venezuelana. E fez isso para responder às acusações lançadas contra ele por Maduro e seus colaboradores. Entregou-se em público e de forma pacífica, como ficou bastante documentado. Mas em vez de enfrentar um julgamento justo, o prefeito democraticamente eleito de Chacao foi confinado em um regime de isolamento prolongado — os seis primeiros meses transcorreram desta maneira —, e sofreu agressões e humilhações, segundo denunciaram organismos internacionais de direitos humanos e relata o próprio López na entrevista que, de sua cela, concedeu a este jornal.

Longe de desfrutar de garantias, López agora está mais indefeso que nunca. Toda a responsabilidade sobre sua integridade recai sobre Maduro. Este, saltando sobre o próprio ordenamento jurídico venezuelano, propôs a Barack Obama colocar López em liberdade em troca de um ativista pertencente às denominadas Forças Armadas de Libertação Nacional de Porto Rico, preso nos EUA. Trata-se de uma prova evidente da intromissão de Maduro no sistema jurídico de seu país e do caráter eminentemente político da prisão do líder opositor venezuelano.

Nesta linha, só nos resta dar as boas vindas a uma resolução aprovada ontem pelo Parlamento Europeu que exige a libertação imediata tanto de López quanto de Antonio Ledezma e Daniel Ceballos, e o fim da perseguição às forças de oposição. Uma resolução que contou com o forte respaldo da Eurocâmara e à qual, claro, se opuseram os eurodeputados espanhóis de Podemos, junto com os de Esquerda Unida, Esquerda Republicana da Catalunha, Iniciativa pela Catalunha Verdes e Compromìs.

Maduro deve renunciar à retórica agressiva contra a oposição, libertar os opositores presos e assumir que o diálogo construtivo é a única saída para a perigosa situação enfrentada na Venezuela.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: