Após panelaço, Dilma diz que é preciso aceitar o jogo democrático

Aloizio Mercadante minimiza protestos que, segundo ele, coincidiram com o locais em que a presidenta sofreu derrota eleitoral. Para PT, manifestações tiveram viés golpista

Presidenta em evento para sancionar a lei do feminicídio.
Presidenta em evento para sancionar a lei do feminicídio. UESLEI MARCELINO (REUTERS)

O dia seguinte à batidas de panelas contra a presidenta Dilma Rousseff não passou em brancas nuvens no Planalto, como era de se esperar. Coube ao ministro-chefe da Casa Civil, Aloizio Mercadante, minimizar as manifestações, logo na manhã desta segunda-feira, durante uma coletiva para tratar dos assuntos pertinentes ao ajuste fiscal. Segundo Mercadante, os protestos coincidiram com o locais em que a presidenta sofreu derrota eleitoral em outubro do ano passado. Horas mais tarde, Dilma também se pronunciou sobre o assunto e disse que os protestos são legítimos, mas que a defesa de um "terceiro turno" seria uma "ruptura da democracia".

"Eu acho que há que se caracterizar as razões para o impeachment e não o terceiro turno das eleições. O que não é possível no Brasil é a gente não aceitar as regras do jogo democrático", afirmou a presidenta após evento no Palácio do Planalto para sancionar a lei do feminicídio,que prevê penas mais duras para crimes de gênero contra as mulheres. "A eleição acabou, houve primeiro e houve segundo turno. Terceiro turno das eleições, para qualquer cidadão brasileiro, não pode ocorrer, a não ser que você queira uma ruptura democrática", completou.

Assim como o ministro, dirigentes do PT avaliaram o panelaço como um movimento que fracassou.  O secretário nacional de comunicação do partido, José Américo Dias, afirmou que a reação ao discurso foi uma "orquestração com viés golpista" restrito a setores da "burguesia e da classe média alta". “Tem circulado clipes eletrônicos sofisticados nas redes, o que indica a presença e o financiamento de partidos de oposição a essa mobilização”, afirmou José Américo. "Mas foi um movimento restrito que não se ampliou como queriam seus organizadores", completou.

Mais informações

Apesar do partido ter relativizado o panelaço, o movimento gerou preocupação no Governo. O Planalto tem monitorado o movimento nas redes, e principalmente as confirmações que têm sido feitas para os eventos anti-Dilma, marcados para o próximo dia 15. O número de pessoas que prometem engrossar os protestos neste domingo cresceu rapidamente nas últimas semanas, e com o panelaço deste domingo, ganham ainda mais audiência. Em meio ao temor que o ato contra a presidenta tome proporção maior que a esperada, Dilma vai se reunir com o ex-presidente Lula, nesta terça-feira, em São Paulo. O encontro, certamente, vai tratar as reações durante o pronunciamento de Dilma na TV. Na reunião, os dois devem discutir além das manifestações, a crise política no Congresso.

O barulho dos protestos deixou em segundo plano questões cruciais para o Governo. Em coletiva de imprensa, Mercadante apoiou o pronunciamento da presidenta no dia anterior, no qual defendeu as últimas medidas econômicas adotadas para viabilizar o crescimento do país. O ministro comparou o ajuste a uma ida ao dentista. "Ninguém quer, mas tem que ir. Temos que fazer o ajuste fiscal e quanto mais rápido, melhor", afirmou.

Para Mercadante, o diálogo e a tolerância são importantes para criar uma agenda de convergência que ajude o país a superar as dificuldades conjunturais e assegurar a estabilidade economia e a recuperação do crescimento econômico. A questão é como refazer as pontes com o Congresso, necessárias para retomar o tal diálogo.

Repercussão nas redes

Desde o pronunciamento de Dilma, a internet se transformou em palco de manifestações contra e a favor da presidenta. No Twitter, a hashtag #VaiaDilma atingiu o primeiro lugar nos Trend Topics do Twitter, durante a madrugada, e continuava na lista na tarde desta segunda-feira. A reação negativa ao pronunciamento também invadiu a página de Dilma no Facebook. Centenas de comentários foram postados abaixo do vídeo do pronunciamento postado na página e o mais curtidos eram de críticas à presidente.

Já a hashtag #DilmadaMulher, em apoio à presidenta, entrou para o trending topics durante a cadeia nacional. Outra hashtag, criada para ironizar os protestos, a #posteumfilmecompanela, também apareceu na lista das mais citadas no Twitter na tarde desta segunda-feira. No Facebook, várias mensagens de partidários do PT , que pediam que as pessoas não participassem da manifestação do dia 15 de março, foram replicadas. "Eleição é coisa séria e histeria a gente trata com análise", dizia um dos posts.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: