Unasul tenta mediar crise política da Venezuela

Delegação da entidade se reúne com Maduro e a oposição

O secretário geral de UNASUL, Ernesto Samper.
O secretário geral de UNASUL, Ernesto Samper.Ariana Cubillos (AP)

Pela segunda vez, a União Sul-Americana de Nações (Unasul), entidade com poucos anos de existência e que conta com a aprovação da alta direção chavista, tentou nesta sexta-feira fazer uma mediação entre o Governo do presidente Nicolás Maduro e a oposição venezuelana. Seu secretário-geral, Ernesto Samper, afirmou nesta sexta-feira em Caracas que, para o organismo, é fundamental que se realizem, “com um final feliz”, as eleições parlamentares na Venezuela, por serem o melhor meio para diminuir as diferenças.

Mais informações

“Para a Unasul é fundamental (...) que se levem a cabo com um final feliz, e do melhor modo possível, a realização das próximas eleições na Venezuela”, disse Samper, depois de um encontro com Maduro “É o melhor cenário para que as dificuldades sejam enfrentadas”, disse Samper, referindo-se às eleições previstas para o segundo semestre de 2015.

O secretário da Unasul visita Caracas com uma delegação integrada pelos ministros de Relações Exteriores do Brasil, Mauro Vieira, da Colômbia, María Ángela Holguín, e do Equador, Ricardo Patiño, para promover a aproximação entre ambas as partes. “A Unasul não endossará nenhuma tentativa de interromper a democracia na Venezuela”, disse Samper em uma entrevista ao canal Telesur, cujo maior acionista é o Estado venezuelano, referindo-se aos recentes rumores de golpe de Estado.

Essa visão se contrapõe, por exemplo, com o que pensa a facção da oposição que deseja o fim antecipado do Governo do presidente Nicolás Maduro. A ex-deputada María Corina Machado, a única dos principais porta-vozes dessa ala que não está na prisão, afirmou em sua conta no Twitter que acredita em um diálogo que permita avançar até a democracia, e não para estabilizar a ditadura.

Nada indica que a missão da Unasul possa ter êxito, mas aumenta, sim, a atenção sobre este país de 30 milhões de habitantes, mergulhado em disputas infindáveis e sem concessões há mais de 15 anos, desde a chegada do comandante Hugo Chávez (1999-2013) ao poder. Em 2014 esses mesmos chanceleres, com os bons ofícios do núncio apostólico em Caracas, monsenhor Aldo Giordano, tentaram mediar entre as partes, com resultados pouco satisfatórios. Conseguiram apenas que o chavismo introduzisse em sua agenda parlamentar a renovação parcial do Supremo Tribunal de Justiça, do Conselho Nacional Eleitoral e dos principais representantes da Controladoria Geral da República, do Ministério Público e da Defensoria do Povo, cujo período no cargo estava então vencido. Além desse gesto, concluído em dezembro com uma varredura quase total dos governistas em meio a severas críticas de seus opositores, nada avançou depois. A oposição terminou se retirando da mesa em maio, depois de denunciar que a outra parte não honrava os acordos alcançados.

A Unasul não endossará qualquer tentativa de interromper a democracia na Venezuela Ernesto Samper, secretário geral da Unasul

Consultado pelo jornal local El Nacional, monsenhor Giordano preferiu não lembrar do ciclo anterior de conversações, mas olhar para a frente. “Na Venezuela há condições suficientes para o reinício do diálogo. Esperamos que a visita dos chanceleres seja um passo importante.” O representante do Vaticano recordou as palavras do papa Francisco sobre a Venezuela – o pontífice pediu o fim da violência no país e incentivou todos para que encontrem um caminho para um diálogo sincero e construtivo. “As dificuldades servem para encontrar um caminho inovador”, disse Giordano.

O destino da Venezuela parece ser visto com indiferença pelos Governos em exercício na América Latina, mas não por ex-dirigentes. Cinco deles, Oscar Arias (Costa Rica), Fernando Henrique Cardoso (Brasil), Alejandro Toledo (Peru), Felipe Calderón e Ernesto Zedillo (México), expressaram em uma carta aberta sua preocupação pela deterioração da situação econômica e política do país, e em especial pela situação do prefeito da área metropolitana de Caracas, Antonio Ledezma, preso há 15 dias sob a acusação de conspiração. “Se o país continuar nesse caminho de confrontação, a situação dessa grande nação continuará se deteriorando”, diz a carta.

Depois de escutar o governo, a missão da Unasul se reunirá com dirigentes da oposição.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: