O capital de confiança do ministro

Levy responde a uma plateia de empresários cheia de dúvidas, mas simpática ao emissário: “Não prometo soluções fáceis"

O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, na Câmara França Brasil
O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, na Câmara França BrasilP. Whitaker/Reuters

As perguntas feitas pela plateia de empresários ao ministro da Fazenda, Joaquim Levy, deram bem o tom das preocupações que afligem o setor produtivo brasileiro neste momento sui generis em que reinam mais dúvidas que certezas. Como lidar com o dólar em alta, a tributação complexa, com o risco de perder o grau de investimento pelas agências de risco, e ao mesmo tempo virar a página do caso Petrobras e empreiteiras, fundamentais para o crescimento econômico. Uma fala do ministro ao longo da sua apresentação na manhã desta segunda-feira poderia ser aplicada: “Não prometo soluções rápidas e fáceis”, afirmou o ministro, deixando claro que o Brasil de 2015 será um ano de ‘aprender fazendo’, como apontava sugestivamente um dos slides da sua apresentação para empresários em São Paulo.

O dólar em alta é uma das principais preocupações neste momento, em que a moeda americana está cada dia mais perto dos 3 reais. “O Banco Central está procurando estabilizar a moeda, mas no mundo o dólar está volátil”, disse Levy, lembrando que em sua passagem por Davos, em janeiro deste ano, a alta do dólar era uma das maiores insatisfações dos suíços. “O franco estava mais alto que os Alpes”, brincou o ministro, lembrando que também a China estava começando uma política de short selling para atenuar a flutuação da moeda americana diante do iuane. “O câmbio não vale mais 1,60 reais, está acima dos 2,60 reais”, afirmou Levy (nesta segunda, o dólar estava sendo negociado a 2,90 reais).

Mais informações

O número um da Fazenda também falou da Petrobras, ainda que não tenha mencionado os imbróglios jurídicos em que a estatal se vê envolvida. “Chamo a atenção para a produção [da Petrobras], que havia se estabilizado, mas desde 2014, está em crescimento. O pré-sal já corresponde a um terço da produção da companhia, e agora devemos ter [a produção] de gás”, disse.

Levy defendeu, ainda, as “medidas corajosas” do Governo Dilma ao realinhar o custo de energia – leia-se, reajustes tarifários para garantir a receita das empresas do setor – assim como o empenho em simplificar programas que ajudem o setor privado. “Temos a intenção de fazer ajustes na área de impostos, como a simplificação de tributos como o PIS Cofins, e em paralelo o (tributo estadual) ICMS”, sinalizou Levy.

O ministro reconheceu que é preciso dar mais um passo no caminho do desenvolvimento do Brasil, hoje fechado nas empresas que vem ao país para crescer com o mercado interno. E para tal, tem mantido conversas com o seu colega Armando Monteiro, titular da pasta de Desenvolvimento Indústria e Comércio Exterior (MDiC). “Temos de ir além, inserir-nos mais em linhas de produção, e as multinacionais têm um papel. É preciso ter disposição das companhias e do próprio governo, para entender o que é necessário para que as empresas sejam mais agressivas e competitivas, e cresçam mais no mercado internacional”, completou.

As doses de otimismo em seu discurso foram bem recebidas pela plateia de executivos e empresários, que creditam “um enorme capital de confiança” em Levy, segundo as palavras de Louis Bazire, presidente da Câmara de Comércio França Brasil. “Ele tem apoio geral do setor privado”, garante o economista-chefe do banco Bradesco, Octávio de Barros, que aposta também no apoio do Congresso para que as mudanças necessárias propostas por Levy, como é o caso dos ajustes de benefícios como seguro-desemprego, sejam aprovadas sem grandes dificuldades. 

Barros entende que os ajustes propostos pelo ministro, que podem incluir a redução de gastos de alguns ministérios, serão bem-sucedidos. Porém, preocupa o desafio de aumentar a receita do Governo em 2015, um ano que enfrentará clara dificuldade, com previsão inclusive de queda do PIB. “A atividade econômica está desacelerando a arrecadação, e ainda as mudanças na concessão de benefícios, são um desafio”, afirma.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: