Quem vai dirigir o transatlântico encalhado pela Lava Jato?

Mercado já especula nomes para substituir Graça Foster num dos mais emblemáticos desafios da companhia fundada nos anos 50

O salário de três dígitos, com extras como participação nos lucros e outros bônus, pode ser atraente a primeira vista. Mas, o eleito ou eleita para substituir Graça Foster na presidência da Petrobras certamente não aceitará o desafio por uma mera ambição financeira. Pode-se contar nos dedos os executivos que vão se deixar seduzir pelo desafio de administrar a Petrobras num dos piores momentos da sua história. O novo presidente precisa ter um perfil sui geneirs, que se sinta atraído pela missão de desencalhar um transatlântico que se chocou com um iceberg chamado Lava Jato e testa a resistência de sua estrutura para encontrar o caminho de volta. Mais: alguém que pode enfrentar novos vazamentos no convés, que ainda não foram detectados.

A nova liderança precisará dar uma sólida interface para a companhia quando novas revelações sobre o esquema de corrupção vierem à tona, e ao mesmo tempo manter a companhia funcionando para cumprir suas metas de produção e resultado.

Mais informações
Graça Foster: de catadora de papelão a primeira presidenta de uma petroleira
Guia para não se perder no 'caso Petrobras'
Dilma se vê encurralada em várias frentes um mês após nova posse
Rumores sobre saída de executiva disparam ações da estatal

Na bolsa de apostas, já há nomes de alto calibre, como o de Henrique Meirelles, ex-presidente do Banco Central dos dois mandatos do Governo Lula, que já presidiu o BankBoston e tem experiência internacional no setor financeiro. Quando assumiu o BC no início dos governos petistas, Meirelles mostrou uma capacidade surpreendente de resistir a pressões internacionais e trabalhar para reduzir a volatilidade do real, que vivia uma montanha russa quando Lula assumiu a presidência em 2003. Num dia, a dólar parecia chegar às alturas, e no outro, estava lá Meirelles com seus leilões precisos para reduzir a temperatura do caldeirão que fervia. Em pouco tempo, seu nome já exalava a tranquilidade que o mercado financeiro almejava. Segundo alguns analistas, Lula estaria trabalhando para que o nome dele seja o indicado para a função.

Se Meirelles aceitará o desafio não se sabe. Mas é fato que a Petrobras busca um líder que reúna essas características, e que ainda traga inteligência para driblar a época das vacas magras do petróleo a 53 dólares, quase metade de outrora. Segundo o jornal O Globo, há outros nomes sendo estudados, como o de Rodolfo Landim, que trabalhou na Petrobras por 26 anos, e chegou a trabalhar com o ex-bilionário Eike Batista. O workaholic Roger Agnelli, que presidiu a mineradora Vale e ajudou a multiplicar os lucros da companhia, ao fechar negócios bilionários com a China. Agnelli chegou a ser eleito um dos melhores CEOs do mundo em 2012. Outro é Antônio Maciel Neto, que se notabilizou por se tornar garoto propaganda da montadora Ford, que vinha de prejuízos consecutivos. A empresa passou a ser lucrativa depois da sua passagem.

Todos os nomes cotados têm em comum um perfil agressivo, resiliente e incansável na tarefa de alcançar os objetivos traçados. E a Petrobras está no centro de uma série de projetos de grande porte para o Governo Dilma, como o patrocínio de novos recursos para a educação, por meio do pré-sal.

Há, ainda, desafios hercúleos, como as negociações para que os projetos hoje tocados pelas empreiteiras investigadas não percam o prumo, bem como a conclusão de obras fundamentais como a refinaria Comperj, no Rio de Janeiro.

 O nome do novo presidente deve ser conhecido até o final desta semana, quando o Conselho de Administração se reúne para escolher o novo time da estatal. A mudança já foi premiada no mercado financeiro com a alta das ações da empresa na bolsa. Um pequeno suspiro para uma empresa que precisará de um tanque de oxigênio pelos próximos meses.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS