MEDO À LIBERDADE
Tribuna
São da responsabilidade do editor e transmitem a visão do diário sobre assuntos atuais – tanto nacionais como internacionais

Tempos de horror

A tragédia de Charlie Hebdo serve para lembrar que no México foram assassinados 102 jornalistas nos últimos 14 anos

Camille Desmoulins, o advogado e jornalista que em 12 de julho de 1789 discursou para as massas nos jardins do Palais Royal para que tomassem a Bastilha, algo que aconteceu dois dias depois, acabou guilhotinado pela Revolução que ajudou a engendrar, exatamente por rir-se e denunciar em seu semanário satírico a violência posterior.

Se agora em nossos dias a tragédia do Charlie Hebdo reflete que a imprensa continua sendo o espelho do mundo em que vivemos, é inevitável voltar os refletores para a América. Por exemplo, o México foi, em 2014, segundo o Comitê de Proteção aos Jornalistas (CPJ), o país mais perigoso para exercer o jornalismo no subcontinente e está em sétimo lugar no mundo. A Comissão Nacional de Direitos Humanos (CNDH) anunciou que, dos 102 jornalistas assassinados entre 2000 e 2014, apenas em 10% dos casos houve sentença e 89 crimes continuam impunes. É muito perigoso opinar sobre um político corrupto ou a serviço dos cartéis.

Na Argentina, a pressão é enorme e eu entendo. Chegou um momento em que o quarto poder se tornou o primeiro. A luta entre a presidenta Cristina Kirchner e o grupo Clarín exige um esclarecimento fundamental, independentemente das razões de cada um. Kirchner, para o bem ou para o mal, foi eleita pelos argentinos; a equipe do Clarín é escolhida apenas pelo Clarín. O princípio da soberania do Estado está em quem é eleito e não em quem pode eleger. Os meios de comunicação se transformaram no principal eleitor até que, como dizia Stendhal, “tudo que é exagerado se torna insignificante”. Assim, seu poder chegou a ser tão imenso que se tornou —por uma questão de sobrevivência— insignificante.

No Equador, o presidente Correa, que se sentiu ofendido, mudou a Constituição e aprovou em 2013 a controversa Lei da Mordaça pela qual, se se considerasse que um meio de comunicação tivesse faltado com a verdade, seria sancionado economicamente de forma tão selvagem que equivaleria ao fechamento. Um exemplo é o jornal diário El Universo, cujos três diretores e um dos jornalistas foram condenados a três anos de prisão e a pagar uma multa exorbitante de 40 milhões de dólares. Na Colômbia, o diretor de El Espectador, Guillerme Cano, recebeu seus colegas do Charlie Hebdo no céu. Eles morreram pelas balas de um Kalashnikov e Cano pelas de Pablo Escobar, em 1986, mas no fim a causa da morte foi a mesma. No Brasil, diante do fluxo de inteligência, simpatia e mudanças sociais encarnado pelo ex-presidente Lula, apenas a atuação vigilante de alguns meios como a Folha expuseram o escândalo de corrupção da Petrobras, desafiando o Governo de Dilma a explicar os contratos firmados pela estatal. Além das numerosas prisões, ordenou-se o bloqueio de bens que ultrapassam os 300 milhões de dólares.

O tempo em que apenas os meios de comunicação eram a consciência dos povos passou, entre outras coisas pela emergência das redes sociais. Hoje devem encontrar seu próprio lugar no jogo de poder.

Não só porque os fanáticos, os ditadores e os poderosos têm pouco senso de humor, mas porque intuem —com razão— que por trás do humor costuma vir o senso crítico e que este pode estimular a única coisa que, ao lado do medo, é o motor dos seres humanos: a esperança. Quando a esperança é muita e de muitos, chama-se revolução, por isso é preciso cegá-la na origem.

O mapa da liberdade de expressão está em perigo. Há uma pergunta elementar: Quem manda, afinal? A mídia ou os Governos? Os Governos são melhores, pois no fim das contas os elegemos nas urnas. No entanto, também é verdade que enquanto a América Latina é ocupada pela China (que não é uma boa referência de liberdade de expressão) e Cuba se torna o fator chave para o diálogo entre as Américas, a falta de atenção dos Estados Unidos, junto com a prepotência dos Governos da zona do euro, colocaram os meios de comunicação latino-americanos em uma grave e definitiva crise de identidade.

O terror não é exclusivo de ninguém; é de todas as religiões, de todas as cores, de todos os deuses, de todas as bandeiras. É bom que nesse momento em que a Europa olha o terror de frente, os meios de comunicação saibamos que há todo um continente que fala espanhol, cujo rosto deformado reflete, há muito tempo, um estado de terror.

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS