Conciliação Cuba-EUA

Cuba completa a libertação dos 53 presos combinada com os EUA

Fontes norte-americanas consideram que criou-se um clima positivo para o diálogo

O dissidente Wilberto Parada com a mulher e seu filho depois de ser deixar a cadeia na última sexta.
O dissidente Wilberto Parada com a mulher e seu filho depois de ser deixar a cadeia na última sexta.Ramon Espinosa / AP

O Governo Cubano informou oficialmente o norte-americano que “completou” a libertação dos 53 presos políticos que havia prometido tirar da prisão, quando houve o anúncio da normalização das relações realizada em 17 de dezembro pelos presidentes Barack Obama e Raúl Castro.

“Saudamos esse acontecimento positivo e ficamos satisfeitos em ver que o Governo cubano cumpriu esse compromisso”, declarou uma fonte oficial norte-americana em condição de anonimato.

Mais informações

De acordo com a fonte, a Seção de Interesses norte-americana em Havana pôde “verificar” a libertação dos presos, cujos nomes Washington repetidas vezes recusou revelar nos últimos dias. O Departamento de Estado alegava que isso poderia ser contraproducente para o processo, já que suas libertações não faziam parte, estritamente, do acordo bilateral, uma vez que foi proposta de Cuba e, portanto, o tempo para agir era uma decisão “soberana” da ilha.

De Cuba, entretanto, organizações dissidentes como a Comissão Cubana de Direitos Humanos e Reconciliação Nacional (CCDHRN) e a União Nacional Patriótica de Cuba (Unpacu) forneceram, nos últimos dias, listas com os nomes dos libertados.

O anúncio sobre o fim do processo de libertações ocorreu pouco mais de uma semana antes de começarem as conversas oficiais para negociar a normalização de relações diplomáticas, em Havana, em 21 e 22 de janeiro. As negociações, que fazem parte das conversas migratórias que os EUA e Cuba mantém a cada seis meses, serão lideradas, da parte norte-americana, pela secretária de Estado adjunta para a América Latina, Roberta Jacobson.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete
O mais visto em ...Top 50