Com Venezuela em recessão, Maduro discute economia com Dilma

A presidenta também conversou com o vice-presidente americano, Joe Biden, que vem mediando a reaproximação dos dois países após o escândalo da espionagem

Maduro se reúne com Dilma após posse.
Maduro se reúne com Dilma após posse.Fernando Bizerra Jr. (EFE)

Com seu país em recessão, recordista mundial de inflação -com uma taxa anual de 63,3%-, e alvo de sanções dos Estados Unidos, o presidente venezuelano Nicolás Maduro se encontrou com a presidenta Dilma Rousseff em Brasília nesta sexta-feira, um dia após a posse da petista. Os dois líderes discutiram ampliar a cooperação bilateral em áreas como a indústria e a tecnologia, e também aprofundar as relações com o Mercosul.

Mais informações

“Já há iniciativas no campo alimentar, no campo farmacêutico e em outros que vão se abrir. Vamos dinamizar toda a agenda, sobretudo da cooperação econômica, industrial, tecnológica e agrícola”, disse Maduro ao deixar o Palácio do Planalto. Ele afirmou também que agradeceu a Dilma pelo apoio do Brasil com relação às sanções impostas pelo governo dos Estados Unidos a altos funcionários do Governo venezuelano no início de dezembro. O Senado americano aprovou o congelamento de ativos de 50 autoridades da Venezuela localizados nos EUA.

Maduro disse que conversou brevemente ontem com o vice-presidente americano, Joe Biden, e pediu que seu Governo “respeite” a Venezuela. Segundo ele, o encontro foi “cordial”. “Afirmei a ele [Biden] que queremos relações de respeito, nada mais”, disse.

Rousseff também esteve com Biden no dia da posse. A presença do vice de Barack Obama em Brasília ontem foi vista como uma sinalização de que a mandatária pode finalmente retomar as negociações para uma visita oficial da presidenta aos EUA. A relação entre os dois países ficou estremecida desde meados de 2013, quando o escândalo de espionagem divulgado pelo ex-analista de dados da CIA Edward Snowden expôs o monitoramento de autoridades brasileiras pela agência americana. De acordo com documentos divulgados à época, os EUA violaram o sigilo telefônico e emails de integrantes do Governo brasileiro e de empresas estatais, como a Petrobrás.

“É um ano novo, um novo começo”, afirmou o mandatário americano depois da reunião que durou pouco mais de uma hora, segundo a agência EFE

A presidenta também se reuniu nesta terça com o vice-presidente da China, Li Yuanchao, com o primeiro-ministro da Suécia, Stefan Lofven, e com o presidente de Guiné Bissau, José Mário Vaz.

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: