Dilma promete ajustes na economia sem prejudicar número de empregos

“Vamos derrotar a falsa tese de que há conflito entre ajustes na economia e avanços sociais", disse a presidenta

Dilma acena ao chegar no Palácio do Planalto para discursar à população.
Dilma acena ao chegar no Palácio do Planalto para discursar à população.REUTERS

A cerimônia de posse para o segundo mandato da presidenta Dilma Rousseff, e o quarto consecutivo do Partido dos Trabalhadores, começou por volta das 15 horas, com um desfile no Rolls-Royce presidencial, ao lado da filha, Paula Rousseff, acenando para o público que a esperava sob o forte sol da capital brasileira.

Mais informações

Com a presença de 12 presidentes latino-americanos, e outra dezenas de vices, incluindo Joe Biden, dos Estados Unidos, Rousseff sinalizou que o país continuará abrindo o espaço para as conquistas sociais, com mais responsabilidade na gestão econômica. “Vamos derrotar a falsa tese de que há conflito entre ajustes na economia e avanços sociais", disse ela, diante dos parlamentares e dos chefes de Estado convidados. Segundo ela, "os primeiros passos desta caminhada passam por um ajuste nas contas públicas, um aumento na poupança interna, a ampliação do investimento e a elevação da produtividade da economia."

Ao destacar a necessidade de voltar a crescer, Rousseff assegurou que é possível um ambiente mais favorável aos negócios. "Tudo voltado para o que é mais importante e mais prioritário: a manutenção do empregos e a valorização do salário mínimo, que continuaremos a assegurar", afirmou ela, comprometendo-se com a ampliação do investimento e a elevação da produtividade da economia. "Faremos isso com menos sacrifício possível para a população, em especial os mais necessitados. Temos consciência de que ampliação de políticas sociais exige equidade e correção de distorções e excesso", completou.

Nos 40 minutos de discurso, Rousseff tentou dar respostas a todos os questionamentos que giram em torno do seu Governo, incluindo o descontrole da corrupção, os desmandos na Petrobras, e a inflação persistente. Ela se comprometeu com um pacto contra a corrupção, que incluirá o envio de medidas de punição mais rigorosa aos que forem pegos em atos ilícitos e a agilização de processos de investigação de desvios de recursos públicos.

Reiterou ainda que a Petrobras é maior que as denúncias em que se vê envolvida, e que ela será protegida de seus inimigos internos e externos. "Não podemos permitir que a Petrobras seja alvo de um cerco especulativo de interesses contrariados com a adoção do regime de partilha e da política de conteúdo nacional, que asseguraram ao nosso povo o controle sobre nossas riquezas petrolíferas."

Conquista social

A presidenta firmou boa parte do seu discurso nas conquistas sociais alcançadas em seu Governo e do seu padrinho, o ex-presidente Lula. "Retiramos 36 milhões de brasileiros da extrema pobreza, 22 milhões no meu primeiro mandato", afirmou.

"Nunca tantos brasileiros conquistaram empregos com carteira assinada e nunca tantos brasileiros tiveram acesso ao ensino técnico e à universidade", completou.

Dilma procurou reforçar a ideia de que o país está blindado de uma crise institucional. "Nunca o Brasil viveu período tão longo sem crise institucional, nunca as instituições foram tão respeitadas", completou.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: