Obama: “O isolamento não funcionou”

Washington reatará relações diplomáticas e vai aumentar apoio a empreendedores da ilha

Obama, durante seu comparecimento. REUTERS / REUTERS-LIVE!

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, admitiu na quarta-feira que o “isolamento não funcionou” para melhorar a situação do povo cubano após mais de 50 anos de embargo comercial e ausência de relações diplomáticas entre Washington e Havana.

Mais informações

Em pronunciamento na Casa Branca, o presidente afirmou que o objetivo é "colocar o interesse dos povos de ambos os países no cerne de nossas políticas” apesar de Washington e Havana terem diferenças significativas em assuntos políticos. Obama procura conseguir isso por meio de um pacote de medidas flexibilizadoras em relação a Cuba.

O presidente reconheceu que não se produzirá uma “transformação da sociedade cubana da noite para o dia”, mas se declarou convencido de que a aproximação é a política adequada para caminhar em direção a esse objetivo. Seu Governo prevê desenvolver as medidas flexibilizadoras o mais cedo possível por meio de emendas e mudanças na legislação que não requerem a aprovação do Congresso, como o fim do embargo requer. Estas são algumas das medidas mais importantes anunciadas:

- Obama instruiu o secretário de Estado, John Kerry, a iniciar imediatamente conversações com Cuba para restabelecer relações diplomáticas com a ilha caribenha. As relações foram rompidas em janeiro de 1961 depois da expropriação de bens norte-americanos pelo Governo revolucionário de Fidel Castro.

- Como parte dessa virada diplomática, os EUA reabrirão nos próximos meses sua embaixada em Havana e realizarão uma visita de alto nível entre ambos os governos. Paralelamente, os EUA iniciarão os trâmites para retirar Cuba de sua lista de países patrocinadores do terrorismo.

- Os EUA facilitarão as viagens a Cuba dentro das 12 categorias atualmente permitidas por lei. Por exemplo, viagens familiares, empresariais, jornalísticas, educativas e religiosas. A Casa Branca considera que essas mudanças “facilitam” o apoio de norte-americanos ao crescente grupo de empreendedores cubanos.

- Os EUA ampliarão de 500 para 2.000 dólares o limite quadrimestral para remessas a cidadãos cubanos, com a exceção de determinados funcionários do Governo cubano ou o Partido Comunista.

- Aumentará o número de bens e serviços que podem ser vendidos e exportados para Cuba. Por exemplo, materiais de construção de residências, equipamento agrícola para pequenos produtores rurais e aparelhos tecnológicos que melhorem o sistema de telecomunicações e de Internet em Cuba.

- Os viajantes norte-americanos serão autorizados a importar 400 dólares em bens de Cuba, com um limite de 100 dólares para tabaco e álcool combinados.

- Instituições americanas poderão abrir contas financeiras em Cuba para facilitar o processamento de transações autorizadas. Os viajantes a Cuba poderão usar cartões de crédito e débito norte-americanos.

- Entidades norte-americanas em um terceiro país – ou seja, fora dos Estados Unidos ou de Cuba – receberão licenças para prestar serviços e efetuar transações financeiras com indivíduos cubanos em terceiros países. Também serão desbloqueadas as contas de cidadãos cubanos emigrados em bancos dos EUA.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: