Não é uma banda de indie-rock, é a vanguarda anti-Dilma

Um grupo de jovens 'hipster' lidera os protestos contra o Governo petista em São Paulo e pretende pautar o discurso da oposição

De esquerda à direita: Kim Kataguiri (18), Frederico Rauh (23), Alexandre Santos (26), Gabriel Calamari (20) e Renan Santos (30). Os líderes do Movimento Brasil Livre em São Paulo.
De esquerda à direita: Kim Kataguiri (18), Frederico Rauh (23), Alexandre Santos (26), Gabriel Calamari (20) e Renan Santos (30). Os líderes do Movimento Brasil Livre em São Paulo.Victor Moriyama

Os cérebros que desde as eleições levaram milhares de pessoas à rua para berrar contra Dilma Rousseff têm entre 18 e 30 anos e bem poderiam ser confundidos com astros de uma banda de indie-rock. Praticamente tudo que é dito por Kim Kataguiri, o mais jovem do grupo, recebe ovações por parte de manifestantes que poderiam no mínimo ser seus pais; mais de 72.000 pessoas acompanham alguma das suas páginas no Facebook, e centenas de milhares assistem aos seus vídeos num canal do Youtube onde fala sobre liberalismo econômico. “Nós nunca vamos deixar que nosso país fique sob uma ditadura totalitária, o que é o objetivo do PT!” Aplausos.

Mais informações

Kataguiri, com outros quatro jovens vestidos com calças justas, sapatos de couro e camurça, camisas jeans e óculos Ray-Ban, assumiu a liderança em São Paulo do movimento Brasil Livre, que, desde 1º. de novembro, promove, organiza e financia através de doações o discurso de oposição ao PT nas ruas. “Este não é um movimento da elite, é uma revolução de quem trabalha e paga impostos, do pipoqueiro ao cara da classe média tradicional”, argumenta Renan Santos, de 30 anos, o mais velho do grupo.

O grupo está voltado para as manifestações anti-PT, mas seu objetivo é gerar conteúdo cultural em blogs, vídeos, campanhas e canais de televisão, por intermédio de uma start-up ainda engatinhando. Seu projeto busca “mudar a linguagem” associada à direita. “A esquerda se apropriou da cultura, da arte, da música, daquilo que é considerado cool ou moderno. Hipster. Nossos amigos artistas não podem revelar sua ideologia porque sofrem uma repressão cultural se não forem de esquerda”, criticam. Num canto do escritório onde trabalham, o vocalista de uma banda conhecida internacionalmente assente. Ele prefere não participar da entrevista porque seus fãs não estão preparados para seu discurso.

Nesse esforço de doutrinação, independentemente da estética, os garotos não estão sozinhos. Um leque de instituições, algumas financiadas por empresas, como o Instituto Ludwig von Mises Brasil, proclama seus mesmos ideais e patrocinam a evangelização da opinião pública a respeito do livre mercado e da liberdade individual.

Nenhum deles jamais havia participado de um protesto

O pequeno grupo trabalha com cinema, música e publicidade e se infiltra como uma enguia na Internet para defender o ideal de um Estado mínimo. Vestem-se segundo a última moda, mas estão longe das ideias que normalmente se associariam à sua estética jovem e moderna. Eles são liberais e conservadores, e no Brasil não há quem os represente: estão mais à direita do que qualquer partido com oportunidades de conquistar a Presidência. Não se expressam assim porque no Brasil ninguém se diz de direita. “A verdade é que a direita e a esquerda ficaram no século XX, seu significado está desvirtuado. Onde se encaixa o liberal? Nós somos liberais ao estilo de Margaret Thatcher e Ronald Reagan”, defende Alexandre Santos, 26 anos, sócio de uma produtora audiovisual.

Apesar de o PSDB ter subido no palanque dos protestos – Aécio Neves gravou um vídeo estimulando seus eleitores a participarem das passeatas –, o maior oponente do PT não encontrará simpatia neste escritório do centro de São Paulo. “Não é só o PT que vai se surpreender com este fenômeno [de oposição], o próprio PSDB também, que é o mais beneficiado pelos votos dessa gente que está agora nas ruas defendendo valores democráticos, e o partido não soube as ouvir. Quatro derrotas seguidas? Será que não é o momento de escutar um pouco? Aécio vai ter que começar a falar a nossa língua", defendem. “Até agora os políticos sempre nos pautaram, de agora em diante nós que vamos pautá-los.”

Com orgulho, assumem ter participado da campanha do “Raio Privatizador”

Descrevendo-se como ativistas, nenhum deles jamais havia participado de um protesto. Até que se envolveram naquele movimento que, em meio ao clima de indignação de junho de 2013, levou boa parte da direita a partir contra a PEC37, projeto de emenda constitucional petista que tirava do Ministério Público o poder de investigação, deixando-o apenas nas mãos da polícia. A emenda acabou sendo derrubada no Congresso depois da pressão popular. Com a lembrança daquela pequena vitória, mal deixaram transcorrer dez minutos após a divulgação dos resultados eleitorais para convocar o primeiro ato contra Rousseff. Até que se saíram bem: mais de 3.000 pessoas na sua estreia; 10.000 na segunda passeata, e quase 2.000 na última, em 6 de dezembro.

Apesar do relativo sucesso da convocatória, ou possivelmente por causa dela, colhem uma boa lista de detratores, e a cada manifestação os atritos com partidários da intervenção militar, que também reivindicam seu pedaço de rua, ameaça chegar às vias de fato. “Somos odiados por todos, da esquerda à direita radical”, admitem.

Sobre um carro de som, os rapazes soltam a voz para animar os participantes, também pouco acostumados a gastarem a sola dos sapatos no asfalto da avenida Paulista. Recorrem ao “Lula cachaceiro” e ao “Ei, Dilma, vai tomar no cu”, que sempre funciona, mas também a discursos um pouco mais elaborados sobre o capitalismo, a livre iniciativa, a redução de impostos, a privatização e a redução da intervenção do Estado. Com orgulho, assumem ter participado da campanha do “Raio Privatizador”, o gancho com o qual Paulo Batista, que pretendia privatizar até a USP, se apresentou como candidato a deputado estadual. Batista não se elegeu, mas sua campanha se tornou um fenômeno nas redes sociais, citado pelo The New York Times e pelo humorista norte-americano John Olivier.

Os filhotes anti-Dilma voltarão depois das festas. Haverá mais manifestações e intervenções um pouco mais subjetivas que comecem a identificá-los. “O futuro nos preocupa. Se soubéssemos que nosso Estado e nossa liberdade estão garantidas, não teríamos esse ímpeto de estar nas ruas”

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: