CGU abre processo que pode impedir gigantes de contratar com o Governo

Ação envolve oito empreiteiras, como Camargo Corrêa, Mendes Junior e Queiroz Galvão Controladoria avisa que novos processos podem ser abertos contra outras empresas

Refinaria de Abreu e Lima, construída por quatro das investigadas.
Refinaria de Abreu e Lima, construída por quatro das investigadas.Divulgação (PAC 2)

Oito das empreiteiras investigadas pela Operação Lava Jato, que apura ilícitos em contratos com a Petrobras, podem ser impedidas de contratar obras com o Governo federal. O ministro-chefe da Controladoria-Geral da União (CGU), Jorge Hage, determinou nesta quarta-feira a abertura de processos administrativos de responsabilização contra Camargo Corrêa, Engevix, Galvão Engenharia, Iesa, Mendes Junior, OAS, Queiroz Galvão e UTC-Constran.

Mais informações

Essas empreiteiras, responsáveis pelas maiores obras do país, são suspeitas de participar de um esquema de corrupção, lavagem de dinheiro e evasão de divisas em sua relação com a petroleira brasileira, e muitos de seus dirigentes chegaram a ser detidos no mês passado. Segundo a CGU, a decisão é “resultado da análise de documentos e informações da investigação da Operação Lava Jato, que foram compartilhadas pela justiça Federal, pelo juiz Sérgio Moro”. Em nota, a Controladoria informou que, para abrir o processo, “a CGU se baseou não apenas nos depoimentos contidos no material compartilhado, mas principalmente nas provas documentais, como e-mails, notas fiscais, transferências bancárias e registros de interceptações telefônicas, entre outros”.

Apesar de o processo se restringir a oito empreiteiras, a Controladoria segue analisando o caso e avisa que “há a possibilidade de que novos processos sejam abertos contra outras empresas”. A notificação das empresas será feita pela Corregedoria da CGU nos próximos dias e os processos poderão acarretar, quando encerrados, o impedimento de celebrar novos contratos com a União e a aplicação de multas.

Nesta terça-feira, o ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa disse, durante acareação em CPI com outro ex-diretor da empresa, Nestor Cerveró, que as irregularidades identificadas pela Operação Lava Jato acontecem “no Brasil inteiro, nas rodovias, nas ferrovias, nos portos, nos aeroportos e nas hidrelétricas”. Costa também confirmou todas as denúncias que fez à Justiça como parte de seu acordo de delação premiada. Apesar de não entrar em detalhes, o ex-diretor da estatal disse que implicou "dezenas" de políticos em seus depoimentos.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: