Venezuela encabeça lista dos mais corruptos da América Latina

Uruguai e Chile são os mais 'limpos', segundo o relatório da Transparência Internacional

Nicolas Maduro criou o órgão anticorrupção em 2014.
Nicolas Maduro criou o órgão anticorrupção em 2014. EFE

A Venezuela lidera mais uma vez a lista dos países vistos como os mais corruptos da América Latina, segundo relatório da Transparência Internacional divulgado nesta quarta-feira. O país ficou com 19 pontos numa classificação que vai de 0 (altamente corrupto) a 100 (muito transparente). A Venezuela ocupa o 161º lugar entre os 175 países analisados. O país latino-americano seguinte no ranking é o Paraguai, na 150ª posição, com 24 pontos.

As restrições ao exercício da liberdade de expressão e de participação cidadã – nos meios de comunicação e organismos não governamentais – somam-se a uma cultura de tolerância maior da corrupção, diz Jesús Lizcano, presidente da Transparência Internacional Espanha. “Esses elementos limitam o controle social, num continente que ainda apresenta enormes assimetrias e disparidades.”

Mais informações

Essas desigualdades se refletem, por exemplo, no fato de México e Chile, dois países com “boas leis de transparência”, terem resultados tão diferentes no Índice de Percepção da Corrupção, visto como referência no combate aos delitos econômicos. O México está na 103ª posição no ranking, e o Chile, na 21ª. Chile e Uruguai, empatados na lista, tiveram as melhores notas da América Latina.

“Não são apenas as leis, mas sua aplicação e a estrutura das instituições de cada país”, destaca Lizcano, acrescentando que existe na América Latina uma impressão geral de que o problema da corrupção não é enfrentado com firmeza. A Transparência Internacional não mede a percepção de corrupção política ligada aos partidos, mas a percepção da corrupção ligada às instituições públicas, por meio de uma dezena de estudos comparativos e pesquisas em cada um dos países. “Não o fazemos em Berlim”, esclarece o presidente da organização na Espanha.

Nos países de qualificação pior, a corrupção é encarada com “certa naturalidade” e está “impregnada” na sociedade de maneira sistêmica. Lizcano fala de uma metástase quando se encara como normal que qualquer funcionário – desde professores até juízes e policiais – peça dinheiro aos cidadãos para fazer seu trabalho. Os subornos são parte do dia a dia, ele diz.

Dos 31 países do continente americano analisados, 68% são reprovados em matéria de transparência, tendo recebido menos de 50 pontos. O Canadá lidera a lista, com 81, e o Haiti empata com a Venezuela, com 19. Ainda segundo o relatório, esses dois países foram vistos como os mais corruptos da América nos últimos nove anos.

Dos 31 países do continente americano analisados, 68% são reprovados em matéria de transparência

A lista dos reprovados continua com Cuba (46 pontos), Brasil (43), El Salvador (39), Peru (38), Colômbia e Panamá (37), Bolívia e México (35) e Argentina (34). Estão muito distantes dos países que lideram o índice: Dinamarca (92), Nova Zelândia (91) e Finlândia (89). A Espanha recebeu 60 pontos, e as piores qualificações de todas foram da Somália e da Coreia do Norte (8 pontos).

A Transparência Internacional observa “graves problemas” de corrupção e lavagem de dinheiro nos países conhecidos como os Brics, entre os quais o Brasil. “Este ano veio à tona que uma das principais empresas petrolíferas teria usado sociedades secretas para subornar políticos no Brasil.” Por regiões, a Europa ocidental registra uma média de 66 pontos, seguida pela América, com 45.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: