Educação, a chave para a queda da desigualdade entre regiões

Especialistas advertem que a qualidade do ensino brasileiro ainda é questionável

Alunos da rede pública de Itajaí, Santa Catarina.
Alunos da rede pública de Itajaí, Santa Catarina.Nelson Robledo (Secom Itajaí)

O avanço na educação no Brasil foi um dos fatores que mais contribuíram para a redução da diferença entre o Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM) das 16 regiões metropolitanas do país entre 2000 e 2010. A diferença entre São Paulo e Manaus, respectivamente o maior e o menor IDHM, diminuiu de 22,1% para 10,3% em uma década, puxado principalmente pelo desempenho da educação, segundo o Atlas do Desenvolvimento Humano publicado nesta semana.

Em 2000, a diferença entre os números do IDHM das regiões metropolitanas, com melhores e piores desempenhos para educação, era 43%, e, em 2010, o índice caiu para 15,9%. Ainda segundo o relatório, que avalia o tripé de quesitos: educação, renda e longevidade, houve melhora no IDHM em todas as regiões metropolitanas avaliadas nos últimos dez anos.

Apesar do progresso do setor educacional, a qualidade do ensino e o reflexo desses índices são questionáveis por especialistas. Dados como frequência e escolaridade, utilizados na pesquisa, devem ser analisados com cuidado, segundo a diretora da Faculdade de Educação da PUC-SP, Neide Noffs. "Junto com o aumento da escolaridade, cresceu o número de adolescentes na Educação de Jovens e Adultos (EJA). Temos que resolver o problema no ensino fundamental e não permitir que, quando um aluno tenha um baixo rendimento escolar, ele seja desviado para o EJA", explica.

Mais informações

A queda da desigualdade de renda, a diminuição da taxa de pobreza e a expansão dos programas sociais são também fundamentais para justificar o aumento do IDH nas regiões metropolitanas do país, de acordo com o pesquisador Fernando Prates da Fundação João Pinheiro que participou da pesquisa do Atlas. "Na última década, o Brasil passou por grandes mudanças: aumento das exportações, taxa de desemprego baixa, a renda aumentou e a desigualdade e a taxa de pobreza caíram", afirma Prates.

O coordenador geral da Campanha Nacional pelo Direito à Educação, Daniel Cara, concorda que o crescimento econômico do Brasil na década passada refletiu em uma melhora na educação, mas que, a partir do ano 2013, o setor voltou a estagnar. "A velocidade da melhoria é muito lenta. Para que o ritmo da última década continue, seria preciso taxas de crescimento acima dos 3%, que dificilmente serão verificadas", explica Cara.

Plano Nacional

Para a diretora da Faculdade de Educação da PUC-SP, o país ainda não está avançando como deveria, uma vez que enfrenta muitos entraves no aperfeiçoamento do ensino dos professores e, também, sérios problemas de vagas nas escolas infantis. Entretanto, a especialista acredita que a aprovação do Plano de Educação, em maio deste ano, foi um passo importante para o futuro do ensino brasileiro. "Esse plano trará, pela primeira vez, diretrizes para o setor. O que se vê atualmente é uma maior discussão sobre políticas públicas para melhorar a educação dos profissionais do ensino", afirma Noffs.

Na avaliação do presidente da Associação Nacional de Pesquisa em Financiamento da Educação (Fineduca), José Marcelino de Rezende Pinto, o país está longe de qualquer parâmetro aceitável. "Não temos insumos básicos nas escolas. Se não houver um recurso adicional do Governo Federal, não conseguiremos avançar no índice. A boa notícia é que no Plano Nacional fala-se em gastar 10% do PIB no setor que, hoje, recebe cerca de 5,5%. Só não sabemos como chegaremos a essa meta", explica. Para Pinto, os dois grandes gargalos da educação brasileira são as creches para crianças de 0 a 3 anos e a educação superior. "A cobertura do ensino superior chega só a 23%, quase a metade da taxa da Argentina, por exemplo", destaca.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: