Acordo nuclear com Irã enfrenta sérias dificuldades na reta final

União Europeia e EUA esperam fechar acordo antes de terça-feira, mas admitem problemas

Secretário de Estado dos EUA e o ministro francês de Relações Exteriores.
Secretário de Estado dos EUA e o ministro francês de Relações Exteriores.R. L. M. (AFP)

Seis grandes potências conseguiram fechar, há um ano, um histórico acordo nuclear com o Irã, que resultaria no fim de seu isolamento internacional. Os detalhes vêm sendo negociados desde então e, a três dias para o fim do prazo estipulado, as principais questões ainda precisam ser resolvidas. “Queremos chegar a um acordo, mas não pode ser qualquer um, mas um que funcione”, afirmou na quinta-feira o secretário de Estado norte-americano, John Kerry, depois de se reunir com o ministro de Relações Exteriores da França, Laurent Fabius, que acrescentou: “Importantes pontos de divergência persistem”.

Teerã afirma que não permitirá inspeções especiais da ONU

O grupo negociador, composto pelos cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU – Estados Unidos, Reino Unido, França, China e Rússia – além da Alemanha, se reúne na sexta-feira em Viena para tentar fechar um acordo no qual o Irã aceitou, em 24 de novembro de 2013, congelar seu programa nuclear em troca de o Ocidente começar a suspender as fortes sanções que asfixiam o país persa. Os negociadores querem garantir que o Irã vai abrir mão de sua capacidade de fabricar armas nucleares, um objetivo que Teerã sempre negou possuir.

Mais informações

A falta de avanços nesse terreno gerou ceticismo entre quase todas as partes envolvidas. “A União Europeia lamenta profundamente a falta de progresso na possível dimensão militar [do programa nuclear iraniano]”, afirmou a delegação para a ONU do bloco europeu em um comunicado. Mais comedida, a chefe de Política Exterior Europeia, Federica Mogherini, mostrou sua confiança no acordo e pediu que o Irã facilite as negociações. “É o momento para que o Irã tome a decisão estratégica de abrir caminho para um acordo histórico sobre a questão nuclear”, disse em um comunicado. As partes têm até a meia-noite de segunda-feira para negociar, justamente quando será completado um ano do primeiro acordo.

A própria ONU, por meio de sua agência nuclear, lançou dúvidas na quinta-feira sobre o cumprimento das condições mínimas para firmar um acordo. “O Irã não deu explicações que permitam esclarecer as principais medidas práticas”, disse o diretor-geral da agência, Yukiya Amano. O Irã se comprometeu a manter o enriquecimento de urânio em até 5% – um nível muito inferior ao necessário para usos militares –, aceitou neutralizar as quantidades já enriquecidas em 20% e renunciou à instalação de novas centrífugas. Em troca, as potências mundiais concordaram em flexibilizar as sanções.

Um relatório da oposição destaca que o programa tem fins militares

Na reta final das discussões, a In Search of Justice, organização de defesa da oposição iraniana em exílio, apresentou na quinta-feira, em Bruxelas, um crítico relatório sobre a situação. “O elemento militar continua sendo a base do programa nuclear”, afirmou Alejo Vidal-Quadras, presidente da organização. Dois ex-funcionários do alto escalão da Administração norte-americana durante o mandato de George W. Bush respaldaram as informações da organização. “O Irã vai manter a capacidade de violar este acordo”, disse John Bolton, ex-embaixador para a ONU. O ex-vice-secretário de Estado, Robert Joseph, pediu uma extensão dos prazos de negociação.

Por enquanto, o Irã oferece poucas esperanças de soluções intermediárias que permitam ratificar o pacto e submetê-lo a controles futuros. O chefe da agência de Energia Atômica do Irã, Ali Akbar Salehí, descartou que seu país venha a aceitar “alguma inspeção ou processo especial da ONU”.

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: