China e Estados Unidos anunciam acordo contra mudança climática

Pequim deve chegar ao máximo de emissões em 2030 e os EUA devem reduzi-las em 28%

China e Estados Unidos, os países mais poluentes do mundo, anunciaram na quarta-feira, durante a cúpula da Ásia-Pacífico em Pequim, um novo acordo para diminuir suas emissões de gases de efeito estufa. Até 2030, os Estados Unidos reduzirão suas emissões entre 26% e 28% em relação aos níveis de 2005 – o dobro do previsto – , enquanto a China se compromete a alcançar seu nível máximo de emissões nessa data ou antes, se possível.

Com esse acordo, as duas principais potências mundiais, que somam cerca de 40% do total de emissões de gases de efeito estufa mundiais, procuram estabelecer um exemplo e incentivar outros países a anunciar compromissos similares de modo a impulsionar um acordo mundial contra a mudança climática para 2020, que será negociado na reunião em Paris no ano que vem.

Mais informações

“Concordamos em assegurar que as negociações internacionais sobre a mudança climática chegarão a um acordo em Paris”, disse o presidente chinês, Xi Jinping, durante uma entrevista coletiva conjunta com o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, com quem se reuniu no Grande Palácio do Povo em Pequim. Obama afirmou que o pacto “histórico” representa “um enorme marco na relação chinesa-americana”.

Mediante o acordo, a China se compromete a aumentar para 20% a proporção de energias limpas em seu consumo total de energia até 2030 (a proporção atual é de 10%). Isso obrigará a segunda economia mundial a pôr em funcionamento uma capacidade geradora de 800 a 1000 gigawatts de energias não poluentes – solar, eólica ou nuclear, entre outras – até 2030, mais que todas as plantas alimentadas por carvão que existem hoje na China e “perto de toda a capacidade atual de geração de energia elétrica nos Estados Unidos”, de acordo com o comunicado conjunto de ambos os governos.

Para o presidente americano, o acordo chega depois da dura derrota democrata nas eleições legislativas da semana passada. O Partido Republicano, que agora tem maioria nas duas Câmaras do Congresso e acusa Obama de levar a cabo “uma guerra ideológica contra o carvão”, pretende reduzir as competências da Agência de Proteção Ambiental (EPA, na sigla em inglês).

O anúncio foi recebido com cautela pelas organizações ambientalistas. Segundo o encarregado de Mudança Climática e Energia do Greenpeace na Ásia, Li Shuo, “existe uma clara expectativa de mais ambição por parte dessas duas economias, cuja trajetória de emissões define a resposta global à mudança climática. Os anúncios de hoje deveriam ser a base, e não o teto, de medidas mais abrangentes”.

O acordo foi anunciado um dia depois de ambos os países divulgarem um entendimento para eliminar tarifas em produtos de alta tecnologia, que irá agora à Organização Mundial de Comércio (OMC) no que poderia ser o maior acordo global para a eliminação de tarifas em 17 anos. Segundo a Casa Branca, o lucro desse acordo acrescentaria 190 bilhões de dólares (485 bilhões de reais) anuais ao PIB mundial.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: