Suécia impulsiona o debate europeu ao reconhecer Palestina como Estado

País nórdico é o primeiro da UE a iniciar relações diplomáticas com os palestinos

A Suécia reconhece oficialmente o Estado da Palestina.

A Suécia lançou um marco inédito na política internacional ao se tornar, na quinta-feira, o primeiro país-membro da União Europeia (UE) a reconhecer a Palestina como Estado. Um mês depois de assumir o poder sueco, o novo Governo de centro-esquerda aprovou o reconhecimento, com a intenção de dar o exemplo entre seus parceiros no bloco. “Ao tomar essa decisão queremos trazer uma nova dinâmica ao processo de paz”, afirmou a ministra de Relações Exteriores sueca, Margot Wallström. O passo à frente de Estocolmo coincide com um período de endurecimento da postura europeia em relação a Israel, apesar de Bruxelas defender uma solução de comum acordo que possibilite a criação de um Estado palestino junto ao israelense.

Mais informações

A decisão sueca irritou Israel, que na própria quinta-feira convocou seu embaixador em Estocolmo, Isaac Bachman. O Governo de Binyamin Netanyahu está analisando a hipótese de retirar permanentemente seu representante na Suécia em protesto pela iniciativa.

Apesar de nenhum outro país da União Europeia ter legitimado a Palestina como Estado, o movimento sueco é sintomático de uma mudança de postura no continente. Este mês, o Parlamento britânico e o Senado irlandês aprovaram resoluções para pedir a seus Executivos que se juntem à lista de países que já reconhecem oficialmente a Palestina como um Estado. Nenhum dos dois tem intenção imediata de agir nesse sentido, mas a pressão de seus Legislativos estabelece as condições para a política europeia no Oriente Médio.

O Governo considera que foram cumpridos os critérios do direito internacional para o reconhecimento de um Estado palestino Margot Wallstrom, ministra das Relações Exteriores da Suécia

Um dia depois de o Parlamento britânico aprovar sua requisição ao primeiro-ministro, David Cameron, o ministro de Relações Exteriores da França, Laurent Fabius, se pronunciou na Câmara de Paris sobre essas iniciativas europeias. Suas palavras resumem bem a postura mantida pelo corpo diplomático da UE: “No momento em que dissermos que existem dois Estados, haverá um reconhecimento do Estado palestino. O que queremos não é algo simbólico, mas sim algo útil para a paz”. Uma porta-voz do Serviço Europeu de Ação Exterior afirmou, na quinta-feira, que a UE “reconhecerá os dois Estados no momento mais apropriado, ainda que os países-membros do bloco já tenham competência para fazê-lo”.

“O momento está cada vez mais oportuno, e a Suécia tomou uma decisão que fará o resto dos países-membros pensar bem”, prevê Shada Islam, diretora de estratégia da Friends of Europe, uma think tank de Bruxelas. Apesar de tudo, a analista duvida que a decisão sueca marque uma virada na política do bloco para o Oriente Médio. “A posição europeia nunca foi imutável, apenas um pouco incoerente, dependendo das circunstâncias na região”, explica.

A UE tenta encontrar uma posição que possa contentar a Alemanha, a Holanda e a Dinamarca, mais receptivas às demandas israelenses, e a outros países como a Suécia, mais inclinados ao lado palestino. Antes dos suecos, nações como Polônia, República Tcheca, Hungria, Romênia, Bulgária, Malta e Chipre já tinham reconhecido o Estado palestino, mas o fizeram antes de aderir à UE.

Com a ofensiva israelense lançada na Faixa de Gaza no fim de 2012, sob o nome de Operação Pilar Defensivo, a Europa começou a endurecer seu discurso em relação ao Governo de Netanyahu. Em dezembro daquele ano, os chefes de Estado e de Governo europeus reforçaram por escrito a necessidade de haver dois Estados, assim como o caráter “ilegal” dos assentamentos judeus nos territórios ocupados, que Bruxelas condena com relativa frequência.

Desde este ano, a UE proíbe que os fundos do bloco destinados a Israel (principalmente para bolsas de estudos e projetos de pesquisa) cubram também entidades radicadas nesses territórios, em uma decisão que causou revolta no Executivo de Netanyahu. Também se estuda hegemonizar de alguma maneira no bloco a iniciativa já adotada pelo Reino Unido de especificar nos produtos israelenses vendidos na Europa se eles procedem ou não dos territórios ocupados.

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: