Obama nomeia um ‘czar’ para a luta dos EUA contra o ebola

Ron Klein, ex-chefe de gabinete de dois vice-presidentes, é especialista no manejo de crises

Ron Klain
Ron KlainAndrew H. Walker (AFP)

Somente poucas horas depois de sugerir a possibilidade, a Casa Branca anunciou na manhã de sexta-feira a nomeação de uma pessoa para liderar a resposta ao ebola nos Estados Unidos. Quem ocupará o cargo denominado de czar (coordenador das tarefas governamentais na área) será Ron Klain, advogado e chefe de gabinete de dois ex-vice-presidentes, Al Gore e Joe Biden, e que aspirou ao mesmo cargo com Barack Obama, posto para o qual , por fim, foi designado Denis McDonough.

Na quinta-feira à noite, o presidente Barack Obama sugeriu pela primeira vez a possibilidade de tal nomeação para liderar a estratégia federal, pelo fato de o Governo ter também outras frentes importantes abertas, como a luta contra o Estado Islâmico no Iraque e na Síria. “Talvez seja necessário nomear uma pessoa a mais”, declarou Obama, “não por que esta equipe não tenha feito um trabalho excepcional, mas porque também é responsável por muitas outras coisas”, explicou o presidente. Obama cancelou esta semana por dois dias consecutivos viagens e atos de campanha de arrecadação de fundos para o Partido Democrata para permanecer na Casa Branca supervisionando a resposta do Governo à crise do ebola.

Embora não tenha experiência no âmbito sanitário, Klain, de 53 anos, é conhecido por ser um gestor especializado no manejo de crises, tais como a vivida no ano 2000 durante a apuração dos votos na Flórida, que no final deu a presidência a George W. Bush em detrimento de Al Gore. A rede HBO realizou um filme sobre aqueles dias, no qual o ator Kevin Spacey interpretou o papel de Klain.

"Suas credenciais são excelentes, supervisionou complexas operações no seio do governo federal, e mantém uma boa relação com os principais membros do Congresso, assim como com os integrantes do governo norte-americano, entre os quais o próprio presidente”, segundo informaram fontes da Casa Branca à Reuters.

Mais informações
Uma enfermeira dos Estados Unidos testa positivo para o ebola
O primeiro paciente diagnosticado com ebola nos EUA morre no Texas
Estados Unidos tentam conter alarmismo diante dos casos de ebola
OMS prevê até 10.000 infectados pelo ebola por semana na África
União Europeia propõe controle nos aeroportos para conter ebola

Klain se reportará diretamente às duas mulheres que aconselham o presidente em termos de segurança nacional, Lisa Monaco e Susan Rice. “Ele se certificará de que estão sendo empreendidos os esforços necessários para proteger o povo americano, detectando, isolando e tratando os pacientes de ebola, ao mesmo tempo em que se dedicará intensamente a deter a doença em seus países de origem, na África”, escreveu a Casa Branca em um e-mail.

O Governo Obama sofreu críticas por sua resposta inicial à crise do ebola dentro dos EUA, no que se refere aos hospitais estarem ou não suficientemente preparados para atender a potenciais pacientes contagiados pelo vírus, que já causou mais de 4.000 mortes na África. Desde que faleceu na semana passada em Dallas (Texas) o liberiano contagiado com ebola em seu país, vários congressistas defenderam a proibição temporária dos voos com origem nos três países africanos afetados pelo vírus: Libéria, Guiné e Serra Leoa.

Citado pelo diário The Washington Post, o ex-embaixador de Obama na Romênia Mark Gitenstein declarou que Klain forjou uma forte relação com o presidente quando o ajudou na época em que ainda era senador por Illinois a preparar os debates presidenciais contra o candidato republicano, John McCain, em 2008. “Esses preparativos requerem dizer cara a cara que você não está fazendo bem alguma coisa”, explica Gitenstein.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS