Wikileaks se transforma no empreendimento da moda

Assange cria linha de roupas, acessórios e utensílios domésticos para financiar sua causa América do Sul é um de seus potenciais mercados

Julian Assange, fundador do Wikileaks.
Julian Assange, fundador do Wikileaks.Corbis

De estrela hacker anarquista a marca registrada. Julian Assange está farto de ver camisetas com seu rosto estampado e merchandisings com a logo do Wikileaks e não tirar proveito econômico disso. Para formalizar sua invasão comercial como novo rosto do marketing rebelde, o fundador do Wikileaks deve lançar sua própria linha de roupa e utensílios domésticos e de papelaria. Foi o que o porta-voz da marca Wikileaks, Olafur Vignir Sigurvinsson, anunciou ao Times of India, publicação do país escolhido como local para os primeiros passos a serem dados para transformar Assange no próximo Che Guevara. A organização especializada em compartilhar segredos se associou a uma empresa local, a Franchise India, para abrir uma série de lojas físicas e expandir o comércio online a partir do país asiático. "A Índia é um dos países mais conscientizados em relação ao Wikileaks e Julian está encantado com esta aliança", afirmou Sigurvinsson.

Mais informações

Os planos da companhia não se limitam apenas à Índia. Assange contou há alguns meses, em entrevista exclusiva à revista Total Brand Licensing, que já tinha em mente há dois anos a ideia de transformar o Wikileaks em uma marca que representasse os valores da contracultura e do ativismo. "Está se fazendo merchandising com o emblema do Wikileaks... e nós não temos nada a ver com isso! Atualmente, é possível encontrar muitíssimos produtos com a nossa logo, meu rosto e todos os tipos de slogan, tudo sem licença e nenhum tipo de controle. Achamos que esta situação podia prejudicar a nossa organização e transmitir uma série de mensagens que não representam a visão do Wikileaks. Devemos tramitar nossa marca e por isso criamos uma licença". A WikilLicense é a marca que administrará toda a estratégia comercial do WikiLeaks no negócio da moda e acessórios. Apesar de já ser possível comprar, através do site do Wikileaks, camisetas de algodão com lemas como Inimigo do Estado e A coragem é contagiosa, a WikiLicense passará a desenvolver coleções completas com "desenhistas de moda franceses e de outros lugares que querem aliar sua marca a seus produtos", afirmou Sigurvinsson.

A Espanha é um dos potenciais mercados. Um estudo do Wikileaks realizado pelo Ipsos sobre 24 mercados mostrou que três em cada quatro pessoas apoiam a causa da organização. E as pessoas com nível de escolaridade mais alto foram as que demonstram o maior apoio. "É um grande negócio porque as pessoas com mais educação são as que têm maior poder aquisitivo e de despesa", disse o porta-voz do Wikileaks à Total Brand. Ele também destacou que a "Espanha, a América Latina, a África do Sul e a Índia são os primeiros mercados aos quais chegaremos".

Vivianne Westwood comercializou uma camiseta em solidariedade a Assange.
Vivianne Westwood comercializou uma camiseta em solidariedade a Assange.Getty

O negócio da contracultura

Com esta estratégia comercial, Assange – que vive recluso na embaixada do Equador em Londres para evitar sua extradição para a Suécia, onde teria que encarar uma acusação por delito sexual – quer se transformar no rosto do hacktivismo do século XXI. Se Che é um filão comercial cujo rosto pode ser visto em xícaras de café e até mesmo em estampas da Urban Outfitters, o que impede o fundador do Wikileaks de aproveitar um inegável empurrão midiático? Apesar de documentários retratarem sua (pseudo) queda em desgraça frente à opinião pública, Assange encarna essa figura rebelde que tanto vende. Não seria estranha, então, a eclosão de sua marca e sua entrada para o mundo moda. Os leitores da revista Time demonstraram sua devoção e o elegeram homem do ano em 2010; Vivianne Westwood se solidarizou com o bloqueio ao Wikileaks e comercializou uma camiseta em seu favor; chegou-se a dizer que Assange seria o modelo estrela da semana da moda de Londres em setembro do ano passado (em teoria ia desfilar para Ben Westwood na embaixada, com George Clooney no front row) e Dr Martens batizou um novo modelo de bota com seu nome. Os sinais de que a moda tinha se rendido a ele estavam aí e ele aproveitou o impulso. O objetivo é poder continuar mantendo sua organização. A WikiLicense, marca do Wikileaks, se erige como "um novo caminho para que nossos seguidores financiem nosso trabalho".

Transformar Assange nesse "herói inconformista que tem esse algo necessário para libertar o indivíduo das garras da sociedade de massas", essa figura comercial tão bem desentranhada por Joseph Heath e Andrew Potter no ensaio Rebelar-se vende (Taurus, 2005) não é nenhuma novidade no mercado. Utilizar os rendimentos da contracultura em benefício próprio é uma estratégia da qual não escapam a Nike, nem as filiais da H&M, que vendem camisetas idolatrando o assalto aos supermercados de Sánchez Gordillo. Até mesmo Jay Z chegou a se apropriar do movimento Occupy Wall Street para vender camisetas apesar de ter dito não entender “para que servia” a luta dos indignados americanos e porque denunciavam o “livre mercado” e o “ser empreendedor”, as bases “que construíram a América”. Agora é Assange quem reivindica sua fatia do bolo... vendendo edredons com seu rosto para que as pessoas se cubram.

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: