‘Relatos selvagens’, um golaço argentino nos cinemas

Filme de Damián Szifrón estreia no Brasil durante a 38ª Mostra de Cinema de São Paulo

A atriz Érica Rivas, que atua na história final do filme.
A atriz Érica Rivas, que atua na história final do filme.Divulgação

No Brasil, a Argentina é sinônimo de inimizade no futebol e de idolatria no cinema. É comum escutar dos espectadores atentos aos filmes argentinos, cada vez mais frequentes nos nossos circuitos, que eles fazem cinema melhor do que nós. Pois no caso de Relatos selvagens, o filme de abertura da 38ª Mostra de Cinema de São Paulo, não lhes falta razão: a vizinhança fez um golaço.

Um traço une as seis histórias que compõem essa comédia negra que defenderá a Argentina na disputa por uma cadeira no Oscar 2015: nós, seres humanos, somos animais selvagens que, em certos momentos da vida, simplesmente perdem o controle. Tem o atentado de avião arquitetado por um sujeito ‘maltratado’ a vida inteira por familiares e amigos; a vingança que acontece sem comprometer o vingador porque outro concluiu o serviço; a briga de trânsito entre machos que não medem consequências; o estresse que faz do cidadão comum e até louvável um criminoso indefensável; a corrupção sem limites de uma família rica que salva o filho mimado de ir à cadeia; e a loucura coletiva de uma festa de casamento que termina em catarse total.

Tudo contado com a ajuda dos melhores atores argentinos da atualidade, uns mais jovens, outros mais velhos, potencializando um roteiro sob medida para agradar tanto o espectador de gosto mais comercial, como o que espera do cinema que ele seja uma arte questionadora e que faz pensar. Tem, por exemplo, Ricardo Darín, grande astro do cinema latino-americano hoje e protagonista de O segredo de seus olhos (filme de Juan José Campanella pelo qual a Argentina conquistou seu segundo Oscar); Julieta Zylberberg, talento juvenil de A menina santa, de Lucrecia Martel, que cresceu em La mirada invisible, de Diego Lerman; Leonardo Sbaraglia, rosto que reconhecemos de Plata quemada e Las viudas de los jueves, de Marcelo Piñeyro; e Oscar Martínez, veterano da TV e do teatro que fez O ninho vazio, de Daniel Burman.

O filme foi produzido por Agustín e Pedro Almodóvar, que têm bom faro na hora de se associar com o cinema argentino (vide, entre outros, os filmes de Lucrecia Martel, coproduzidos pela dupla de espanhóis), e foi total sucesso de público na Argentina, fazendo mais de três milhões de espectadores em salas comerciais do país. Além disso, foi o único competidor da América Latina na principal seção do Festival de Cannes – em que por pouco não levou a Palma de Ouro –, tendo circulado por uma quinzena de importantes festivais internacionais.

Cartaz brasileiro de 'Relatos selvagens'.
Cartaz brasileiro de 'Relatos selvagens'.Divulgação

O talento por trás desse gol é um craque dos jovens (para o padrão do cinema, não do futebol): Damián Szifrón, de 39 anos, que debutou no cinema em 2001 com outra comédia negra, El fondo del mar. Em 2005, veio seu segundo longa-metragem, de maior repercussão internacional, a comédia policial Tiempo de valientes. Em Relatos selvagens, Szifrón consolida um estilo e dá mostras totais de um humor e uma sensibilidade ao estilo de Tarantino – tem o mesmo domínio dos diálogos e uma capacidade de conduzir com naturalidade as narrativas mais cotidianamente explosivas.

Durante a Mostra de Cinema de São Paulo, serão apenas três as exibições do filme. Sendo assim, aproveite a oportunidade de passar duas boas horas no cinema e também de falar bem (sempre mais saudável que falar mal) dos argentinos.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: