Hong Kong anula repentinamente diálogo com estudantes

Ruptura coincide com a abertura de uma investigação sobre pagamentos de empresa australiana ao chefe do Executivo local

Manifestante nas imediações da sede do Governo local de Hong Kong, nesta quinta-feira.
Manifestante nas imediações da sede do Governo local de Hong Kong, nesta quinta-feira.Kin Cheung (AP)

O processo de diálogo em Hong Kong foi subitamente cancelado na quinta-feira pelo Governo autônomo do território, na véspera de uma reunião programada com os estudantes que exigem eleições livres. A vice-chefe do Executivo local, Carrie Lam, que encabeçaria essa rodada de negociações, argumentou que o Governo estava sendo pressionado pelos estudantes, que nos últimos dias convocaram uma escalada das manifestações se não houver avanços.

Lam disse a jornalistas que a iniciativa dos estudantes demonstra “falta de sinceridade” e um desejo de impor pré-condições que não haviam sido pactuadas no diálogo com o Governo. “A convocação dos estudantes à expansão de uma campanha de desobediência solapou a confiança que é a base das nossas negociações e impossibilitou que se mantenha uma conversa significativa”, disse ela.

Mais informações

Na avaliação dos líderes estudantis, trata-se de uma “mera desculpa”. “Lam disse que estamos utilizando o diálogo para levar mais gente às ruas, quando o número de manifestantes está diminuindo... Mas a realidade é que uma grande massa de gente pode obrigar o Governo a recuar um pouco. Então os cidadãos deveriam voltar a tomar as ruas”, afirmou Alex Chow, presidente da Federação de Estudantes de Hong Kong, em entrevista coletiva.

Em nenhum momento, como salientou a Federação, o Governo estipulou nas negociações preliminares que seria proibido convocar novas manifestações. O único requisito prévio que veio à tona desse diálogo, ocorrido no começo desta semana, havia partido dos próprios estudantes: que o diálogo seria suspenso em caso de violência contra os participantes nas ocupações urbanas mantidas desde em 28 de agosto no centro de Hong Kong e nos bairros de Causeway Bay e Mong Kok.

A decisão do Executivo surpreendeu tanto os líderes estudantis como os manifestantes. A pauta da reunião da sexta-feira incluía o desenrolar da reforma constitucional em Hong Kong. Os manifestantes que bloqueiam as ruas no território chinês reivindicam o sufrágio universal e a livre indicação popular de candidatos na próxima eleição para a chefia do Executivo, em 2017.

O Governo central chinês apresentou em agosto uma proposta de reforma eleitoral que prevê o sufrágio universal, mas não a designação pública de candidatos. Impõe também uma série de condições, como ao exigir que os aspirantes ao cargo de chefe do Executivo contem com o apoio da maioria dos membros de um comitê eleitoral. Segundo os manifestantes, isso implica necessariamente que qualquer candidato precisará contar com o aval prévio de Pequim.

Os estudantes também exigem a demissão do atual chefe do Executivo local, Leung Chun-Ying. Mas o Governo havia rejeitado discutir a renúncia dele ou o arquivamento da proposta de Pequim para a reforma eleitoral.

Depois do anúncio da suspensão das negociações, o número de manifestantes no centro de Hong Kong voltou a crescer. O jornal South China Morning Post calculava que quase 5.000 pessoas se encontravam na área principal dos protestos, nos arredores da sede do Governo local. A presença de público nas ocupações diminuiu nesta segunda semana de protestos, já que escritórios e escolas voltaram a funcionar após um feriado prolongado. Depois do cancelamento do diálogo, as organizações estudantis convocaram um novo protesto para sexta-feira às 19h30 (6h30 em Brasília).

A ruptura do diálogo coincide também com a abertura de uma investigação sobre pagamentos equivalentes a mais de 15 milhões de reais feitos a Leung por uma empresa australiana. O departamento de Justiça de Hong Kong encarregou seus promotores de investigarem e se necessário apresentarem denúncia contra o político. O grupo de comunicações Fairfax Media, da Austrália, publicou que a companhia UGL Limited fez depósitos a Leung entre 2012 e 2013, relativos a um acordo de dezembro de 2011, quando a empresa adquiriu a imobiliária DTZ, onde Leung trabalhava na época como diretor para a Ásia/Pacífico. Leung, que não tinha divulgado esse rendimento, nega ter cometido qualquer ato ilegal. Ele assumiu o cargo de chefe do Executivo em julho de 2012.

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: