Para reeleger Dilma, PT vai concentrar ações em Estados-chave

Articuladores petistas miram em São Paulo, Pernambuco, Santa Catarina e Paraná Equipe de comunicação será reforçada com membros do Palácio do Planalto

Dilma concede entrevista no Palácio da Alvorada nesta segunda-feira.
Dilma concede entrevista no Palácio da Alvorada nesta segunda-feira.C. G. (EFE)

Uma vitória esmagadora nas eleições estaduais de Minas Gerais, uma surpresa na Bahia e uma esperança no Rio Grande do Sul animaram a campanha à reeleição de Dilma Rousseff. Mas, ter quatro milhões a menos de votos que em 2010, quando disputou a presidência pela primeira vez, e ver uma arrancada inesperada de Aécio Neves (PSDB) na reta final deixaram em alerta a campanha petista.

Durante todo o dia, coordenadores da campanha se reuniram em Brasília para discutir as estratégias para o segundo turno e definir como transferir a força que teve na maioria dos Estados do Nordeste e do Norte para outros locais fundamentais para a eleição, como São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Pernambuco. Nesses quatro Estados-chave, Dilma perdeu para Aécio Neves (PSDB) e/ou para Marina Silva (PSB). Os três concentram 48 milhões de eleitores, um terço do eleitorado do país.

Ministros, como José Eduardo Cardozo (Justiça), Thomas Traumann (Comunicação), Ricardo Berzoini (Relações Institucionais) e Miguel Rossetto (Desenvolvimento Agrário), ou seus representantes, participaram das conversas sobre a estratégia petista. Além deles, coordenadores da campanha dilmista e aliados, como Rui Falcão (presidente do PT) e Renato Rabelo (dirigente do PC do B), deram suas opiniões em alguns dos encontros desta segunda-feira.

Mais informações
A batalha eleitoral do Brasil
Após ser dado como ‘morto’, Aécio enfrenta Dilma no segundo turno
PSDB se reelege em São Paulo, e PT vence na terra de Aécio Neves

O primeiro passo será fortalecer a equipe de comunicação. Profissionais que hoje atuam no Palácio do Planalto passarão a fazer parte direta da campanha. O objetivo é reforçar as comparações entre as gestões do PT e do PSDB. Um pouco disso já foi feito no pronunciamento de Dilma na noite de domingo, quando ela disse que a população não quer ver de volta os “fantasmas do passado”, como a recessão econômica, o desemprego, o arroxo salarial e a inflação anual de 45%.

Nesta segunda-feira, a presidenta deu sequência à estratégia, dizendo que "nós vamos ter mais uma vez no Brasil dois projetos se confrontando, e esses dois projetos têm uma peculiaridade". "Ambos têm práticas de governo que ocorreram. Não vamos comparar só programas, mas também governos muito concretos, que apresentaram propostas para o Brasil e tiveram tempo de fazer, ao contrário de quem nunca tinha governado o país antes", completou Dilma, durante entrevista coletiva no Palácio da Alvorada.

Além da aposta nas comparações, membros de movimentos sociais, como do Movimento dos Trabalhadores Sem-Terra e de entidades que defendem grupos LGBT, entrarão direto na mobilização de novos eleitores, assim como as centrais sindicais que já declararam apoio à petista.

A cúpula do partido acredita que o mais difícil será recuperar terreno em São Paulo, onde Aécio teve uma vitória maiúscula, 44,22% contra 25,82% de Dilma e o 25,09% de Marina. Nesse Estado, aliás, a derrota foi inteira do PT, não só da presidenta. O candidato ao governo, Alexandre Padilha, amargou a terceira colocação no pleito. O senador Eduardo Suplicy, que tentava seu quarto mandato consecutivo, naufragou no segundo lugar, e as bancadas para a Assembleia Legislativa e para a Câmara dos Deputados se reduziram. Os deputados estaduais caíram de 24 eleitos em 2010 para 14 e os federais de 15 para 10. “São Paulo é um caso à parte. Precisaremos da força do ex-presidente Lula para crescer lá”, afirmou um dos articuladores do PT.

Novas forças

Além de se preparar para o segundo turno, a equipe de Dilma já começa a analisar os nomes para um futuro governo. Um teste para os eventuais membros de sua gestão começará a ser feito nesses dias que antecedem a segunda etapa na votação. O governador da Bahia, Jaques Wagner, conseguiu eleger seu sucessor no primeiro turno e voltou a ter forças no PT. Seu empenho no Nordeste para a reeleição da presidenta será essencial e poderá lhe render um cargo importante em uma eventual nova gestão. Indicados por Fernando Pimentel, que arrebatou o governo mineiro, também aparecerão no governo, assim como Tarso Genro, caso perca o segundo turno no Rio Grande do Sul.

Aliados do PMDB que conseguiram eleger governadores também serão colocados à prova. Até mesmo candidatos que no primeiro turno não pediram votos para Dilma, como o governador eleito do Maranhão, Flávio Dino (PC do B), serão cortejados. Dino derrotou o clã dos Sarney, aliado de primeira hora de Dilma, ao vencer Lobão Filho, primogênito do ministro das Minas e Energia, Edison Lobão. No já citado discurso de domingo, Dilma reforçou que receberá de braços abertos todos que quiserem apoiar sua candidatura.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS