Descoberta de 28 corpos em valas comuns cria tensão no México

Onda de violência na cidade de Iguala deixou seis mortos e 40 desaparecidos

Estudantes de Ayotzinapa protestam contra violência.
Estudantes de Ayotzinapa protestam contra violência.F.Marquez (AP)

A descoberta de seis valas clandestinas com 28 corpos nos arredores de Iguala (estado de Guerrero), no México, acirrou o clima de apreensão no país. O município de 131.000 habitantes, onde impera a lei do narcotráfico, viveu na última sexta-feira de setembro uma onda de violência policial contra um grupo de estudantes de pedagogia que terminou com seis mortos, 17 feridos e 40 desaparecidos. A possibilidade de os corpos, localizados em Pueblo Viejo, serem dos estudantes pesa na mente das autoridades e de todo o país, mas, por enquanto, nem a Procuradoria nem nenhum órgão oficial confirmaram essa hipótese.

O procurador estadual, Iñaky Branco, afirmou em uma entrevista coletiva no domingo que os corpos estavam calcinados e que a identificação levará entre “15 dias e dois meses”.

A descoberta desencadeou ataques com coquetéis molotov à casa do Governador

A descoberta abalou pais e colegas dos desaparecidos. As tentativas de acalmá-los pouco adiantaram. A casa do governador, Ángel Aguirre, cujo papel é cada vez mais questionado, foi atacada com coquetéis molotov na noite de sábado. Todas as escolas rurais de pedagogia do México declararam greve em solidariedade aos colegas de Ayotzinapa.

O temor de que esses estudantes, um grupo de origem camponesa, muito organizado e tradicional celeiro de guerrilheiros, desencadeiem uma onda de violência maior levou o governador a pedir tranquilidade: “Faço um apelo para manter a concórdia e evitar a violência. Hoje precisamos como nunca da unidade de todos. Seria lamentável alguém tirar proveito político”.

O destino dos desaparecidos em Iguala tornou-se uma incógnita de magnitude nacional. A selvagem violência da polícia contra os estudantes por tomarem três ônibus e a intervenção de pistoleiros junto a agentes municipais contribuíram para deteriorar a situação em Guerrero. O estado, com quase três milhões e meio de habitantes, tem a maior taxa de homicídios no México e é campo de batalha de quatro organizações criminosas. No caso de Iguala, o controle está nas mãos do Guerreros Unidos, uma organização sanguinária surgida das cinzas do cartel de Arturo Beltrán Leyva, o Chefe dos Chefes.

A detenção de 22 policiais municipais por envolvimento nas mortes não conteve o escândalo. O prefeito de Iguala, José Luis Abarca, acusado de ligações com o narcotráfico, fugiu em meio às denúncias sem que nenhuma autoridade fosse capaz de pôr as mãos nele. “O ministério público promoverá um julgamento para que o prefeito perca o foro. Estamos investigando indícios contra ele”, disse o procurador no domingo.

O secretário de Segurança, chefe dos agentes que atiraram contra os estudantes, seguiu o mesmo caminho. As investigações determinaram que muitos policiais detidos eram membros do Guerreros Unidos. A polícia deteve alguns pistoleiros, mas nenhum cabeça foi pego.

  dimensão do caso levou a Procuradoria Geral da República, um órgão subordinado ao presidente, a tomar as rédeas das investigações. O país acompanha com expectativa o resultado das investigações. Ninguém duvida que uma bomba relógio foi acionada.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: