Barcelona separa mais 27 milhões de reais para cuidar do ‘caso Neymar’

O pai do jogador brasileiro contradisse a declaração do ex-presidente Rosell

O pai de Neymar, na Audiencia Nacional.ÁLVARO GARCÍA / ATLAS (atlas)

O pai e representante do atacante do FC Barcelona Neymar declarou, diante do juiz da Audiência Nacional Pablo Ruz, que o Real Madrid ofereceu 150 milhões de euros (470 milhões de reais) pelo seu filho ao Santos, clube de procedência do jogador, mas que seu filho preferiu assinar com o Barça. Uma fonte presente no interrogatório de Neymar da Silva Santos assegurou que ele defendeu a idoneidade dos contratos feitos pelo Barcelona com ele e seu filho, entre eles o que lhe paga dois milhões de euros (6,2 milhões de reais) para trabalhar como olheiro no Brasil, ações que, segundo ele, permitiram a contratação de três jogadores pelo clube catalão por 7,9 milhões de euros (24,7 milhões de reais). O mais caro deles, Victor Andrade, custou 3,2 milhões de euros (10 milhões de reais) e foi repassado sem custo algum para o Benfica.

Mais informações

O depoimento do progenitor do jogador ressaltou, segundo fontes jurídicas, duas contradições do ex-presidente culé, Sandro Rosell, intimado em 22 de junho. A primeira foi negar a existência de um escritório para seu negócio Neymar&Neymar em Barcelona, mencionado por Rosell em sua declaração. A segunda foi sobre a decisão de adiantar 10 milhões de euros (31,3 milhões de reais) para conseguir a contratação do jogador. Rosell contou que foi o falecido treinador Tito Vilanova quem o pediu para assegurar o contrato, enquanto o pai de Neymar disse ter sido o Santos, na realidade, clube de procedência do jogador, quem pediu para adiantar a operação para ser beneficiado antes do atacante ficar com o passe livre.

O FC Barcelona reservou em seu orçamento para esse ano mais 8,8 milhões de euros (27 milhões de reais) para remediar possíveis responsabilidades e sanções derivadas do caso Neymar, sobre a suposta fraude fiscal na contratação do jogador brasileiro. Este montante soma-se aos 13,5 milhões de euros (42.3 milhões de reais) que o clube azul-grená havia reservado até agora desde o início das investigações, abertas pelo juiz da Audiência Nacional, Pablo Ruz. Assim explicou, segundo fontes jurídicas, o diretor financeiro do clube, Nestor Amela, que testemunhou na quarta-feira diante do magistrado.

Amela assegurou que leu e revisou detalhadamente todos os contratos que ligam o jogador brasileiro ao clube catalão, e lhe pareceram todos corretos, segundo fontes presentes no interrogatório. Também assegurou que não tomou conhecimento de que a consultora Deloitte alertou sobre as possíveis irregularidades na contratação do atacante nem que o Barcelona precisou pagar impostos sobre a penalização de 10 milhões de euros (31,3 milhões de reais) que precisou adiantar ao Santos, clube de procedência do jogador, pela contratação do jogador.

Ruz investiga os dez contratos que o Barcelona assinou com a empresa do pai de Neymar e o Santos para incorporá-lo ao seu plantel no começo da temporada 2013-2014. Segundo a Agência Tributária, o clube catalão deixou de pagar pelo menos 9,1 milhões de euros (28,5 milhões de reais) para a Fazenda em relação ao Imposto sobre a Renda dos Não Residentes (IRNR) e o Imposto sobre a Renda das Pessoas Físicas (IRPF) ao não ser tributado por pagamentos no valor de 37,9 milhões de euros (118,8 milhões de reais) realizados entre 2011 e 2013.

Rosell declarou em 22 de junho para Ruz que a contratação de Neymar custou 57,1 milhões de euros (179 milhões de reais) e defendeu a legalidade da operação apesar de na época não ter lido “as letras miúdas” dos contratos, segundo explicaram fontes jurídicas. Na sexta-feira o juiz recusou a intimação do atual presidente do Barcelona, Josep María Bartomeu, e do vice-presidente econômico, Javier Faus, ao considerar que neste momento da investigação não existem “elementos suficientes” para que sejam investigados.

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: