Três milionários chineses fazem uma aliança para competir com a Alibaba

Grupo Wanda se posiciona como alternativa no comércio eletrônico na China

Desde a esquerda: Robin Li (Baidu), com Wang Jailin (Wanda), e Ma Huanteng (Tencent).
Desde a esquerda: Robin Li (Baidu), com Wang Jailin (Wanda), e Ma Huanteng (Tencent).pu man (efe)

O mercado do comércio eletrônico na China é suculento demais para que fique nas mãos de um só. Isso é o que devem ter pensado Ma Huateng, Robin Li e Wang Jianlin, três dos empresários mais ricos da China, quando há menos de um mês uniram forças para criar uma nova empresa que compita nesse negócio justo quando a Alibaba, que domina amplamente o setor no país, finalizava sua reluzente irrupção em Wall Street. Uma estreia em bolsa, concretizada na sexta-feira, que posicionou a Alibaba entre as 20 empresas mais valiosas do mundo, com uma capitalização de 231 bilhões de dólares (550 bilhões de reais).

Na classificação elaborada pela Bloomberg, Ma, Li e Wang ostentam a segunda, terceira e quarta maiores fortunas na China, só superados agora por Jack Ma, fundador e presidente da Alibaba. Seu êxito reside no fato de as empresas que dirigem (Tencent, Baidu e Wanda) serem líderes em seus respectivos negócios, e sua recente união tem como fundamento nunca terem conseguido individualmente abrir uma brecha significativa no setor de comércio eletrônico.

Mais informações

O conglomerado Wanda é o maior grupo imobiliário do país. Conta com uma extensa rede de shopping centers, hotéis de luxo e salas de cinema. No ano passado anunciou um investimento equivalente a 19 bilhões de reais para criar uma “Cidade do Cinema” no município costeiro de Qingdao, e recentemente virou notícia na Espanha depois de comprar o emblemático edifício España, em Madri. A empresa pretende agora levar seu imenso negócio para o terreno online na China em um momento em que a linha entre o comércio físico e o eletrônico se torna difusa e é preciso agir ante a indiscutível liderança da Alibaba.

A aposta é forte: do equivalente a 1,9 bilhão de reais investidos no novo projeto conjunto, o grupo imobiliário entrará com 70% enquanto a Tencent e a Baidu contribuirão com 15% cada uma. De fato, em um comunicado que comenta a aliança, a agência de classificação Fitch garante que “o capital alocado reflete o forte compromisso do grupo Wanda com esse projeto”.

Que a Wanda tenha escolhido como parceiros essas duas empresas tampouco é por acaso. A Baidu é o principal site de buscas na China, com mais de 500 milhões de usuários ativos mensais e a Tencent é líder nas redes sociais com as plataformas QQ e WeChat, que acumulam 829 e 438 milhões usuários, respectivamente. A Wanda sabe que seus aliados são o principal canal para aproximar seus negócios dos celulares e tablets dos chineses. “Trata-se basicamente de serviços, como cinema e karaokê, que incorporaremos a nossas plataformas já existentes, como os portais de compras em grupo ou o serviço de mapas”, explica Anna Wang, responsável pela assessoria de Comunicação da Baidu. Basicamente, a Wanda usará as plataformas da Baidu e da Tencent para atrair seus milhões de usuários. Daí vem a expressão que os três presidentes não se cansaram de repetir quando, no final de agosto, anunciaram a aliança: “Do online ao offline”.

Se a Baidu facilitará a geolocalização, a Tencent sairá fragmentada do acordo graças ao seu sistema de pagamento, o TenPay. Cada vez que um dos futuros usuários adquirir um produto ou serviço, realizará o pagamento através de seu sistema de pagamento virtual, que, apesar de ter sido bem recebido pelo público, ficou muito atrás do Alipay, a plataforma da Alibaba.

Embora a união seja de três gigantes que dominam seus setores, nem todo mundo está otimista quanto ao resultado. “Nossas análises indicam que a possibilidade de fracasso dessa aliança é de 50%, porque as três empresas já sofreram vários retrocessos no setor de comércio eletrônico”, afirma Cao Yong, diretor do Centro de Pesquisa de Comércio Eletrônico na China. “Além disso, a Wanda terá de manter ativas a Tencent e a Baidu para poder tirar o máximo proveito de seus recursos”, acrescenta. Principalmente a primeira delas, porque seus 15% de participação em outro portal de comércio eletrônico, jd.com, poderia desmotivá-lo no caso de que o novo projeto se transforme em um competidor real no crescente mercado chinês.

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: