A QUARTA PÁGINA
Tribuna
São da responsabilidade do editor e transmitem a visão do diário sobre assuntos atuais – tanto nacionais como internacionais

Um Plano Merkel para a Ucrânia e a Europa

A UE precisa cultivar um rosto liberal frente à receita conservadora e nacionalista com propostas de longo prazo. Diante de uma Rússia expansionista, seus instrumentos devem ser políticos e econômicos antes que militares

Nicolás Aznárez

A União Europeia deve elaborar um plano de dez anos para a Ucrânia. E esse plano também vai definir o que será a Europa dentro de dez anos. Em homenagem à figura política mais destacada da Europa, que impulsionou claramente a mudança da postura europeia em relação à Ucrânia, poderíamos denominá-lo Plano Merkel. Se funcionar, prevalecerá uma versão muito europeia da ordem liberal sobre uma receita conservadora e nacionalista de agitação violenta e permanente representada por Vladimir Putin. Se fracassar, fracassará novamente a Europa.

Nosso plano deve ter três frentes, militar, política e econômica, cada uma com múltiplos componentes, que teria que ir se adaptando às mudanças das circunstâncias. Os Estados Unidos têm um papel a desempenhar, mas um papel secundário, não protagonista.

Para ter um plano, nós europeus devemos saber o que estamos enfrentando. É difícil saber, porque Putin está demonstrando um estado mental típico de um autocrata do passado: errático e cheio de soberba. Mas imagino que o que pretende é manter o caos, a dispersão de poderes e a influência russa no sudeste da Ucrânia para que o país não consiga se consolidar como Estado soberano e funcional, nem se aproximar da União Europeia e da OTAN. Nesta estratégia é fundamental que haja uma fronteira porosa entre a Rússia e a Ucrânia, para que as armas e os agitadores russos a atravessem à vontade.

Essa não era a ideia inicial de Putin. O que ele queria era um Estado satélite dentro de sua União Euroasiática, não a metade de uma casa em ruínas. No entanto, agora parece que decidiu recorrer ao que no mundo pós-soviético é denominado de opção do conflito congelado. Que resposta podemos dar sem perder de vista outras possibilidades, tanto piores quanto melhores?

Alguns propõem reforçar a ajuda militar às forças armadas ucranianas, para que tenham opções de ganhar. Do ponto de vista moral, é justificável. Na prática, não é possível. Depois das reformas aplicadas ao exército russo durante os últimos seis anos, Putin conta hoje com tropas modernas e eficientes do outro lado da fronteira, e seus generais refletiram muito para elaborar novas formas de guerra encoberta e não declarada, que com tanto sucesso colocaram em prática na Crimeia e no leste da Ucrânia.

Putin está demonstrando um estado mental típico de um autocrata do passado: errático e soberbo

Não podemos transformar de uma só vez o exército ucraniano apenas com treinamentos e transferências de material, como não é possível transformar um velho Lada em uma BMW, apenas introduzindo uma caixa de câmbio da BMW e contratar um mecânico alemão. A não ser que Washington queira travar uma guerra não declarada contra uma Rússia ainda nuclear, Moscou terá sempre o que os estrategistas chamam de domínio da escalada. Putin sempre pode aumentar a aposta, e demonstrou que está disposto a fazê-lo.

Ainda assim, os países ocidentais devem proporcionar material bem escolhido, suprimentos e treinamento ao exército ucraniano, em especial às tropas fronteiriças. No longo prazo, uma das chaves para garantir que Putin não consiga seu conflito congelado é fechar essa fronteira. Além disso, a OTAN deve deixar claro que não vai tolerar nenhuma ação encoberta russa, militar nem paramilitar, em nenhum centímetro quadrado de território da Aliança e isso inclui, por exemplo, a cidade estoniana –mas habitada por russos– de Narva, na fronteira entre a Rússia e a Estônia.

É preciso haver negociações políticas e diplomáticas sempre que for possível. Mas as probabilidades de se alcançar um acordo constitucional no leste da Ucrânia que seja aceitável tanto para a Rússia quanto para Kiev são escassas. As duas partes não podem chegar a um acordo, que significa dizer palavras como descentralização, federalização e status social, nem sobre quais são as zonas em que estas palavras devem ser aplicadas (“A Ucrânia é livre para aprovar as leis que quiser”, declarou um chefe rebelde em Donetsk à AFP, “mas não pensamos em federalismo”).

E, acima de tudo, Putin não pode querer um verdadeiro acordo estável, pacífico e duradouro, porque nesse caso a Ucrânia poderia funcionar como Estado federal e aproximar-se da UE. Pode ser que ele e seus seguidores se importem com o futuro dos que chamam “russos” nos países vizinhos, mas o grande jogo que interessa ao presidente é geopolítico e não tem nada a ver com os direitos das minorias locais.

Enquanto isso, a Europa pode tomar outras medidas políticas. Agora que os parlamentos europeu e ucraniano ratificaram o acordo de associação, a UE deve ajudar a Ucrânia a ser um Estado mais ou menos funcional. Se a União pretende conquistar os habitantes de idioma russo, o melhor que pode fazer é dar passos em direção à isenção de vistos para a maioria dos ucranianos. A experiência indica que é a forma mais rápida de mudar as opiniões na Europa pós-comunista, mas é evidente que é uma dose difícil para uma Europa ocidental receosa diante da imigração.

A OTAN deve deixar claro que não vai tolerar nenhuma ação encoberta, militar nem paramilitar

Em troca desses incentivos, os ucranianos devem levar a sério a reforma de seu Estado. Isso significa, acima de tudo, combater a corrupção onipresente na política da Ucrânia pós-soviética. Isso tem que mudar.

Em relação aos russos, não devemos esquecer que, apesar de sua popularidade atual, Putin não é a Rússia nem a Rússia é Putin. Devemos levar sempre em conta essa distinção crucial. Em algum momento dos próximos dez anos, Putin irá embora.

Essa saída será acelerada caso houver sanções econômicas mais fortes contra o regime? Suas consequências já estão começando a aparecer, inclusive em empresas de energia como a Rosneft mas, a curto prazo, a mentalidade de assédio fomentada pela propaganda pode dar ainda mais força a Putin. No longo prazo, as sanções o enfraquecerão. Com o passar dos anos, os russos calcularão com pragmatismo o que mais lhes interessa. Os bolsos das famílias poderão mais do que a alma imperial coletiva.

Principalmente caso se perceba que a Ucrânia prospera e a Rússia não. Para que prospere, será crucial encontrar o difícil equilíbrio entre desenvolver a relação comercial e de investimentos da Ucrânia com a União Europeia e não cortar seus laços econômicos com a Rússia. O acordo firmado na semana passada para adiar a adoção do tratado de livre comércio entre a UE e a Ucrânia permite ganhar algum tempo para buscar uma solução.

Em seguida está a questão energética. O gás e o petróleo respondem aproximadamente pela metade das receitas federais da Rússia. Grande parte da Europa necessita do combustível russo para poder ter luz. Se a UE caminhar em direção à independência energética — que exige uma rede de interdependência energética dos Estados membros —, o equilíbrio de poder entre a Rússia e a Europa sofrerá uma alteração decisiva. Ao ajudar a Ucrânia, a Europa ajudará a si mesma.

Estas não são mais do que algumas sugestões para um plano de dez anos. Podem discordar de algumas, ou propor outras. O que não resta dúvidas é que a Europa precisa desse plano; que terá muitos componentes, não dois ou três que chamam muito a atenção; que seus principais instrumentos serão econômicos e políticos, não militares; que deverá ser constante na estratégia e flexível na tática; e que vai levar muito tempo para dar frutos. Se a Europa possuir a visão, a vontade e a paciência necessárias, o resultado vai trazer à mente a velha fábula do vento frio do Leste e do sol que apostam qual dos dois é capaz de tirar o casaco do homem que passa. O vento sopra e sopra, e o homem estremece e se abriga ainda mais para proteger-se do frio. Então o sol brilha, e o homem, suado, tira o casaco.

Timothy Garton Ash é professor de Estudos Europeus na Universidade de Oxford, onde coordena o projeto freespeechdebate.com, e é pesquisador titular do Instituto Hoover da Universidade Stanford. Seu livro mais recente: Os Fatos São Subversivos: Escritos Políticos para Uma Década sem Nome (Taurus).

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: