Cegos pela violência

A polícia violenta e a “invisibilidade” de negros e pobres no Brasil são tema de um debate entre especialistas na Bienal do Livro de São Paulo, encerrada domingo

Protesto contra a violência policial no Rio.
Protesto contra a violência policial no Rio.MARIO TAMA (AFP)

Quem afirma que o Brasil não é um lugar violento é porque, de certa maneira, compactua com um “regime de invisibilidade” que vigora há muito no país, principalmente para os negros e os pobres. A conclusão é de um grupo de especialistas que debateu o tema durante a 23ª Bienal do Livro de São Paulo, encerrada no último domingo: Vladimir Safatle, professor de filosofia da USP, Jaime Ginzburg, professor de literatura brasileira da USP e Luiz Eduardo Soares, escritor, dramaturgo e ex-secretário nacional de segurança pública.

A ideia do encontro – que aconteceu na quinta-feira, 28, mediado pelo jornalista Paulo Markun – era discutir “A violência como herança no Brasil contemporâneo”, buscando rastros dela na política, na sociedade, na cultura e nas artes brasileiras. Não faltaram indícios de sua presença, mas a violência do Estado, encarnada na atuação da polícia, concentrou grande parte das atenções.

O grupo partiu de um retrato desanimador, levantado por Luiz Eduardo Soares: o Brasil contabiliza cerca de 150.000 homicídios dolosos ao ano, dos quais apenas 8% são investigados; tem a terceira população carcerária e a que mais cresce no mundo, com cerca de 600.000 presos, a maioria negros, e uma polícia que, só no Rio de Janeiro, matou 1.067 pessoas entre 2003 e 2013, segundo os dados oficiais. “É preciso enfrentar o racismo e a brutalidade do Estado contra os negros e os pobres”, alertou o antropólogo e cientista político que é um dos principais especialistas em segurança pública do país.

Para Vladimir Safatle, “a polícia é um problema a mais. É difícil distinguir o comportamento dela do comportamento do bandido”. Segundo ele, a isso se deve que mais de 60% da população do país não confie na própria polícia e, da mesma maneira, que estudos realizados pela ONU há dois anos tenham sugerido a extinção da polícia militar brasileira. “Operamos de um acordo com um regime de invisibilidade. É a lógica do apartheid social, que vive uma reprodução contínua”, afirmou o filósofo.

Jaime Ginzburg chamou a atenção para a legitimação da violência nos processos educacionais que, ao contrário de formar pessoas não violentas, chega a ser incentivar um comportamento agressivo através de um elevado conservadorismo e na conformação do que ele denomina “cultura sacrificial”. “É muito fácil circular no Brasil uma fala de ódio, no sentido concreto de matar e machucar as pessoas, sobretudo negros, pobres e prisioneiros, e de que isso levaria ao bem comum”, disse. É o famoso “tem que morrer mesmo, tem que matar”, que termina legitimando o “direito do Estado à violência”. “Faltaria ao próprio Estado reconhecer que isso é um problema”, concluiu.

A origem do problema

Muitos países têm em seu passado histórias que favoreceram a exacerbação da violência. No caso do Brasil, mais do que acontecimentos do passado que justifiquem o rótulo de país violento, o problema parece ser “um lado sombrio” resultante de processos como a escravidão e a implementação da República que, segundo Soares, insistem em aparecer por jamais terem sido encarados de frente.

O ex-secretário cita a atual política pública de drogas para exemplificar que “não há aplicação da lei” e sim do “filtro seletivo da mídia”. “O menino negro que vende maconha vai para o inferno, enquanto o branco que consome é 'viciado, coitado'. Os suspeitos são previamente concebidos. Por isso, só encontramos nas cadeias essa população negra, pobre etc. É isso que se está procurando. Onde vamos encontrar na rua o chefe do crime organizado?”, resume.

A suposta passividade do brasileiro, já um lugar-comum, é traduzida num processo contínuo de “desculpabilização perpétua”, nas palavras de Safatle. “A maioria não se sente responsável, pensa ‘eu mesmo nunca fiz isso’, e assim continuamos vivendo num regime de esquecimento.” Essa postura, segundo Ginzburg, é reforçada pela falta de credibilidade do pacifismo: “O pacifista é tomado por ingênuo. No Brasil, isso é hoje muito ostensivo”.

O papel da cultura

No desfecho da conversa, a cultura foi apontada como o terreno em que as pessoas e os traumas do país deixam de ser invisíveis. “As expressões culturais são importantes, porque criam um sentido de pertencimento”, disse Luiz Eduardo Soares. Para Vladimir Safatle, “só a cultura tem a força de tirar a violência do circuito imaginário de uma sociedade”.

Apesar do cenário desanimador, os três especialistas concordaram que, assim como na Bienal, o tema começa a entrar de outra maneira na agenda social. No entanto, um dos notáveis campos a resistir ao problema parece ser o da campanha para as eleições presidenciais de outubro. “Essas questões estão sendo ignoradas no processo eleitoral, com raras exceções”, concluiu Jaime Ginzburg.

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: